Total de visualizações de página

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

BICA DA RAINHA



Em mais uma estupenda colorização do Reinaldo Elias vemos, em fotografia de Alberto de Sampaio, a Rua Cosme Velho na década de 1920, com o morro do Corcovado ao fundo ainda sem o Cristo.

O fotógrafo está, aproximadamente, no local onde funciona hoje em dia o Colégio São Vicente. Este canto do bairro do Cosme Velho, antes da abertura do Túnel Rebouças, era de uma tranquilidade ímpar, com grandes mansões e muito verde.

Ali à esquerda o atual Memorial da Pediatria Brasileira, na Casa da Bica da Rainha, uma construção histórica do bairro. A ideia do Memorial surgiu com Carlos Arthur Moncorvo Filho (um dos pioneiros da Pediatria brasileira, ao lado de seu pai, Carlos Arthur Moncorvo de Figueiredo), que viu a necessidade da criação de um museu da Pediatria.

Construída na primeira metade do século XIX, a residência foi adquirida em 1937 pelo engenheiro Adehrbal Pougy, um dos responsáveis pela construção do Túnel Rebouças. Nesta época foi reformada, recebendo um segundo pavimento. De estilo colonial, com seu jardim de árvores centenárias, o local transmite paz e tranquilidade.

Na entrada da casa está localizada a Bica da Rainha, construída em meados do século XIX para canalizar as águas de uma nascente às quais eram atribuídas qualidades terapêuticas. A bica recebeu este nome por ser frequentada por D. Maria, a Louca, mãe de D. João VI, e por sua nora Dona Carlota Joaquina, em 1808.

Acredita-se que a expressão “Maria vai com as outras” tenha surgido a partir deste fato, já que D. Maria fazia as visitas sempre acompanhada de suas damas de companhia.

Mais adiante um pouco, após a curva, havia o Mian – Museu Internacional de Arte Naïf, que encerrou as atividades em dezembro de 2016 devido a dificuldades financeiras.

O Mian, uma instituição privada, foi criado a partir da coleção constituída por Lucien Finkelstein (1931-2008). O acervo do museu tinha 6 mil pinturas, de artistas de 120 países.



41 comentários:

  1. Colorização perfeita. Será que a abertura do Rebouças foi uma das causas da decadência da zona sul?

    ResponderExcluir
  2. Em 1920 com certeza ainda era o cenário dos tempos de Machado de Assis, assim como alguns vizinhos ainda continuavam lá. Agora é jurisdição da Nalu e da Evelyn, que ainda tem o Memorial como referência em particular.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia. Laranjeiras e Cosme Velho eram bairros tranquilos até a abertura os túneis Santa Bárbara e Rebouças. Depois da curva, à direita, existe a "Casa do Minho", clube português que eventualmente prove bailes de dança de salão. Mais adiante, ainda à direita, existe a Igreja de São Judas Tadeu, bem como o Largo do Boticário, antes ainda da estação de trens do Corcovado, que fica à esquerda da via. Local atualmente movimentado e perigoso, onde a favela do Cerro Corá abriga, cono de hábito, traficantes e criminosos em geral. O acesso ao túnel Rebouças e o acesso à favela citada destruíram a graça e a tranquilidade do bairro, que ainda possui um alto IPTU.

    ResponderExcluir
  4. Peralta,o implicante10 de janeiro de 2017 08:32

    Tia Nalu ainda guarda garrafinhas com agua da Bica.Milagres e Milagres.

    ResponderExcluir
  5. Conheço muito pouco sobre o lugar. Hoje vou ficar sentadinho aprendendo.

    ResponderExcluir
  6. O local era paradisíaco quando o conheci no início dos anos 60 pois tinha um amigo que morava numa ladeira já não lembro se dos Guararapesou das Ascurras. Vemos na foto o poste com faixa branca indicando parada de bonde. Além do Águas Férreas algum outro bonde passava aí?

    ResponderExcluir
  7. Não tem jeito, para onde a "Casa Grande " for, a "Senzala" vai atrás. Com IPTU,energia,gatonet,água a preços altissimos,só que pagos por quem não mora lá.

    ResponderExcluir
  8. Observador de Comentários10 de janeiro de 2017 08:49

    O que estragou o Cosme Velho foi o Conde di Lido ir estudar no Colégio São Vicente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. xiiii, o observador me parece que cometeu suicídio. Só um seleto grupo sabe que o Nobre Conde foi aluno "exemplar" desse conceituado colégio de ensino. Ele sempre ia de lotação particular para escola e nos áureos tempos de SDR Terra foi postada uma foto dele e seus amiguinhos descendo da condução. Na foto não me parecia empolgado...

