Total de visualizações de página

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

PRAIA DE BOTAFOGO

Início das obras da Torre Oscar Niemeyer


Esta foto inferior faz parte da série que Gyorgy Szendrodi fez sobre o Rio em 1971. Publiquei-a no Facebook, pois não me lembrava exatamente o que funcionava neste local, a Praia de Botafogo nas vizinhanças da Fundação Getúlio Vargas.
 
Para minha surpresa poucos se lembravam do local. Aí está localizada atualmente a Torre Oscar Niemeyer, construída em terrenos comprados pela FGV. A foto superior mostra o local em obras, em 2010. O endereço atual é Praia de Botafogo nº 186.
 
Ao final dos comentários mencionaram que a foto do Szendrodi mostrava o Colégio Aldridge. Fundado em 1912, em São Gonçalo, mudou-se em 1917 para o solar do Barão de Alegrete, na Praia de Botafogo nº 374. Segundo a Revista Ilustração Brasileira, de 1925, "muito há do que se ufanar, tais os louros colhidos por seus alunos, (...) se impôs a todos pela retidão, pela disciplina e pela moralidade observadas nesta casa de educação, sob a direção dos professores ingleses Alfred  Aldridge e Walter Leonar Aldridge".
 
O Colégio Aldridge mudou-se, no final da década de 20, para o prédio da Praia de Botafogo nº 184, ampliando posteriormente suas instalações com a compra dos terrenos e prédios de nº 186, 188, 190 e 192. Para não se sujeitar às imposições da Lei de Nacionalização promulgada por Vargas, Walter Leonard Aldridge encerrou as atividades de seu colégio em 1945.
 
Segundo nossa comentarista Milu neste local funcionou o Colégio Juruena, mas seu endereço era Praia de Botafogo nº 166. Alguém comentou também que neste prédio da foto funcionou a livraria da FGV.
 
Será que algum antigo freqüentador deste local passará hoje por aqui com maiores informações?

35 comentários:

  1. Bom dia a todos.
    Interessante esse Solar. Na verdade, a um primeiro momento, pensei em se tratar da antiga Embaixada da Argentina.
    De qual ano data o Solar do Barão do Alegrete?

    ResponderExcluir
  2. Se o colégio Aldridge encerrou suas atividades em 1945 e a foto é de 1971 é evidente que não funcionava aí tal colégio. Assim pode ser mesmo as instalações do colégio Juruena e algum aluno deste estabelecimento poderá confirmar. O terreno entorno da Torre Niemeyer é imenso e deve ter englobado vários imóveis da praia de Botafogo.
    Estas fotografias do Szendrodi de grande parte do Rio são excepcionais.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia. Lembro bem da Embaixada da Argentina, mas não desse prédio. Quando morei em Botafogo em 1965, lembro-me de muitos detalhes mas não desse prédio.

    ResponderExcluir
  4. A embaixada da Argentina era mais adiante, perto da Farani.

    ResponderExcluir
  5. Na esquina de Marquês de Abrantes com Praia de Botafogo, lado par, ainda existe a casa que por muitos anos abrigou no térreo a Giotto. Hoje funcionam ali um Pizza Delivery e um bar. No segundo andar temos o Templo da Magia. Indo pela calçada no sentido da Farani, encontramos um prédio residencial e uma casa espremida entre o prédio e uma construção que, pelo que se pode ver no Google Earth, é um edifício garagem. Onde se encontra este último funcionava o Juruena, que se chamava Instituto Juruena.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia a todos. Embora não seja minha jurisdição, não tenho a menor lembrança deste prédio, principalmente que o texto menciona que o local estava em obras em 2010. Quanto aos colégios da praia de Botafogo, só tenho lembranças do Anglo Americano e do Andrews, os quais tenho na lembrança a imagem destes colégios até hoje.

    ResponderExcluir
  7. O colégio Juruena fechou em 1967. Sendo assim o que funcionaria aí em 1971?

    ResponderExcluir
  8. Pelo que entendi depois que o Aldridge fechou o Juruena passou a utilizar o prédio e depois foi a vez da FGV, que o demoliu bem depois. Ou está faltando algo nessa ordem?

    ResponderExcluir
  9. Bom dia a todos.

    Passava frequentemente em frente à obra e vi sua evolução. Fui uma vez à livraria da FGV.

    ResponderExcluir
  10. Há alguns anos via uma obra assim no início da rua da Passagem.

    ResponderExcluir
  11. Logo que vi a foto lembrei do Colégio Juruena mas não consigo me lembrar de um episódio curioso ocorrido nesse educandário que foi veiculado nos jornais. Se alguém lembrar...

