Total de visualizações de página

sábado, 9 de novembro de 2019

COLÉGIO MILITAR




 
Hoje temos quatro fotos sobre alunos do Colégio Militar do Esquadrão de Cavalaria. As duas primeiras são do Professor Marcos da Fonseca Elia e as duas últimas do acervo do Correio da Manhã.
O texto é de meu amigo e colega de turma Odone Bisaglia, excelente médico intensivista:
"Como você sabe, fui aluno do Colégio Militar do Rio de Janeiro e pertenci o Esquadrão de Cavalaria. Fazíamos várias atividades equestres: instrução, salto, basquete a cavalo e volteio. Esta última modalidade de equitação está exemplificada numa das fotos. O volteio é uma espécie de ginástica a cavalo. Existem exercícios com o animal parado e galopando. A sela possui uma alça na frente e outra atrás.
As ditas "figuras" do volteio são várias: terra-cavalo, terra-pescoço, terra-rim, terra-invertido, 360 e terra-terra do outro lado-cavalo. Fazíamos também as figuras com o cavaleiro em pé na anca do cavalo. Tínhamos uma tira de lona forte atada na alça dianteira para ajudar no equilíbrio.
Marcos da Fonseca Elia é professor de Física e Ciência da Computação da UFRJ. As fotos foram tiradas no dia 6 de Maio de 1965, quando se comemora o aniversário do Colégio. Será que conseguimos impressionar as normalistas?"
Outra foto é uma parte da demonstração da Cavalaria denominada Salto Fantasia porque saltávamos obstáculos como: dois canhões pequenos juntinhos apontados um para o outro, dois jipes colocados na mesma posição - frente a frente- arcos de fogo, e este muro humano todo formado por alunos da Cavalaria. Repare que a cabeçada e as rédeas eram confeccionadas em nylon para dar a impressão que o cavalo não estava arreado. Nesta foto podemos ver dois cavaleiros em salto simultâneo e "no pelo". Hoje em dia o Estatuto da Infância e do Adolescente não permite mais estas travessuras de meninos de 17anos.”
As duas últimas fotos são do acervo do Correio da Manhã.
A exibição é muito legal, mas acho que há um risco grande para o muro humano. Às vezes os militares exageram nestas exibições ou mesmo em suas manobras com maus resultados. Tenho um amigo que rompeu o tímpano quando fazia o Serviço Militar, pois um sargento deu um tiro com pólvora seca quando estavam dentro de uma manilha. E vez por outra há acidentes mais graves como os já acontecidos na Escola Naval ou na Academia das Agulhas Negras com resultados desastrosos.

7 comentários:

  1. Arrepia qualquer bom aluno do CMRJ ver fotografias resumidas às exibições de gosto duvidoso do Esquadrão. Turminha dura de engolir, permanecem cavalarianos até hoje, mesmo quando conseguiram virar bons profissionais.
    Mas, pelo jeito, agradavam moçoilas e fotógrafos de plantão.

    ResponderExcluir
  2. As fotos são excelentes,mas o resto um espanto!!!Muro humano e brincar com a sorte...

    ResponderExcluir
  3. A faixa "Haverá Sempre uma Cavalaria" já mostrava o pessoal em campanha para manter as atividades com cavalo, praticamente fora da linha de frente dos combates modernos desde a 1ª Guerra Mundial, assunto do filme "Cavalo de Guerra", do Spielberg, quando o belo animal é deslocado para os serviços de apoio.
    Manter a Cavalaria, o hipismo, as corridas e os passeios de cavaleiros e amazonas é bom porque gera renda para veterinários, cuidadores, indústria de ração e farmácia dos bichos, entre outros detalhes.
    No caso do Exército, ruim só para os recrutas, geralmente encarregados de remover as sujeiras equinas.

    ResponderExcluir
  4. Uma ilha de excelência em meio ao caos do "ensino" brasileiro, retrato acabado da dominação ditatorial a qual foi exposto durante décadas.
    Há 30 anos era derrubado o muro de Berlim, símbolo máximo da opressão doentia sobre os cidadãos, resultado da imposição fanática das ideias de psicopatas auto-proclamados salvadores da humanidade. Mas infelizmente os psicopatas ainda estão por aí, com a mesma pose arrogante, sempre a postos a nos brindar com a sua verborragia pedante, tratando os outros como bárbaros ignorantes que precisam ser submetidos à suprema iluminação que só eles, os ungidos, podem trazer. É só prestar atenção nos seus discursos. É sempre a mesma afetação prepotente de quem se considera uma virgem no bordel, a flor delicada crescendo no pântano. São os puros a distribuir condenações aos boçais que não coadunam com as suas idéias.

    ResponderExcluir
  5. Um esporte bruto e com cheiro ruim.A cavalaria é coisa do passado e traz más lembranças.Acho que desde ontem o Brasil se liberou de um governo autoritário.

    ResponderExcluir
  6. Quando vi as fotos já ia comentar algo semelhante ao comentário do biscoito: ô, coisa, cafona!

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, Dr. D'.

    Lembrando os 30 anos da queda do muro, hoje, pelo campeonato alemão, no estádio olímpico de Berlim, antes do jogo Hertha X Leipzig, houve uma encenação alegórica da queda. Com direito a Trabant e mosaico.

    ResponderExcluir