      Excluir
  9. Bom dia a todos. O local foi restaurado no final do século passado pela Escola Miraflores de Laranjeiras e acho que a escola ainda em parceria com o Município ou Estado faz a manutenção do local nos dias de hoje.
    Já quanto a degradação do local, todos falam que se deve a abertura dos tuneis, porém na minha opinião se deve as favelas que ali se instalaram após isto, Cerro Corá, Rua Alice, Cardosão. Sempre digo, que favela é o pior mal que existe, consegue ser pior do que o câncer, pois este evolui, e as favelas são crescem, porém não evoluem.

    ResponderExcluir
  10. O Mauroxará tem razão e ainda há fatores que agravam a situação. Essa "senzala" atualmente tem regalias, pois trata-se entre outras coisas de currais eleitorais e de posto de venda de drogas, e portanto interessa ao Estado. Paradoxalmente, no passado havia uma legislação do antigo distrito federal que proibia construções de alvenaria nas favelas pela facilidade de remoção, ao contrário dos dias atuais, onde edifícios de vários andares são construídos nas favelas, onde muitos deles servem como " comitês políticos". Eis por o tráfico é "tão poderoso"...

    ResponderExcluir
  11. Lino Coelho, favela no Rio de Janeiro não é sinal de miséria, e sim de "poder político". As ongs, a Rede Globo, e os políticos, são os maiores interessados nesses antros, pois eles lhes fornecem a blindagem para a manutenção de seus negócios cada vez mais lucrativos.

    ResponderExcluir
  12. É o que costumo dizer,com interesses pessoais acima de tudo.A velha cantilena de que uma mão lava a outra.O Joel parece ter razão quando diz que os "currais eleitorais" estão cada vez mais sedimentados e atuantes.E de certo tempo para cá,a coisa piorou com o conluio entre os poderes.No Rio de Janeiro a coisa parece ser mais grave,mas é certo que ocorre em todos o país.A verdade é que as chamadas "autoridades" com suas benesses de todas espécie perderam o fio da meada para assumir posições que de fato lhes pertence.Um espanto.Lamentável que um local como este esteja a mercê de intrusos.

    ResponderExcluir
  13. Segundo o Decourt vemos um poste NY modelo baixo, já com globo GE-Novalux e lâmpada de tungstênio.

    ResponderExcluir
  14. Bom dia ! Bonita colorização ! Sem dúvida alguma a abertura do túnel Rebouças principalmente, degradou bairros como Laranjeiras e Cosme Velho, assim como o do Rio Comprido, no alto da Av.Paulo de Frontin e até a Lagoa e adjacências. Concordo que as favelas também tenham contribuído para isso, mas o que foi mortal, mesmo, foi o advento das drogas (e com elas, as armas), o que destruiu de vez a cidade, bem como o país. Vai ser muito difícil sairmos desta situação sem escolas, sem professores e sem o poder público agindo como deveria agir...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. WHM, o tão contestado Darcy Ribeiro já dizia isto: "Se não construirmos escolas agora não haverá dinheiro para a quantidade de presídios a serem construídos daqui a 20 anos".

      Excluir
  15. Tenho certeza que o Marcelo Crivella irá minimizar o problema das drogas nas favelas com campanhas de evangelização em massa.Se os traficantes aceitarem Jesus,a criminalidade irá diminuir.

    ResponderExcluir
  16. Prezado senhor Anônimo, infelizmente sou obrigado a discordar de sua pessoa, visto que é hora de agir e não de rezar, o que, na minha opinião, não adianta nada. Entretanto, caso isso desse certo, do que duvido muito, seria uma ótima... Vamos, pois, aguardar os acontecimentos, já que o homem foi eleito pela maioria votante e não há como voltar atrás.

    ResponderExcluir
  17. Gostaria que o Sr Anônimo se apresentasse de uma vez por todas.

    ResponderExcluir
  18. Sobre essa questão da degradação de logradouros transformados em "bairros de passagem" em razão da construção de túneis e viadutos há um artigo escrito há tempos pelo arquiteto e paisagista José Tabacow que trabalhou com o paisagista Burle Marx e foi meu contemporâneo no IPHAN. Não consegui localizar na internet mas, se houver interesse, como alguns do comentaristas têm Facebook talvez seja possível obter o texto com o próprio arquiteto em sua página.

