Total de visualizações de página

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

N.S.COPACABANA ESQUINA DE BARÃO DE IPANEMA

Mais uma foto do acervo do F. Patrício, agora mostrando a esquina da Av. N.S. de Copacabana com a Rua Barão de Ipanema. Vamos todos tentar lembrar o comércio do quarteirão entre Barão de Ipanema e Bolívar.
 
O fotógrafo está em frente à calçada da “A Mala Sport”, da “Celeste Modas” e da “Confeitaria Colombo”. Fundada em 1894 pelos portugueses Joaquim Borges de Medeiros e Manoel José Lebrão - este último criador da célebre frase “O freguês tem sempre razão” - funcionou como um dos mais tradicionais pontos culturais e turísticos da cidade. A filial de Copacabana, no nº 890, telefone 57-8960, fez muito sucesso durante décadas e este prédio foi construído pela Colombo quando a sociedade comprou uma antiga estação de bondes que existia no local. Era o local de chá preferido de minha avó, fosse no salão térreo, fosse no segundo andar. Depois do chá ela sempre ia na loja da Colombo que dava para a Barão de Ipanema onde comprava uma lata de "marmeladinhas" e torradas que vinham num tipo de “bauzinho” de metal, em duas colunas, uma sobre a outra, acolchoadas com um papel branco franzido e, também, com um papel branco em tiras, para não se quebrarem. Estas torradas tinham um gosto todo especial. Na Colombo tinha a “coupe rêve d´amour”.  O bolinho chamado “Rivadávia” era um sucesso, bem como o Sacripantina. As latas redondas de Leques Gaufrettes para servir com sorvete, eram outro “must”. Nesta loja, como um armazém, os produtos eram embalados em papel cor de rosa e os rolos de barbante ficavam pendurados numa armação de ferro, o que facilitava o trabalho de embrulhar. Era um ambiente bastante chique até os anos 60.
 
Do outro lado da rua a loja da “Temper Roupas” (Confecções para homens), no nº 898 da N.S. de Copacabana, provavelmente perto da comemoração do “Dia dos Pais”.  Esta loja funcionava também na Praça Tiradentes, Rua da Carioca, Rua do Ouvidor. Neste quarteirão existia a “Mademoiselle Modas” no nº 906, o BANERJ no nº 908, o “Banco Nacional” no nº 928, o “Curso Vetor”, o “Curso Miguel Couto”, o “Curso Bahiense (de pré-vestibular), todos no mesmo número.
 
Na esquina mais próxima do outro lado, em frente à Colombo, fica a Escola Cocio Barcelos em prédio doado pela família, segundo consta, após a morte do filho Cocio, afogado na praia de Copacabana. Muitos colegas de Santo Inácio vieram desta escola, que tinha um ótimo ensino nos anos 50 e 60.
 
Na esquina em diagonal funcionava a “Casas Olga” e, a seguir, em direção à Bolívar, o Banco Interpart no nº 903, a “Agacê Modas” no nº 921 (“Agacê” vem de Hugo de Castro, dono da loja). No mesmo número funcionou o Teatro Jardel, de Geisa Bôscoli, tio de Jardel Filho. Localizado na então tranquila Av. N.S. de Copacabana. Era tipo um teatro de bolso. Além das peças adultas, nas tardes de sábado aconteciam peças infantis (aí assisti ao "Gato de Botas"!). Na década de 1950 e início da de 1960, os atores principais destas peças eram Norma Blum, Roberto de Cleto, Fabio Sabag, Zilka Salaberry, todos oriundos do Teatrinho Trol, grande sucesso da TV Tupi, canal 6 (no Rio).
 
Na foto podemos observar também o antigo guarda de trânsito da PM, que tanta falta faz nos dias de hoje. O "Urca-Leblon", 511, carroceria Mercedes-Benz, levava os alunos das faculdades da Avenida Pasteur (como era disputado aquele banco único junto à porta de saída, na frente do ônibus).
 
