Total de visualizações de página

terça-feira, 16 de maio de 2017

CASA DO VATICANO



A primeira foto de hoje, garimpada pelo Augusto no acervo do Arquivo Nacional, é uma raridade. Mostra a famosa “Casa do Vaticano”, na altura do Posto 5, na Avenida Atlântica esquina com Rua Djalma Ulrich.
 
A segunda foto, do início dos anos 70, é do nosso conhecido Gyorgy Szendrodi.
 
O texto a seguir é do Andre Decourt: “A história da casa daria certamente uma ótima história em tons novelescos. Construída nos anos 10 ela fazia parte da segunda geração dos imóveis da Av. Atlântica, não mais uma casa de veraneio, mas longe de ser um dos palacetes ecléticos construídos nos anos finais da década de 10 início da de 20. Era um imóvel praiano, com uma grande varanda e talvez sua única excentricidade fosse uma pequena torreta no outro extremo do imóvel.
 
O terreno era enorme e a casa só ocupava um dos vértices, nos fundos na Rua Aires Saldanha, no outro vértice do terreno havia uma garagem, se não me engano de 3 portas.
 
Sabe-se pouco de quem construiu o imóvel e sobre seus primeiros proprietários, mas foi nos anos 30 que a história que deixou a casa famosa começou a ser construída: ela foi comprada pelo Conde Innodare, com a sua morte a casa foi passada a sua esposa, que doou em testamento o imóvel ao Vaticano, visto que os herdeiros italianos não mostravam muito interesse.
 
Só que a velha condessa era cuidada por uma enfermeira, eslava, polonesa certamente, de nome Estephania Paskovitej. Além da casa da Av. Atlântica os velhos condes eram proprietários de vários outros imóveis, apartamentos e lojas. E, surpreendentemente, no final dos anos 60 a velha condessa transformou em sua herdeira única a sua cuidadora, à revelia dos parentes italianos e acho que até mesmo do Papa.
 
Com o falecimento em 1973 da Condessa Innodare a Sra. Estephania, tomou posse do imóvel e então começou uma guerra judicial que até a demolição da casa, já com a boate Help funcionando ali, para a construção do novo prédio do Museu da Imagem e do Som, não havia sido terminada, como bem dissecou o ex-prefeito Cesar Maia, em seu ex-blog. Por conta disto o dinheiro da expropriação do imóvel  foi depositado em juízo. A briga judicial se arrastava nos corredores do STF e o andamento do processo no TJ-RJ mostrava várias reviravoltas jurídicas
 
Certamente por esta briga a casa foi abandonada e foi se arruinando durante todos os anos 70 e início dos 80, mesmo com o muro sendo levantado, portões sendo lacrados, mas a  casa  ficava sem vigilância,  algo impensado hoje, foi depredada e depois ocupada por mendigos, que provocaram alguns incêndios destruindo telhado e no final boa parte das paredes internas, que desabaram.
 
Por volta de 1982 a garagem também se incendiou, junto com parte do mato que tomava conta do jardim e foi demolida, pois ameaçava desabar.
 
Em 1983/84 a casa foi alugada por um grupo de empresários espanhóis, Chico Recarey incluso, para fazerem um grande complexo, usando os jardins para a construção de uma grande discoteca e estacionamento subterrâneo e usando as ruínas da casa para dois restaurantes, um informal no nível da Av. Atlântica e um sofisticado na parte superior.
 
Possivelmente pela a briga judicial, que envolvia a igreja, os descendentes italianos e a cuidadora, a casa não pôde ser demolida e foi envolta pela nova construção.”
 
Hoje, neste local, se arrasta a construção da nova sede do MIS – Museu da Imagem e do Som. Além da Help também funcionaram neste terreno o Sobre as Ondas e o Terraço Atlântico.
 
PS: o “link” para o blog do Cesar Maia é http://diariodorio.com/boate-help-uma-novela/
 
PS2: até recentemente, na Itália, os filhos só tinham o sobrenome do pai. Salvo engano, podiam apenas, informalmente para melhor identificação, colocar ao final o sobrenome da mãe da seguinte forma, por exemplo:
Pai – Giuseppe Renzi.
Filho Gabrielle Renzi.
Se a mãe tivesse um sobrenome como Avellini o filho poderia se identificar como Gabrielle Renzi, in Avellini.
Se o Gustavo aparecer por aqui poderá esclarecer se é isto mesmo.
 
 

30 comentários:

  1. Falou em inventario falou provavelmente em confusão jurídica.

    ResponderExcluir
  2. Como ia à praia na Miguel Lemos a vista da casa era uma constante. Uma grande palmeira inclinada, um visual de verão. Não sei mas a memória imagina uma casa como a da Embaixada da Argentina na Praia de Copacabana. Seo escultor Christo viesse aqui poria uma tela nos prédios de Copacabana e projetaria a imagem dos prédios e casa e vegetação da época. Como diz o José Simão , pinguei meu colírio alucinógeno. Bom dia trpoical delirante, só assim para digerir a gororoba cotidiana. Ótima postagem e muito boa história. Não é de hoje que cuidadoras se casam com "cuidadas". Com essa decisão de união estável dar herança para o companheiro, começou um comércio de uniões... Vida que segue!