    ResponderExcluir
  19. A jornalista Claudia Cruz acaba de ser internada após cair de um bicicleta e fraturar uma perna.Gostaria de saber se o marido já caiu do cavalo.

    ResponderExcluir
  20. Peralta, o implicante, será parte do acervo do Museu de Pediatria. Caso a ser estudado. ** Acho que já disseram tudo, ou quase tudo. Águas Férreas era um enclave, praticamente um bairro, entre Laranjeiras e Cosme Velho. Quanto aos bondes, havia o Águas Férreas e, acho, o Cosme Velho, que ia mais adiante. ** De fato, a abertura do tráfego ao Rebouças acabou com a tranquilidade daquela área. Antes disso, Laranjeiras também perdeu a paz com o Santa Bárbara. ** Quanto às favelas, só crescem. Há o Pereirão, na Pereira da Silva, que surgiu de um pequeno casario e se desenvolveu a partir dos anos 1960, trazendo a boca-de-fumo e a insegurança. ** Há também a da Rua Alice, que cresceu a partir da década de 1980, acho. Na época, os moradores do entorno cansaram de avisar às autoridades, mas nada foi feito para impedir a invasão. Todas essas favelas são dominadas pelas tais facções, que volta e meia estão em guerra. ** Burle Marx tinha seu escritório em Laranjeiras, na Cardoso Jr., ou numa das suas "afluentes".

    ResponderExcluir
  21. Boa tarde a todos.
    Foto e texto interessantíssimos, uma vez da beleza da fotografia e também porque eu nunca ouvi falar desse museu.
    Em relação as favelas, crime organizado e meio político, nada a declarar pois o assunto é polemico e isso me lembra do "puxão de orelha" de ontem.
    Em se tratando do MIAN, fico aqui pensando para onde teria ido as 6 mil peças? Mercado Negro? Ou para ser politicamente correto, Mercado Breu?
    E por ultimo, uma dúvida: Se as águas eram milagrosas e se Maria I era louca, teria ela se curado de suas mazelas mentais fazendo uso da água?

    ResponderExcluir
  22. Gostaria de convidar esse sujeito que sequer tem coragem e a decência de se identificar a ir evangelizar em um presídio no Amazonas, no Maranhão ou em Roraima. O pilantra do Valdemiro Santiago, que afirma curar milhares de pessoas todo dia, foi esfaqueado esta semana, mas ao invés de orar para Jesus curá-lo, preferiu recorrer aos médicos em um hospital particular. O fanatismo religioso está diretamente ligado ao baixo índice de escolaridade. Esses zumbis evanjégues acham que a solução de tudo é aceitar Jesus e imbecilizar a população em massa. Na verdade, a solução para todos os problemas do nosso país é investir pesado na Educação do povo brasileiro, e não entregar o país nas mãos desses embusteiros desgraçados em nome de je$u$.

    ResponderExcluir
  23. Pelo que leio há vários comentaristas que usam o Anônimo para se identificar (?). Eu sou eu mas não sou os outros.

    ResponderExcluir
  24. Valdomiro Santiago é um exemplo de que como se enriquece às custas da imbecilidade alheia. Falta de inteligência, falta de instrução, e deficiência genética, são ingredientes principais para que esses "operadores ds fé" iniciem seu trabalho criminoso. Leis penais paternalistas e isenção fiscal completam o cenário.

    ResponderExcluir
  25. Tenho um carinho especial por essa região, acho que ainda conseguem preservar um certo bucolismo e alguns dos antigos casarões como o Solar dos Abacaxis, o do Austregésilo de Atahyde, usado às vezes para encenação de peças(com a participação de um ou dois netos),havia um bar até alguns anos atrás que havia sido uma carvoaria no passado. Grandes nomes moraram nesse pedaço, como Machado de Assis( hoje um bistrô), o primeiro goleiro do glorioso Flu, pai da Bárbara Heliodora( ela morou no Lgo do Boticário), Cecília Meirelles na rua transversal, e por aí vai!

    Até algum tempo, a chave da bica da Rainha ficava no bar em frente! Pitoresco isso!

    Penso que as águas que prometiam algo mais seria a do Rio Carioca, em frente, não? Quem dela bebesse ficaria com a voz maviosa, era o conceito da época! Hoje as pessoas brincam dizendo que quem dela beber, poderá contrair hepatite...