 

32 comentários:

  1. Considero um grande exemplo o fato de uma família doar um prédio para uma escola como feito pela de Cocio Barcellos. Outra em Copacabana que foi doação foi a Cicero Penna, salvo engano. Para ver a diferença de pensamento dos mandatários de antanho basta mencionar que quando quiseram construir uma estátua em homenagem a D. Pedro II ao final da Guerra do Paraguai ele recusou e propôs a construções das que ficaram conhecidas como Escolas do Imperador. Como exemplos podemos citar as atuais Luiz Delfino na Gávea, Amaro Cavalcanti na Glória, a Rivadavia Correa no Centro, a Orsina da Fonseca e a Gonçalves Dias.

    ResponderExcluir
  2. Como podemos ver pela foto postada aqui no dia 4/1, o fotógrafo estava perseguindo o triciclo. Pelo Street View os prédios menores continuam lá, sendo o da direta com reforma radical. O banco individual da frente tinha um apelido que não lembro no momento. Já a Norma Blum devia ser a paixão de muito marmanjo frequentador do teatro na década de 60.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal esse resgate e o incrível detalhamento do Luiz!!! O que teríamos hoje no local onde funcionou o teatro Jardel Filho?



    Agacê, minha mãe comprava ali, entre outras lojas da época.

    Plinio, o Col. Amaro Cavalcanti fica no Largo do Machado, perto da Adega Portugália, meu irmão chegou a estudar lá, na época que escolas públicas ofereciam estudos de qualidade!

    Na Glória temos a Escola Deodoro, estaria você pensando nela? (Dizem ser "irmã da Albert Barth, da Av. Oswaldo Cruz)

    Esse exemplo do D. Pedro é sensacional, você consegue de longe pensar em político hoje fazendo isso?

    Esses cursinhos de Pré vestibular marcaram época! Todos acabaram!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia. Foto do final dos início dos anos 70, tanto pela indumentária dos pedestres como pela farda do P.M. É impossível comentar essa foto sem mencionar a ausência de locais para estacionar, tema já comentado "neste sítio". Tive parentes que estudaram na Cocio Barcelos nos anos 60 e era uma escola de qualidade como tantas outras escolas públicas da Guanabara. Copacabana ainda era um local agradável para "flanar" sem medo da violência tão presente no bairro atualmente...

    ResponderExcluir
  5. Lembrei das aulas do professor Vítor Notrica, do milk-shake do Bob's, do Roxy após as aulas. Ainda era possível achar vaga menos nas quartas quando havia feira na Bolívar e Leopoldo Miguez.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia a todos. A foto de hoje vem acompanhada de um texto com outro grande resgate histórico de Copacabana. Já dizia um afastado comentarista. "O mundo gira e a Lusitana roda." As transformações em relação aos dias de hoje são bastantes notórias ao se ver esta foto, começa pelo trânsito, depois as pessoas atravessando a rua na faixa, a limpeza urbana, a não observância de comércio ambulante. Quando da descrição do texto o comércio instalado no local, todos se destacaram pela qualidade reconhecida do serviço que prestavam, eram estabelecimentos comerciais com identidade, onde o cliente era reconhecido pelo dono ou pelo atendente e tratado com respeito e cordialidade, pois isto era o fator determinante para o regresso do cliente. Não sei se estou ficando rabugento, porém este tipo de tratamento que grande parte das lojas, principalmente em lojas de shopping, segundo dizem é um treinamento dado ao atendente que chega até ao cliente e se apresenta já querendo demonstrar uma intimidade, que para mim soa muito falso e eu detesto.

    ResponderExcluir
  7. Dra.Evelyn não tomou Rivotril.Acordou bem mais cedo.

    ResponderExcluir
  8. O Lino Coelho mencionou algo importante: A ausência de ambulantes ou camelôs. Atualmente é impossível encontrar em qualquer bairro calçadas sem camelôs. As calçadas de Copacabana ficam por vezes intransitáveis devido aos ambulantes. As figuras do "fiscal de feira" e do "fiscal de ICM" estavam sempre a postos. O fato é que o descontrole populacional, o desemprego, o clientelismo eleitoral, e a corrupção, ajudaram a "criar o monstro". A carga tributária estratosférica é fator preponderante. Hoje vende-se de tudo nas ruas, desde cartões de memória, até perfumes "importados".

