Total de visualizações de página

sexta-feira, 31 de março de 2017

RUA SÃO CLEMENTE



A foto 1, enviada pelo JBAN, mostra a calçada da Rua São Clemente nas imediações do Colégio Santo Inácio, em 1940. Nesta calçada ficavam os alunos na saída do Colégio, aguardando o bonde. Aí também marcavam ponto, nos anos 50 e 60, o “Madura”, sorveteiro da Kibon, e o “seu” Manoel, o pipoqueiro.
 
Os automóveis estão estacionados bem em frente ao Palacete Joppert, que aparece na foto 2. Este palacete abrigou a PUC na década de 40, época de sua fundação pelo Cardeal Leme e pelo  Padre Leonel Franca. A PUC funcionou nesta instalação até 1955, quando se transferiu para a Gávea.
 
A próxima esquina à direita é a da Rua Dona Mariana. Este trecho da São Clemente em frente ao Colégio, salvo um imóvel no local do qual foi construído um edifício de apartamentos, sobrevive do mesmo jeito há décadas. No meu tempo de colégio havia num deles uma “vendinha”, onde era possível tomar refrigerantes como o Guaraná Caçula da Antarctica. Na época, o bar mais próximo ficava depois da esquina da Rua Eduardo Guinle.
 
Na esquina da Rua Dona Mariana há um imóvel que está cai / não cai há anos. Ali funcionou uma Clínica de Pronto-Socorro nos anos 60.
 
A Rua Dona Mariana era o local do “acerto de contas” após as aulas. “Te espero na Mariana” era o código para o desafio entre alunos em caso de discussão. A turma toda ia para lá após as aulas, os dois “brigões” trocavam uns empurrões e uns poucos socos, eram separados pela turma do “deixa disso” e, com a honra lavada, iam todos para casa para no dia seguinte reatarem a amizade.

17 comentários:

  1. Bom dia. Mansões como essa refletem uma realidade inconcebível para os dias de hoje. Imaginem o custeio e a manutenção de uma casa dessas!Quantos empregados eram necessários para que essa casa funcionasse a contento?

    ResponderExcluir
  2. Essa mania do Saudades do Luiz escolher carro difícil está me lembrando o filme Dick Tracy, onde os automóveis foram maquiados para não serem reconhecidos. Mas o de hoje é figurinha fácil, apesar de não ser nem Ford, nem Chevrolet. Trata-se de um Studebaker Dictator 1937

    ResponderExcluir
  3. Studebaker. Caramba. Outros tempos Joel sem dúvida.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia ! Biscoito Molhado, acertar este carro é mole! Quero ver é identificar o que está na frente dele.

    ResponderExcluir
  5. Saboroso episódio contado hoje sobre as brigas estudantis. Ruim eram as batalhas entre colégios, em grupos, o que sempre gerava mais confusão. Este trecho da São Clemente ainda abriga uns lugares simpáticos como as vilas existentes em frente e ao lado do colégio Santo Inácio.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia!
    Em Botafogo ainda resistem alguns heróis do Rio antigo. O bairro é enorme e ainda não conseguiram destruir tudo. Há também as vilas, acho que protegidas pela legislação.
    Na São Clemente, por exemplo, há, nas proximidades do Santo Inácio, algumas. Lembro de uma, em especial, onde vivia a D. Maria dos biscoitos. Fica quase em frente ao colégio e suas casas sugerem um estilo "inglês" nas fachadas. Dona Maria fazia biscoitinhos e bolos absolutamente deliciosos. Ao entrar na vila já se podia sentir o perfume gostoso que saía do forno da casa dessa senhora tão gentil e talentosa. Encomendei, muitas vezes, essas delícias que eram disputadas a tapa por todos lá em casa.

    ResponderExcluir
  7. Peralta, o implicante31 de março de 2017 09:40

    Tia Nalu ,Maria dos biscoitos era casada com João da Farinha?

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde a todos.

    Não passo tanto por Botafogo como antes e mesmo assim era mais pela Voluntários. Na São Clemente recentemente abriu uma espécie de espaço cultural depois do palácio da Cidade, onde fui ver uma exposição sobre a missão francesa.

