Total de visualizações de página

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

PALACETE DA AV. ATLÂNTICA COM RUA DJALMA ULRICH









Do prezado Maximiliano Zierer, a quem o “Saudades do Rio” agradece, recebi um e-mail com o “post” de hoje.
“Prezado Dr. Luiz D´,
Uma vez que consegui recentemente descobrir quem era o proprietário deste casarão e mais algumas informações sobre o mesmo, creio agora que esta série de fotos do Augusto Malta (que me foram cedidas pelo Francisco Patrício) sejam relevantes para publicação no Saudades do Rio.
P.S: tenho particular curiosidade em descobrir quais eram aqueles dois automóveis (com mão inglesa) do proprietário do palacete!
Um grande abraço,
Maximiliano
Casarão localizado na esquina da Av. Atlântica com a Rua Djalma Ulrich em Copacabana, Rio de Janeiro.
Há mais de um século, o fotógrafo Augusto Malta visitou esse casarão (em 11-12-1918) e registrou uma magnífica série de fotos externas e internas junto à família do seu proprietário, o Sr. Antônio de Paula Simões. A série de fotos nos permite fazer uma viagem no tempo, um regresso de 101 anos para conhecer um pouco mais da Copacabana daqueles tempos.
O proprietário do palacete possuía uma firma, a A. P. Simões & Com. formada pelos sócios solidários Antônio de Paula Simões, José de Mello Alves e Victor Ladvocat, que era especializada no comércio e fabrico de calçados. A firma era situada à Rua Frei Caneca número 392. O belíssimo palacete de três pavimentos, construído provavelmente na metade da década de 1910, foi demolido no início da década de 40.
No acelerado processos de verticalização da orla de Copacabana, muitos dos palacetes, que foram as primeiras construções erguidas naqueles lotes, existiram somente por cerca de 30 anos, sendo logo em seguida substituídos pelos chamados arranha-céus, muitos dos quais permanecem até hoje (edifícios com 80 anos de idade ou mais).
No lugar deste casarão, foi construído o edifício Marupiara, que possui portaria na Rua Djalma Ulrich 23 (sendo esse o seu endereço oficial). O prédio foi erguido entre 1942-1944. No início de 1944 já temos vários anúncios no Jornal do Brasil promovendo a venda dos últimos apartamentos, e trazendo imagens do prédio pronto, em finalização. No térreo do edifício Marupiara, há uma loja do Bob's na Av. Atlântica.
Na esquina oposta a este palacete havia a famosa "Casa do Vaticano", onde se encontra atualmente o inacabado Museu de Imagem e do Som.
Algumas fotos tomadas por Malta do alto da varanda do terceiro pavimento do casarão do Sr. Antônio de Paula Simões em direção ao Posto 4 mostram, em primeiro plano, a densa vegetação da Casa do Vaticano (que era a casa do Conde e da Condessa Inodare, os quais faleceram sem deixar filhos), embora a casa dos nobres, por ser baixa e recuada, não apareça nas fotos da série, somente se observa as árvores do seu amplo jardim. Mais recentemente, no terreno da "Casa do Vaticano", havia o restaurante Sobre as Ondas e a boate Help.
Essa série de fotos me foi gentilmente cedida pelo meu amigo e colecionador Francisco Patrício, que as adquiriu há alguns anos em Petrópolis-RJ.
Tomei a liberdade de acrescentar algumas fotos a mais da década de 1920-30, as quais não fazem parte da série original de 1919 do Augusto Malta. Para maior precisão, marquei em todas as fotos da série original com (Malta-FP) na legenda da postagem (ver postagem no grupo do Facebook Rio Antigo).
Texto e pesquisa de Maximiliano Zierer - fontes: Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional e Jornal do Brasil.”

13 comentários:

  1. Bom dia, Dr. D'.

    Uma verdadeira aula. A segunda foto é anterior à primeira. A região era bem castigada pelas ressacas e até os anos 60. As últimas fotos foram tiradas no mesmo dia (a penúltima é um detalhe da anterior).

    ResponderExcluir
  2. Uma grande postagem.O antes e o depois do casarão.Este apartamento no andar nove com sete quartos não deixa de ser um espanto!!!!Quantos serviçais para colocar a coisa em ordem?Pelo que entendi o Marupiara ainda vive...Foi retrofitado? Vale uma pesquisa...

    ResponderExcluir
  3. Bom dia,
    A primeira foto é da metade dos anos 30, e o prédio mais próximo ao fundo é o edifício Quintanilha, na esquina com a rua Francisco Sá. A segunda foto é provavelmente da ressaca do ano de 1921, que destruiu a pista da Av Atlântica em vários trechos. Demais fotos da casa e da família são de 1919.
    Há braços

    ResponderExcluir
  4. Copacabana era "um bairro para poucos", onde palacetes e apartamentos de arquitetura "diferenciada" mostravam uma realidade bem diferente do restante da cidade. O Edifício Marupiara foi construído em um "tempo de crise" devido à guerra e possuir um apartamento nele era sinal de um status de "fazendeiro estaduano" ou (na maioria das vezes) estrangeiros. Como era costume na época, o imóvel possuía um número incompatível de banheiros para suas dimensões e um insuficiente número de vagas de garagem. Por outro lado o projeto arquitetônico "trazia em seu inconsciente" uma disposição de "casa grande moderna" com um número excessivo de dependências para empregados. Quanto aos banheiros "em cor", quais seriam?