    ResponderExcluir
  3. Pois é Mayc,isto ocorre em função de como anda a justiça brasileira.Hoje mesmo estou vendo um caso de retratação junto a um atleta(caso de doping)em que a causa durou nada menos que nove anos.Um espanto sem tamanho.Fácil imaginar o que ocorreu aí em termos jurídicos.As vezes fico a imaginar se outras coisas andassem no passo da justiça...**
    De fato uma boa novela,neste caso o pivô seria a enfermeira polonesa.Muito boa postagem.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia. Lembro-o-me vagamente dessa casa. Quanto à Help cheguei a ir algumas vezes. Ressalte-se que quando a Help foi inaugurada em 1985, era um dos "poinsts" da noite do Rio e não era voltada para a prostituição. Já nos anos 90, a "coisa desandou". Quanto ao STF, os fatos constantes dessa postagem dispensam maiores comentários. Mas é o fato é que o judiciário brasileiro nada mais é do que um balcão de negócios que apenas atende a interesses nem sempre legítimos. É uma casta cujos absurdos privilégios cresceram devido à uma "constituição cidadã" e bastarda, engendrada por elementos notória e reconhecidamente nocivos ao Brasil.

    ResponderExcluir
  5. Bom Dia ! Testando pela segunda vez. será que vai?

    ResponderExcluir
  6. Tia Nalu me contou a historia errada.Em vez de casa,falou triplex.

    ResponderExcluir
  7. Poderia falar muito sobre este assunto mas aprendi a calar sobre assuntos dolorosos. Perdi meus direitos sobre uma casa em Copa da minha tia. Falsificação, roubo, grande cartório envolvido, preferi deixar "prá" lá. O autor, meu primo, antigo comerciante em Copa. Vivo ainda. Vou ler um bom livro. Amanhã eu volto.

    ResponderExcluir
  8. Nunca cobicei o que não me é devido. Quem obtém coisas e direitos indevidos certamente adiante pagará seu preço em infortúnios, sejam financeiros ou familiares. Um câncer grave, um filho com aids, amputação de algum membro, um AVC, e tudo mais que maus pensamentos e más ações podem acarretar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele, meu primo, culpou a esposa. Para continuar com a ação que passaria a ser criminal por motivos que era óbvios e ao vê-lo chorar como criança na frente de um juiz (sua primeira filha é minha afilhada) não desisti por escrito, mas o primeiro juiz que tratou do caso já havia mandado arquivar.
      Ficou tb com os bens na santa terrinha. Creio que vivi melhor do que ele, muita saúde, conformação e consciência limpa.
      Ele não tem nada é muito mais velho do que eu e continua trabalhando.
      Minha saúde anda frágil. Só de tocar no assunto começa a arritmia.
      Agora é sério, volto amanhã.

      Excluir
    2. Corrigindo,
      eram [obvios
      nada de doença, é muito....

      Excluir
  9. Boa tarde a todos.

    Só um pequeno reparo: a primeira foto é do acervo do AGCRJ, como mostra o selo no canto. Vale a pena a visita. Não precisa se cadastrar. Várias fotos de casarões da Av. Atlântica na década de 50 (1958).

    ResponderExcluir
  10. Moleque Travesso, seu praguinha, a história que a bondosa tia Nalu contou é de uma casa (um sítio) e de um "tipléqui". Mas ela ainda não acabou.

    ResponderExcluir
  11. 24 horas de teste com comentários liberados

    ResponderExcluir
  12. Peralta, o implicante16 de maio de 2017 19:44

    A reforma do Tio vai a plenário. Se nao for vetada eu vou voltar.A Tia Nalu vai vibrar.
    .

    ResponderExcluir
  13. Observador de quiprocós16 de maio de 2017 20:46

    Uma confusãozinha é que dá um tempero especial ao blog.

    ResponderExcluir
  14. Peralta, o implicante, voltando em 3, 2, 1...
    Peralta, isso vai loooonge! Muita gritaria para os ouvidos delicados da tia Nalu.

    ResponderExcluir
  15. Essa teoria que pessoas adquire, doenças porque fizeram algo indevido? Então uma criança, que nada fez, porque nem deu tempo, acabou de nascer, muitas vezes, está doente porque...algo ilícito ou ilegal foi feito em gerações anteriores??? Desculpe mas discordo frontalmente. Haja Rivotrilllll Nem essa tese é verdadeira nem o contrário! O que houve com familiares do Lula de diferente? Do Sergio Cabral filho, do Pezão? Ana Maria Braga, Hebe Camargo, Herson Capri, Edson Celulari, Gianechinni, todos declararam terem tido tumores malignos, Chico Alencar, resistiu bravamente passando por inúmeras cirurgias, queria viver a todo custo! Todos esses comenteram ilícitos, roubos, desfalques, falcatruas? E os que cometeram, quantos continaum usufruindo de saúde, vida em família felizes e usufruindo do "fruto do seu trabalho"?

