Total de visualizações de página

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

BONDE LEME


 
As duas fotos coloridas foram garimpadas pelo Nickolas e a P&B é uma foto do mesmo local, quase na mesma época, anos 50.
Vemos o bonde 5-Leme cujo trajeto era: Tabuleiro da Baiana - Senador Dantas - Luís de Vasconcelos - Augusto Severo - Largo. da Glória - Catete – Senador Vergueiro – Praia de Botafogo - Passagem - General Góis Monteiro - Túnel Novo - Prado Junior - N. S. Copacabana - Antônio Vieira - Gustavo Sampaio - Praça Almirante Júlio de Noronha.
O prezado comentarista Lahire Marinho já comentou que o bonde 5-Leme fazia a volta num rodo no final da Rua Gustavo Sampaio, na Praça Almirante Julio Noronha.
Existia, também, um pequeno desvio que ia até ao centro do rodo, para alguns bondes que ali estacionavam, pois não voltavam de imediato.
Na última foto vemos que o desvio saía da linha do bonde que estava fazendo a volta na praça, como também da linha que estava voltando, fazendo um Y.

10 comentários:

  1. Vi o Y na segunda foto. Na última foto, o bonde parece mais antigo (não é bataclã), mas a época deve ser a mesma, visto o estoque de manilhas de concreto que aparece em todas as fotos.
    A lateral do bonde tinha aquele gradeado (em Santa Teresa não há gradeado, ambos os lados são abertos, pois há necessidade de acesso pelos dois lados) que eu achava que ia até o piso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Observador de bondes.7 de janeiro de 2019 09:35

      Havia quatro modelos de fechamento lateral: uma barra ou travessão de madeira (raro), uma grade de arame, um modelo como o da foto metade grade e metade "folha de flandres", e um fechamento total com "folha de flandres". O bonde que aparece na foto é um "Bataclan".

      Excluir
  2. Essa linha foi uma das primeiras a serem desativadas na zona sul em 3 de Setembro de 1962 em razão do início das operações de algumas linhas de Trolley-bus na região. Por tal razão todo o tráfego de bondes que circulavam no Túnel Novo, Avenida Pasteur, e Rua da Passagem foi suspenso. O ponto final dessa linha ficava em um local aprazível, atualmente situação diametralmente inversa, já que a região integra os "domínios" de Benedita da Silva. Estive nessa região há pouco tempo e "não recomendo a ninguém". O Leme sempre foi o "primo pobre de Copacabana" e até mesmo pelo valor dos imóveis pode se aferir, apesar da proximidade com o mar. Quando eu morava em Botafogo meu pai gostava de frequentar o Leme e eu desde essa época tenho essa impressão do lugar.

    ResponderExcluir
  3. Só consegui ler o reclame da Talvis,cigarrilhas ,deixando Mistura Fina na espera.Outra poderia ser fósforos ou sabonete?

    ResponderExcluir
  4. Enquanto em outras Cidades, cada vez mais se utilizam os "Tram", aqui convivemos com ônibus, Vans e um arremedo de Tram....Uma lástima!

    ResponderExcluir
  5. Os Trolleys tiveram vida muito curta no Rio. Em São Paulo ainda existem. Lembro que em 1970 muitos dos elétricos daqui foram equipados com motores diesel e passaram a rodar em vários bairros, inclusive na Tijuca. A limha 223 (Carioca-Malvino Reis) foi contemplada com dois desses carros: 100574 e 100602. Como elétricos eram numerados de 001 a 200. Um deles caiu no mar quando estava sendo desembarcado no porto do Rio e apodreceu submerso, conforme reportagem de O Globo na época.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os Trolley-bus eram de fabricação italiana e foram comprados pela prefeitura do D. Federal em 1955 ou 56 e dos 200 entregues um caiu do guindaste e está no fundo da baía. Foram uma "gambiarra" usada como utilização provisória. Rodaram na zona sul até 67 e no subúrbio de 1964 a 1971 e prestaram bons serviços. Niterói também teve seus Trolley-bus que ao contrário do Rio, foram implantados para reforçar a frota de bondes e não substituí-los. De 1953 até 1967 conviveram com os bondes sem qualquer problema até a extinção dos mesmos em 64, em uma solução que poderia ter sido utilizada aqui. Depois de extintos em Niterói, os trolley-bus foram para Campos dos Goitacazes. Como curiosidade, recebi uma coleção de fotos coloridas de altíssima resolução de bondes circulando em Niterói, e que estão entre as melhores que existem. Em tempo: Não sou Jorge, o ucraniano ou outro gozador do gênero, mas as fotos são realmente sensacionais.

      Excluir
  6. De férias ainda estou pois o Flamengo não se mexeu efetivamente e a coisa já começa a complicar com a barca muito tímida que passou na Gávea e não chegou ninguém.Vamos ter que ficar o ano todo batendo no Pará no Dourado no Pires na mão e outras que ainda estão lá.Só Abel não vai tocar o barco se não tiver mais uns 4 ou 5 bons de bola e nada de enganadores.Já estou ficando injuriado e pensando que o Palmeiras vai acabar ficando no podium.

    ResponderExcluir
  7. Fico possesso quando aparecem essas fotos poluídas visualmente. E, claro, ótimas garimpagens do Nickolas.

    ResponderExcluir
  8. A segunda foto já foi publicada antes e deu o maior quiproquó
    ó quanto ao local em que o bonde estava. Eu opinei pela Usina (sem muita convicção), outros opinaram pela Gávea. No fim, não se chegou a nenhuma conclusão. Hoje, baseado na primeira foto, vemos que era o Leme.

    ResponderExcluir