    ResponderExcluir
  9. Peralta,o implicante13 de janeiro de 2017 09:43

    Imporante lembrar que Tia Nalu continua presidente da Sócaca,Sociedade Carioca de Camelôs.

    ResponderExcluir
  10. Bom Dia! Tenho várias perguntas para hoje : 1) As letras do Blog cobrem parcialmente a foto,o que me levou a ler Para o papai, mas ampliando a mesma da para ler que é para o Papa. Será que a loja estava chamando o Papa para escolher um "modelito novo". 2) A dupla de Lusitanos da Colombo será a mesma que fundou algumas casas com o nome de Manoel e Joaquim o Botequim ? Na do Eng de Dentro, no interior do restaurante uma placa escrita: O Manuel é capenga e o Joaquim está manco. O nome do banco individual dos ônibus é Jesus está chamando. Quando rodei no Lins-Urca, na segunda viagem, sempre que ia encostar "na vez",tirava o assento deste banco para ninguém sentar ali. Aquele lugar estava guardado para uma "Gata" que embarcava na rua Aquidabã e vinha quase sempre de mini-saia. Apesar do banco ter tapa-coxa, como rolava sempre um papo,era impossível não olhar para aquele par de "beldades".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mauro, dá para clicar com o botão direito do mouse, se estiver usando notebook ou desktop, e selecional Abrir link em nova guia. Vai aparecer a foto em seu tamanho original.

      Excluir
  11. Jorge, o ucraniano13 de janeiro de 2017 11:03

    Bom dia.Rua movimentada e com bastante comércio,diferente da Gavião Peixoto, da Mario Viana, e da Praia de Icaraí, que primam pelo sossego e pela beleza.Niterói possui uma qualidade de vida invejável.Na época dessa foto,Niterói não tinha o transito caótico dos dias atuais e que a proximidade do Rio e a ponte tanto contribuíram.Copacabana é um local que servia para passear com dia claro mas agora nem assim, pois é um local perigoso.Mas não deixa de ser um cartão postal.

    ResponderExcluir
  12. Se o Wolfgang entrar hoje aqui, solicito que ele leia meu comentário de ontem, às 19:52h, para não restar nenhum mal-entendido. E encareço que registre o fato de ter lido (com a devida licença do Luiz), para eu ter certeza de que possíveis nuvens negras surgidas entre nós não existem mais.

    ResponderExcluir
  13. Paulo Roberto, Norma Blum!! Lembro dela fazendo Senhora, era isso? Ainda é viva? O pai era professor de ingles!

    Marcelo, Victor Notrica marcou época. Não o conheci, só de nome, professor de Química, certo? Talvez ainda esteja vivo!Era proprietário um um dos sócios do Curso Miguel Couto Bahiense. Fui do Princesa Isabel, que tb pertencia ao grupo, tanto que as apostilas eram as mesmas e vinham os nomes dos professores na capa! Ainda tenho algumas...

    Travesso, não faço uso! Cedo porque tinha fisioterapia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colaborador Anônimo13 de janeiro de 2017 12:01

      Também fui aluno do Victor Notrica, um dos melhores professores, se não o melhor, que já tive. Tive uma passagem com ele que mostra sua grandiosidade como ser humano, mas deixo no ar para não me tornar prolixo.

      Excluir
  14. Fugindo um pouco do perímetro estabelecido pelo Luiz, vou falar sobre uma folclórica figura de Copacabana, D Estefânia, do Colégio Mallet Soares, onde estudou o Lavra. Ficava na Xavier da Silveira entre Barata Ribeiro e Leopoldo Miguez. D Estefânia era conhecida por caçar gazeteiros nas cercanias do colégio ao melhor estilo do Seu Miguel, da Luluzinha. Às vezes entrava pelo Roxy com as sessões em andamento tocando sua sineta. Era uma debandada, a garotada correndo no escuro a caminho da rua... Acho que na esquina de Leopoldo Miguez com Xavier da Silveira existia uma loja de discos, Tornado, se não me engano era esse o nome. D Stefânia costuma fazer suas blitzes também por ali. Na sede antiga do colégio, antes da demolição, havia um busto de D Stefânia, mas sem a sineta. Em minha opinião deveria haver uma estátua de corpo inteiro com a sineta sendo brandida como uma espada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Candeias, se hoje alguém fizer o que D.Estefânia fazia, será processado pelos pais dos alunos por infringir o direito de ir e vir dos gazeteiros.

