Total de visualizações de página

domingo, 6 de outubro de 2019

O RIO DOS ANOS 70

Esta foto de São Conrado mostra os hotéis Intercontinental e Nacional já prontos e, ao fundo, a Favela da Rocinha. A favela era relativamente tranquila, o que permitia atravessá-la de carro para se ir à Gávea. Nesta época cheguei a dar aulas numa escola de "Artigo 99", onde os professores eram jovens voluntários. Ia no meu Fusca e as aulas eram das 20h às 22h, para adultos. Nunca houve qualquer problema.

A igreja de São José na Lagoa. Moderna, não inspira recolhimento para as orações. Até há pouco tempo, quando foi instalado o ar-condicionado, era uma sauna. Nesta época tinha fama de que os casamentos aí realizados não davam certo. Hoje, pelo número de rápidas separações, a fama poderia ser de todas as igrejas.

Vista da Lagoa desde o Corcovado. Impressiona notar que havia poucos edifícios altos no entorno da Lagoa e mesmo em Ipanema.

9 comentários:

  1. Nos anos 80 eu costumava ir na noite Papillon no Intercontinental pois era uma excelente opção. No hotel Nacional fui algumas vezes em shows e recepções. Nunca houve qualquer problema mas o "Tsunami" oriundo do nordeste, a abertura da Lagoa-Barra, a eleição de Leonel Brizola, e o fim do governo militar, foram determinantes para o "depauperamento" da região. Quanto a igreja da Lagoa, acho que só fui uma vez em 1965 durante uma Feira da Providência. Não sei se já existe ar condicionado na igreja.

    ResponderExcluir
  2. Nos anos 70/80 passei inúmeras vezes pelo local da primeira foto e fui em eventos no Nacional sem problemas,mas eram outros tempos...Quanto a igreja que tinha o calor do Satanás consta que a Calango destruiu o pacto ...

    ResponderExcluir
  3. Em 1987 Moreira Franco assumiu o governo do Estado mas "o esquema" já tinha sido montado por Brizola. A disputa na eleição da Associação de Moradores da Rocinha entre Maria Helena e "Zé do Queijo" acabou com os dois "na vala", e a guerra do tráfico envolvendo "Buzunga" e "Brasileirinho" ganhou as manchetes do mundo. O vídeo mundialmente divulgado mostrando "Brasileirinho", um legítimo caucasiano", disparando uma rajada de submetralhadora para o ar foi o início de uma tragédia que perdura até hoje. A zona sul concentra um enorme número de viciados "com dinheiro" e a atuação Rede Globo dispensa comentários.

    ResponderExcluir
  4. A foto da Lagoa é bem clássica, mas as outras duas têm ângulos pouco comuns. Inclusive o Intercontinental nessa posição não colabora para um bom visual daquele trecho de São Conrado.

    ResponderExcluir
  5. Acho que atrás do Piraquê na 3a foto está o Tivoli Park, mas não identifiquei a roda gigante. Entre o estádio de remo e as pistas deve ser o complexo de pizzaria, teatro e casa noturna do Ricardo Amaral, não lembro dos nomes agora.

    ResponderExcluir
  6. Me lembrei de alguns nomes. O mais antigo, boate Sucata, anos 60/70. Mais recente, pizzaria Gatopardo, e se me esforçar aparecem outros, ele reinou ali por muito tempo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Sucata deu lugar à discoteca Papagaio e o Il Gatopardo era seu anexo. O Drive in deu lugar ao Roxy Roller no final dos anos 70. Tudo isso ficou na lembrança.

      Excluir
  7. A decadência do Rio de Janeiro começa com a mudança da capital federal para Brasília. Se agravou com dois governos de Chagas Freitas. Entre os dois ocorreu a fusão com o antigo Estado do Rio. O golpe foi dado com a eleição de Brizola ao governo do estado. Com a teoria brizoleira de direitos humanos, a marginália ficou à vontade. E os tipos esquisitos, de voz esganiçada e riso estridente, também.

    ResponderExcluir
  8. Caiu o Barroca do Botafogo, o último entre os times cariocas que ainda mantinha o mesmo técnico desde o início do Brasileirão.
    O Lino já deve estar preocupado porque O.O., o "Bom Genro", está disponível.

    ResponderExcluir