    Quanto ao Memorial da Pediatria, vale a pena visitar!!! Tem a cadeira de extração de amígdalas da época( fico pensando na dor da criança e no sofrimento da mãe vendo isso, em uma época que o anestésico mais avançado deveria ser éter ou clorofórmio...), a roda dos expostos onde crianças sem condições de serem criadas por suas mães eram entregues, e seu anonimato( das mães) preservado( deveria voltar, hoje, não raro, são abandonadas em rios ou latas de lixo), e muitos outros ítens interessantes, não sei se ainda tem o pulmão de aço, creio que sim! Fui uma vez há muitos anos, e ano passado, flanando por ali, quis entrar, mas estava em obras porque devido às chuvas de dias anteriores, estavam em obras. Está na lista rever!

    Em tempo: o Horário é de 2@ a 6@ 0900-1600h

    ResponderExcluir
  26. Vou defender o nobilíssimo esculápio supra citado, acho que sua presença nessa região abrilhantou o local,sensível que é!

    ResponderExcluir
  27. As tristezas mencionadas pela Dra Evelyn na postagem anterior tem como causa principal a falta de Deus no coração.Se as pessoas tivessem amor no coração ou aceitassem s palavra de Jesus.A grande verdade que poucos serão os escolhidos.O prefeito Crivella está iniciando uma administração pautada no amor ao próximo.

    ResponderExcluir
  28. Dra. Evelyn tá muito inspirada. Deve ter bebido da agua da fonte e disparou o gatilho.Antes de beber a agua ela "tomava uma" no botequim da chave.Pulmão de aço eu não vi,mas vi Dario o "Peito de Aço".

    ResponderExcluir
  29. Travesso, vc é antigo, claro q viu, talvez até pessoalmente!. Eu vi em fotos! Dario era jogador de qual time? Pq Peito de Aço, ele "matava" a bola no peito? Ainda é vivo?

    ResponderExcluir
  30. Cria do sumido time do Campusca (o carioca Campo Grande Atlético Clube), o Dario "Peito de Aço" tinha esse apelido por conta da desenvolvida caixa do tórax. Outros apelidos: Dadá Maravilha e Beija Flor, por "parar" no ar para cabecear a bola. Ficou famoso no time do Galo Mineiro e a imposição de Médici em 1970, para colocá-lo da seleção brasileira, teria sido a gota d'água para a saída do então técnico João Saldanha pouco antes da Copa do Tri. Dario também era um "poeta" e, entre outros, disse os seguintes versos: "Não existe gol feio. Feio é não fazer gol"

    ResponderExcluir
  31. Pelé calado é um poeta,segundo Romário.Jogadores de futebol não possuem dons culturais,isso é fato,pois já fazem muito falando.Nunca se tornarão juristas ou diplomatas.

    ResponderExcluir
  32. Eu lembro desse nome: Dadá Maravilha!

    Não tinha um jogador Vavá? Tinha um postal dele aqui em casa, do México, salvo engano. Ainda é vivo?!

    ResponderExcluir
  33. Observador Esportivo10 de janeiro de 2017 21:30

    Uma das pérolas do Dario foi: não me venha com problemática que eu não tenho a solucionática.

    ResponderExcluir
  34. Boa noite a todos.

    Fora o dia inteiro, passei no MAR para ver a exposição da Leopoldina, infelizmente com alguns itens retirados para manutenção, a a Cor do Brasil.

    Passei pela Orla Conde e cheguei na Praça XV a tempo de ver os testes do VLT. Passei na Livraria Cultura e comprei o livro 'Lentes da Memória" sobre a exposição das fotos do Alberto de Sampaio que aconteceu ano passado no CCC. Vale o investimento.

    ResponderExcluir
  35. Augusto, hoje estava na cidade para uma consulta médica e ao sair, fui no MNBA, ver a expo dos 200 anos da Missão Francesa e do Paliére! Bem legal, e ainda está gratuito!

    Essa da Leopoldina ,no MAR, fui na inauguração, e ainda tirei foto com o belo Príncipe Dom Luizinho! Não fiquem com inveja...rs

    ResponderExcluir
  36. Juro que vi a Dra. Evelyn tirando selfie com outro Belo,o cantor.....

    ResponderExcluir
  37. Tia Ervryn, Dom Joãozinho.

    ResponderExcluir
  38. rs Claro, Dom Joãozinho!Pensei certo mas na hora o pensamento deveria estar em outra coisa, querendo fazer várias coisas ao mesmo tempo, além das preocupações...

    ResponderExcluir