    ResponderExcluir
  5. Ganhei ano passado " A Invenção de Copacabana", contendo muitas informações importantes sobre o bairro.

    ResponderExcluir
  6. É o prédio do bar México 70.
    Aparentemente só as esquadrias estão diferentes, instaladas inclusive nas varandas como aconteceu em vários edifícios da Atlântica, o que ameniza os efeitos da maresia e do barulho.
    O quepe do menino lembra o que era usado pelos alemães na 1ª. Grande Guerra.

    ResponderExcluir
  7. Muito oportuna essa postagem de hoje para um comentário saudoso focando a mesma sensação de vazio que senti de uma época que não vivi. Sou um saudosista por natureza. Agora falo na coincidência: Hoje pela manhã tive que ir acompanhada pelo Comando a Av.N.S.Copacabana e claro que aproveitei a oportunidade de ir tomar meu cafezinho coado na Charutaria Loló. Qual foi minha surpresa que quando cheguei percebi a ausência nas prateleiras dos charutos, caixas e maços de cigarros sempre expostos no local. A figura do Sr.Fernando não estava presente. Meio desconfiado e temendo que o pior tinha acontecido com o proprietário, perguntei a velha funcionária que nos serve sempre o Café: O que está havendo? Resposta: é a charutaria que vai fechar as portas até o dia 31/11. Aquilo foi um impacto para mim, apreciador daquele café e muito mais pelo ambiente e o saudoso café coado, raridade nos dias de hoje. Procurei pelo Pastor por perto para dar a noticia mas lembrei-me que não tenho o prazer de conhece-lo. Cirandinha já era, Mercadinho azul já se foi a muito tempo e agora a Loló. É por isso que lamento que as fotos acima não mais representam a realidade de hoje e ao vê-las me senti saudoso de não ter vivido aqueles momentos.

    ResponderExcluir
  8. Meu caro Ceará,indivíduo.Lamentável a sua informação.No ultimo finde passei rapidinho por Copa em direção a Petrópolis e claro que lembrei das seus relatos de incursões pelo Cirandinha e pelo café Loló.É mais uma marca que se vai.Alí ainda dava para sentir um clima dos anos 50/60,embora já estivesse um pouco descaracterizada,até pela diminuição de artigos ligados a tabacaria:cigarros,charutos,isqueiros,fluidos,etc.Mas ainda era uma pequena mostra.Lamentável .

    ResponderExcluir
  9. Me liguei agora que o destaque sobre o banheiro ter cor, provavelmente se refere ao fato de que naqueles tempos quase todos eram em azulejo branco e os do Marupiará tinham revestimento colorido, o que devia valorizar bem o imóvel para ser tão anunciado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O revestimento em azulejo branco usado na época era o que se pode chamar de horror pois era um branco hospitalar.

      Excluir
    2. Azulejos "até o teto" não eram utilizados até um passado recente. Também banheiras e "bidets" eram obrigatórios na maioria das construções de "prédios de apartamentos". Exíguos apartamentos "conjugados" construídos até os anos 50 possuem generosos banheiros com banheiras e "bidets". FF: É lamentável que alguns Estados da federação continuem a celebrar a "cultura do atraso". Enquanto algumas nações homenageiam personagens do quilate de um "Pancho Villa", de um George Washington, ou de um Otto Bismarck, outras homenageiam "Zumbi"...

      Excluir
  10. O grande defeito de imóveis daquele tempo era a falta de banheiros. Um apartamento daquele tamanho e com apenas um banheiro era "inconveniente. Imaginem o "atropelo". A vaga de garagem devia ser "no condomínio" e não na escritura. Apartamentos junto à praia deveriam ser pródigos em banheiros. Se todos os moradores quiserem voltar da praia ao mesmo tempo...

    ResponderExcluir
  11. FF: por volta de 13:30 escutei o barulho de helicópteros. Olhei no quintal e tinha pelo menos três. Aí vi no Sportv que o comboio rubro-negro estava acessando a Transolímpica sentido Avenida Brasil. Só não entendi por que não a pegaram pela Salvador Allende, já que estavam vindo pela Estrada dos Bandeirantes... Achei que iriam pela Avenida das Américas ou até pela Linha Amarela. Pegaram um bom chão pela Avenida Brasil.

    O engraçado foi ver a Record fazendo questão de mostrar o comboio passando em frente à emissora. Já a Globonews mostrava em um monitor no "video wall" durante o programa que estava sendo exibido. Só entrou ao vivo quando chegou no Galeão, com direito à confusão de praxe.

    ResponderExcluir