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde a todos. O Bairro de Botafogo e principalmente a R. São Clemente, sejam um dos locais do Rio depois do centro da cidade mais fotografado na primeira metade do século passado. E sempre fotos de locais e muitos dos palacetes que hoje já não existem ou estão totalmente abandonados, assim como o Largo do Boticário no Cosme Velho, que já foi cartão postal da cidade. Muito embora alguns comentaristas não gostem que se fale, o principal problema da cidade foi o seu crescimento totalmente desordenado, o grande fluxo migratório de pessoas que vinham para cidade em busca do sonho da cidade maravilhosa, porém sem qualquer capacitação profissional para ser absorvida pelo mercado de trabalho qualificado, se submetendo aos empregos sem qualificação e sempre sendo os primeiros a serem atingidos pelo desemprego nos períodos de crise, os quais são frequentes em nosso País. Por outro lado, os nossos governantes por interesses escusos se aproveitam desta população para atingirem seus objetivos nefastos. A cidade do Rio de Janeiro para ter uma qualidade de vida de média para boa qualidade, deveria ter no máximo 2 a 2,5 milhões de habitantes, ter o mesmo número de indústrias aqui instaladas, como nos anos 50 e 60, e uma indústria de turismo com capacidade empreendedora como na Europa.
    PS. Por favor aqueles comentaristas que acham chato e repetitivo os comentários sobre os males da nossa cidade, solicito que ao lerem o meu comentário, abandonem a leitura no meio e por favor não respondam ao meu comentário com tais alegações.
    Grato

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde a todos.
    Como o RJ tem e tinha palácios, hein!
    Talvez fruto de aqui ser Capital da nação e também da vinda da Família Real.
    Realmente o custeio de se manter um imóvel nos dias de hoje é impensável.
    Fica muito caro. Não dá.
    Quanto a questão da superpopulação da cidade, é preciso entender de que por mais que haja pessoas dizendo de que o RJ não é nada se comparado aquela estranha cidade do interior, mas o RJ é um metrópole, e como toda metrópole que se preza, há que ter muita gente.
    Realmente, nos dias atuais é impossível você andar em linha reta só no quarteirão onde mora, pois as calçadas além de estarem ocupadas por muitas pessoas passantes, sejam jovens, crianças nos ditos "carrinhos de neném", deficientes físicos, idosos, adultos, e animais, também há camelôs, gente zanzando com motos, bicicletas quando não tricicletas em cima da calçada. Fora o arranjo físico que sempre foi horrível: Caixa do correio, orelhões, fradinhos, poste de energia, e agora tem o tal do poste para a bicicleta, enfim fica realmente difícil de andar por uma calçada.
    O interessante seria parar de se fazer filhos, porém, fazer filho é bom e homem que é homem gosta.
    Como bem disse o Lino em seu comentário, é aí nesse momento que eu vejo o quanto faz falta da Reforma Agrária, porém, acredito de que isso nunca irá acontecer por aqui.
    Simplesmente faz parte tudo isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A unica diferença é que aquela estranha cidade do interior não está falida.

      Excluir
  11. FF:Imprensa local tentando dar uma força no jogo de domingo aqui em Vix,mas não estou sentindo entusiasmo maior.Posso estar errado.Na verdade,um amistoso este Fla X Flu já que os dois estão nas finais,confere?E jogo amistoso é como caldo sem pastel....E hoje o dia foi quase todo chuvoso.A continuar pode atrapalhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E para piorar ainda apareceu a febre amarela aí na região metropolitana...

      O Flu vai de time reserva mesmo.

      Excluir
  12. Quem lembra das lojas de revelação De Plá? Foi vítima das máquinas digitais e cartões de memória.

    Hoje saiu o obituário do De Plá pessoa física, que chegou a ser presidente da ACRJ.

    Mais detalhes em http://extra.globo.com/noticias/economia/morre-no-rio-economista-professor-da-fgv-daniel-de-pla-21136318.html

    ResponderExcluir
  13. Era Daniel, Augusto?

    Luiz, que clínica era essa? Não lembro disso, foi há muitos anos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não lembro o nome. Era nos anos 60.

      Excluir