      Excluir
  15. Ja que o Candeias falou em loja de discos,agora pouco acabei de me desfazer da minha coleção de vinis.Dois irmãos fissurados pelo bolachoes ficaram com o acervo,que só não tinha axé,sertanejo e funk.Foi uma venda simbólica e me doeu ver tanta história indo embora.Mas estavam sem nenhuma serventia.Como devo mudar de endereço, estou aproveitando a chance para o desmame.Os caras possuem 13 mil discos numa coleção única e mais 8 mil para venda troca e feiras.Muito legal.
    Apesar do sentimento de perda gostei de saber que iriam para boas mãos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belletti, há alguns anos me desfiz dos meus mas guardei uns vinte aqui. Eram por demais representativos de uma época.

      Excluir
  16. Notícias d'além Poça: http://odia.ig.com.br/niteroi/2014-08-30/ambulantes-da-cidade-dividem-calcadas-com-africanos-que-fogem-da-guerra.html

    ResponderExcluir
  17. Caros Belletti e Luiz,também me desfiz dos meus elepês e compactos com muito Rock e Bossa Nova, mas acho que você dois devem conhecer um dos maiores colecionadores de discos que mora em Copa. Jose Roberto Öldies¨ Minha avó materna frequentava muito a Colombo de Copacabana.
    A foto registra uma época ainda de ouro do bairro.

    ResponderExcluir
  18. Podia jurar que já tinha postado meu comentário. ** Aí vai, de novo: Morei nessa área e lembro do tal armazém da Colombo, onde eu comprava montanhas daquele pãozinho (almofadinha) e as devorava, quando estava grávida... ** Peralta, o implicante, só faz caca.

    ResponderExcluir
  19. Boa tarde a todos,
    Eu estudei no Cócio Barcellos no início dos anos 80, e o ensino ainda era de qualidade. Não sei como estaria hoje em dia! Na época, havia até aulas do idioma francês. Mais tarde, já na universidade, este fato acabou influenciando o meu interesse em me aprofundar na língua francesa, e depois acabei fazendo um pós-doutorado na Universidade de Paris V. Outra lembrança que tenho associada a esta foto era, nos anos 80, ir sempre comprar balas, doces, chocolates e biscoitos na esquina da Rua Barata Ribeiro com a Constante Ramos, em uma lanchonete chamada Bolonha, que creio continua lá até os dias de hoje.
    Há braços

    ResponderExcluir
  20. Adorei a lembrança do Sr.Miguel, caçador de gazeteiros das estórias da Luluzinha e Bolinha!. Aliás, haviam relançado algumas edições, consegui alguns exemplares em uma banca do Catete, e lamentavelmente pararam de editar, salvo engano! Outro dia, flanando ali pelo Bossa Nova, no SDU, enchi-me de esperanças ao ver alguns exemplares em um grande stand na entrada...após garimpagem, vi que eram repetidos...

    Ainda conservo todossss os meus vinis, e penso seriamente em comprar um aparelho que contemple CD, vinil e fitas, para desespero do meu irmão, dizendo que ninguém mais ouve vinil, tese que combato efusivamente! Tem valsas de Strauss, trilhas de novelas( Som Livre, fundo do baú), Carpenters ( edição que não tenho em CD), e tantos outros, que marcaram época!

    ResponderExcluir
  21. A música que ouvimos deve ser suave, de louvor.Como cristão eu apenas os hinos cantados por Regis Danese, Mara Maravilha, Fernandes, e outros cantores gospel.Não condeno o gosto de cada um,pois existeo funk, a sofrência,o sertanejo,o forró,as românticas,etc.Mas condeno aqueles que se dizem homens de Deus e frequentam antros de perdição.