    FF: Mais Crivella: http://extra.globo.com/noticias/rio/advogado-que-processa-crivella-fez-campanha-para-ele-trabalhou-com-cesar-maia-censurou-filme-no-brasil-20956978.html

    ResponderExcluir
  12. Bom dia ! No meu tempo de colégio, o Instituto Juruena era considerado uma boite. Quem concorda, quem discorda ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comparado com a MABE o Juruena era Harvard.

      Excluir
    2. Taí, gostei dessa, Docastelo.

      Excluir
    3. Havia, também, um significado jocoso para MABE. Você se lembra, Docastelo ?

      Excluir
    4. Mensalidades adiantadas, bons exames.

      Excluir
    5. É isso mesmo, sr.Anônimo. Por um mero acaso, o senhor estudou lá ?

      Excluir
    6. DoCastelo, A MABE tinha um timaço de futebol de salão, melhor que os colégios S.Aguiar, Cruzeiro, ACM, R. Correia e de qualquer outro colégio do centro da cidade.

      Excluir
    7. Apenas para complementar o nome correto da MABE é Moderna Associação Brasileira de Ensino. Ah, nada mais atual... Quanto ao timaço de futebol de salão não duvido. Afinal não tinham nada melhor a fazer.

      Excluir
  13. Que pena. Saiu de cena uma belezura dessa e construi-se um prédio enorme que particularmente não me agrada.

    ResponderExcluir
  14. Seccretaaário de Fazeeeendaaa21 de fevereiro de 2017 15:27

    Senhor Walter Heinz Muller, esta instituição de ensino estava legalmente registrada no MEC, muito embora a iluminação das salas fosse deficiente, quase uma penumbra, mas não exercia a dupla função de colégio e boate, caso contrário cobraríamos os impostos referentes a segunda atividade.

    ResponderExcluir
  15. Como mudou a paisagem da Praia de Botafogo! Me recordo perfeitamente do casario no inicio dos anos 50, com os casarões, jardins bem tratados e lá no final a estação de força dos bondes, com seus enormes geradores à vista dos transeuntes. Era um outro mundo... Principalmente para quem vinha da Ilha do Governador.
    Jaime Moraes

    ResponderExcluir
  16. O Juruena usava o Aldrige às vezes para a realização de provas finais. Podia não ser o melhor dos colégios, mas estava longe de ser boate. Estudei lá por um ano, a quarta série ginasial.

    ResponderExcluir
  17. Por falar em Ilha do Governador, fiquei pensando, pensando, pensando...Será que um antigo e polêmico comentarista deste blog e que desapareceu repentinamente há quase dois anos não estaria comentando com outro nome e polemizando novamente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez com o nome Anônimo, quem sabe ?

      Excluir
    2. Nas primeiras postagens houve um que se identificou como Moleque Alguma Coisa que se distraiu e colocou "Ilha do Governador". Pode ser a jararaca ilhoa, ou "bothrops insularis", como classificou o Docastelo.

      Excluir
    3. É só observar como ele escreve. Só que ele parou de criticar os comunistas, e sabem por que? A Dilma não é mais presidente. Seria ele um evangélico?

      Excluir
  18. Docastelo, o episódio curioso ocorrido no Juruena foi um desastre aéreo na enseada de Botafogo. O piloto britânico foi arremessado no pátio do colégio.
    pt.wikipedia.org/wiki/Desastre_aéreo_da_enseada_de_Botafogo

    ResponderExcluir
  19. Milu uma curiosidade. O piloto foi reprovado no teste aéreo e arremessado no pátio ou foi reprovado no teste aéreo porque estava voando na sala de aula?

    ResponderExcluir
  20. É isso aí, Nalu. Você sacudiu a poeira da minha memória. Inclusive lembro de ter lido há muito tempo sobre esse acidente que, de certa forma, propiciou a criação do Ministério da Aeronáutica. Apenas como curiosidade, no Museu Aeroespacial há um exemplar de um Havilland DH90 Dragonfly igual ao que se chocou com o Junkers. Valeu, Nalu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perdão, Milu. Troquei seu nome. É o hábito de trocar informações com nossa colega Nalu.

      Excluir
  21. A edição do Correio da Manhã do dia seguinte contou que o corpo do piloto foi parar no "campo de basket" onde meninas jogavam e, claro, ficaram apavoradas com o que viram. Uma das vítimas no Junkers foi Evandro Chagas, filho do médico sanitarista Carlos Chagas, que havia falecido 6 anos antes, coincidentemente no mesmo dia e mês.

    ResponderExcluir
  22. O Bar Saudades do Rio completa hoje 2 meses no novo endereço, com média de 300 visitas por dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mudança fez bem. Novas fotografias, textos mais bem elaborados, excelente resolução nas fotos.

      Excluir
  23. Boa noite!
    Alguem se recorda de um professor belga do Instituto Juruena?

    ResponderExcluir