    Haja Rivotril!!!!

    Luiz e Nalu, mensagens para vocês no domingo, Dia das Mães, dia 14/05

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passei nas mensagens e fico satisfeita em saber que o restaurante continua bom!

      Excluir
    2. Observador religioso16 de maio de 2017 23:16

      Que a religião fique para cada si e seus adeptos.

      Excluir
    3. E verdade, Observador.
      Querer discutir o que o outro sente e a respeito de um sentimento tão misterioso quanto o amor e como ele inexplicável, que tanto nasce no coração do sábio quanto do néscio, do culto quanto do inculto, do pobre e tb do rico é querer penetrar no que é impenetrável. Política tem a sua lógica, a sua ciência. Amor e religião, não.

      Excluir
  16. Dra.Evelyn,aquele moço perdeu um dedo e ficou rouco.Tá barato?

    ResponderExcluir
  17. Moleque, vc entendeu a abrangência que quis fazer...

    ResponderExcluir
  18. Quem conhece a lei de causa e efeito ou a "lei do retorno" conhece o sentido do comentário das 11:52. Mas para os agnósticos, os fundamentalistas, ou aqueles que vivem presos em suas crenças, atavismos, crenças e religiões primitivas, sugiro que procurem estudar e se esclarecer. É bem melhor do que fazer uso de psicotrópicos...

    ResponderExcluir
  19. Observador religioso17 de maio de 2017 11:11

    "religiões primitivas" ??? Pensam o mesmo da sua religião.

    ResponderExcluir
  20. O uso citado de psicotrópicos foi apenas hipotético,para ver se com seu uso fica mais fácil ler algumas colocações aqui, sempre reincidentes na sua autoria...Preconceituoso em quase tudo já foi mais do que comprovado,agora entrou em um campo religioso filosófico...

    Isso em nada muda a maneira de pensar. Quanto a sugestão de estudar, estudar o que, exatamente?! Querer impor sua linha de raciocínio, e ainda sugerir que estude? Sugiro fazer da sua sugestão voltada para você mesmo. Siga sua filosofia, direito seu, mas dê o direito de cada um pensar e sentir como quiser. É por isso que esse fotolog está lamentavelmente despencado em audiência e tendo participações tão sofríveis como essa que lamentavelmente estamos vendo...

    Já que é pessoa "tão estudiosa", por que furtou-se da pergunta feita em comentário de ontem? Crianças que nascem com alguma doença, todas elas, estariam sendo punidas por algo que nem eram vivas? Aqueles vários exemplos citados, do meio artístico, todos estariam sendo punidos por algo que fizeram??? Maneira simplista de pensar...e querer impor e sugerir que quem não compartilha da mesma opinião é por..."falta de estudo". Alô Belletti, ajude a acrescentar os medicamentos...

    OBS:Luiz, até quando???

    Não deixe que todo um trabalho ao mesmo tempo tão sério mas divertido e lúdico, que envolve tanta pesquisa e empenho seu, em anos despenque por causa de meia dúzia de 1 ou 2, que em evidente tentativa de domínio e monopólio, requer luzes do holofote full time... Estaria"terceirizando" isso aqui também?



    ResponderExcluir
  21. Boa, obs religioso.., e a resposta ainda veio em tom irônico, arma de quem não tem argumento!

    ResponderExcluir
  22. Considerando o comentário postado em 16 de Maio às 11:52, o qual se refere à lei de causa e efeito, lei essa que é perfeitamente compreendida por aqueles que professam a religião espirita, digo que as situações citadas ocorrem no decorrer de inúmeras encarnações. Sem intenção de ser proselitista, acrescento ainda que é muito difícil para muitas religiões, principalmente as de cunho fundamentalista, compreender a reencarnação. Com isso tornam-se inócuas quaisquer tentativas de explicações. Nenhum ser humano deveria se intitular "escolhido por Deus", embora alguns povos se intitulem como tal. Jesus Cristo pregava "não julgueis para não serdes julgado". Tomar para si todo e qualquer comentário é um sinal de que alguma coisa não anda bem. O mundo, a vida, e até mesmo esse blog, são repletos de pessoas e coisas dignas de serem apreciadas, sejam pela beleza, pelo conteúdo, pela diversidade, e até pela insistência de nunca evoluir espiritualmente...

    ResponderExcluir
  23. Religião é uma coisa ridícula, mas ridículo ainda quando o "crente" se acha melhor que os outros.
    Prove que a reencarnação existe. Desafiado, valendo milhão, Xico Xavier, guardou a peruca e se escondeu atras de seus "sobrinhos".

    Uma coisa é certa, nunca vi gente com QI acima da média acreditar nestas baboseiras.

    ResponderExcluir