    ResponderExcluir
  22. Colaborador Anônimo13 de janeiro de 2017 20:21

    Aproveitando que hoje o espaço não está muito concorrido, e como deixei no ar em minha participação às 12:01 hr, vou tentar ser bastante sucinto e relatar essa experilência, em homenagem a esse ilustre professor.
    Fazia o 3o ano do científico no Pedro II pela manhã e à tarde emendava com o cursinho. Depois das primeiras aulas eu e um colega, em situação idêntica comentamos que havia muitas "dicas" específicas para a prova do vestibular que não tínhamos no colégio e lembramos que tínhamos uma colega de turma daquelas cdf que só tirava 10 e que corria o risco de não passar pois era muito pobre, sem condições de pagar um cursinho.
    Resolvemos então arriscar e comentar o caso com o Prof Victor e fazer um pedido. Vencendo toda a timidez e isegurança de adolescentes, abordamos o Victor num intervalo e começamos o seguinte diálogo: Prof, temos uma colega de turma que é excelente aluna mas muito pobre........nessa hora fomos interrompidos e pegando um papel, perguntou o seu nome e mandou que viesse no dia seguinte para começar as aulas, resumindo: nem precisamos pedir nada, graças à sua perspicácia e humanidade.
    Respondendo ao questionamento da Evelyn, acredito que continue vivo e, a quem interessar possa no vídeo a seguir seu depoimento aos 78 anos logo deve estar com 83....https://www.youtube.com/watch?v=0dz6oCeo0GY

    ResponderExcluir
  23. Boa noite a todos.
    Caro Hélio Ribeiro. Após suas explicações de ontem, vi de que realmente havia feito um mal julgamento quando pronunciastes a conhecida frase. Eu realmente interpretei errado e te peço desculpas.
    Ontem, com a sua explicação que eu li, realmente vi de que pensamos iguais em muitas coisas.
    Não precisa se preocupar.
    Quanto a fotografia de hoje, já havia me esquecido das famosas lojas TEMPER que quase lembra do nome do atual Presidente.

    ResponderExcluir
  24. Evelyn entre os bolachoes que foram entregues hoje,Pelo menos 2 álbuns dos citados Carpenters.Em relação ao som em si,não existe muita perda, pois nos anos 90 parti para os CDs e em muitos casos fiz " conversão ".Mas o vinil tem toda uma aura.E o cd também já perdeu seu espaço...Vi as bolachas do Nat King Cole,Earl Grant,Ray Charles entre outros dando adeus. Mas vida que segue. Uma outra época.....

    ResponderExcluir
  25. Boa noite a todos.

    Hoje foi um prato cheio para os copacabanófilos, mas achei que o Dr. D' continuaria no tema da Urca, com outra foto postada pelo Nickolas.

    Como o assunto vinil foi introduzido na conversa, ainda temos em cada a coleção do meu pai, que de vez enquanto minha mãe até recentemente escutava alguma coisa.

    ResponderExcluir
  26. Colaborador, que bacana!!! Fiquei emocionada, parabéns a você e a seu colega, que mesmo sabendo que poderiam levar um "fora", enfrentaram com muita maturidade e seguindo a máxima que eu mesma só passei a seguir há não muito tempo: O não você já tem,tenta o sim! E ela passou, certo?

    Legal saber que o prof Victor( Vitor?) ainda está vivo! Que goze de boa saúde!

    Vc talvez tenha tido professores comuns a mim...q ano vc fez vest? A

    Belletti, tenho um álbum vermelho com coração dos Carpenters e um cinza com ela, a Karen e 0o Richard na capa. Esses não tenho em CD. E tenho um CD de capa branca, The Best of Carpenters, com ela e o irmão na capa de trás. Emociono-me quando escuto, por pensar que a Karen morreu tão jovem, no auge, de...anorexia nervosa, problema dos mais sérios! Já assisti um show da Gotscha em que ela interpretava somente Carpenters, chorei muito, a ponto de ter que colocar óculos escuros...Espero que não tenham percebido...Anos depois, encontrando Gotscha, comentei o ocorrido, e ela ficou surpresa quando comentei minha reação!

    ResponderExcluir
  27. Karen Carpenter tinha uma voz maviosa mas eu gostava mesmo é da Nikka Costa.On my own "matava a pau".Fico na dúvida entre Ney Matogrosso e Karen Carpenter.O L.P de Tiririca também não fica atrás.

    ResponderExcluir