Total de visualizações de página

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

HUMAITÁ



Mais uma foto dos anos 70, do acervo do F. Patricio. Vemos a região do Humaitá, no trecho entre o Colégio Pedro II e o Corpo de Bombeiros.

Salvo engano, o fotógrafo teria à sua direita a Rua João Afonso em cuja esquina havia uma filial da conhecida "Casa Oliveira".

Na ilha central, que dividia a Rua Humaitá (de um lado o trânsito vinha da São Clemente e do outro ia para a Voluntários da Pátria), vemos o domínio dos veículos Volkswagen.

Mais adiante, à esquerda, fora da foto, a Rua Desembargador Burle, o posto Esso e a Casa de Saúde São José.

Nesta época já havia terminado a mão-dupla tanto da Voluntários quanto da São Clemente.

Do lado direito, vizinho do antigo e ainda sobrevivente prédio do Corpo de Bombeiros, funcionou uma churrascaria, substituída pelo Oba-Oba do Sargentelli e, depois, pelo Ballroom, perto da Viúva Lacerda.

Conta o Decourt que houve nos anos 40 um projeto para a avenida Humaitá-Glória mas que não se realizou. Isto explica o alargamento desta parte do Humaitá. Se ele passar por aqui poderia dar detalhes.




40 comentários:

  1. Esta avenida Humaitá-Glória envolveria o alargamento da Voluntários da Pátria e/ou São Clemente? Há alguns prédios que são recuados nestas avenidas - seria para este então futuro alargamento? Ela seria o início da Radial Sul?
    Acho que em tempos mais recentes se perdeu uma grande oportunidade quando se alterou o trajeto do metrô, não seguindo da estação Botafogo para o Humaitá, Jardim Botânico e Gávea.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia. Essa foto não é dos anos 70 e sim dos anos 60. Observem os cabos duplos de sustentação dos Trolley-Bus e os modelos dos carros. Os ônibus elétricos deixaram de circular messa região em 1967 e portanto a data da foto não vai além. Fora da foto à esquerda, existe a entrada da favela Macedo Sobrinho. Em 1967 ainda havia partes da favela de pé.

    ResponderExcluir
  3. Plinio, sim, a avenida Humaitá-Glória fazia parte do projeto da Radial Sul. Outro projeto que não se realizou era o que uniria a rua Uruguai na Tijuca à Gávea mas que pelo custo das desapropriações nestas regiões valorizadas não foi avante. Acho que fazia parte do plano Doxiadis do Governo Lacerda. Mais adiante se pensou em fazer esta importante ligação através de metrô também saindo das vizinhanças da rua Uruguai e indo até a Gávea ou até o Jardim Oceânico. Acho que esta última ideia foi no Governo do Cesar Maia. No final o Cabral & Cia. optaram por esta tripa que está aí, um trajeto que definitivamente não é o melhor na minha opinião.

    ResponderExcluir
  4. O Patrício diz que todas as fotos desta série são de 1971/1972

    ResponderExcluir
  5. Concordo com o Marcelo. Cabral sepultou o metro.

    ResponderExcluir
  6. Acho que a churrascaria da esquina da Viúva Lacerda se chamava Las Brasas. O pessoal de Furnas costumava almoçar ali de vez em quando e o Werner Wolman, o mais magro de todos, era o que mostrava maior apetite. Comia até o que chamávamos de Decoração de Mesa, ou seja, todos os acompanhamentos. O resto da turma só ficava na carne.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Candeias, por vezes a memória nos trai mas salvo engano a Las Brasas tinha música ao vivo e no auge da moda do karaokê abrigou uma final de uma espécie de campeonato dessa modalidade de "show de calouros". Coisa de modismo carioca. Algo na memória me diz também que essa casa tinha a ver com o Oswaldo Sargentelli e suas mulatas. O gerente, que eu conheci, trabalhou no Roda Viva.

      Excluir
  7. Tentei me situar,mas estou perdido,o que não é novidade.Tem um carro próximo ao poste que seria um remanescente em meio ao festival de fuscas.Talvez possa ser melhor dica para o ano da foto.No meu entendimentomais para inicio dos anos 70,justamente pela invasão de fuscas.Vamos aguardar outras opiniões.

    ResponderExcluir
  8. Encontrei no fundo à esquerda uma Variant, veículo que foi lançado em 1970. Por outro lado, aumentei o zoom e percebi que os "cabos de sustentação" mencionados por mim são apenas os suportes dos mesmos. É possível mesmo que essa foto seja de 1971. Mas não faz muita diferença pois no Humaitá, quase todos os imóveis que aparecem na foto ainda estão de pé...

    ResponderExcluir
  9. Bom dia a todos. Mais um local que para mim só serve de passagem, ou melhor costumo ir na 2ª feira de carnaval para o desfile do Bloco de Segunda, porém nos últimos anos não tenho ido. Já como destaque na foto, temos a vingança de Hitler, que foram os VW, carrinho pequeno, fácil, prático e valente, quem teve um sempre tem uma grande história para contar. Já em relação ao projeto da Radial Sul, acho que não ter sido levado adiante foi uma boa solução. Quanto ao projeto de Linhas do Metro do RJ, qualquer cego do Instituto dos Cegos, "olhando" o mapa da cidade e riscando a lápis sobre ele linhas aleatórias, faria um projeto muito melhor do que o atual sistema de Metro do Rio. Se fosse Presidente do CREA-RJ, caçaria o diploma de todos os responsáveis pelo projeto.

    ResponderExcluir
  10. Bom dia a todos.

    Só posso dizer que passava de vez em quando pela região quando ia de Botafogo para o IMS. De resto, vou ficar atento às participações dos comentaristas.

    ResponderExcluir
  11. O primeiro trecho aberto do Metrô em 1979 foi Glória/Praça Onze e teve um desempenho apenas simbólico. O Pré Metrô que inicialmente ia até Triagem, era um bonde moderno e sua circulação foi interrompida em 1984 após chegar à Irajá, para que fosse refeito o projeto como Metrô de Superfície, sendo concluído com a inauguração da estação da Pavuna em 1998."Foi a viagem de trem mais longa que eu fiz", declarou o então governador Marcello Alencar. Isso mostra que todo a implantação do Metrô foi feita de forma pouco técnica e profissional, atendendo a interesses e financeiros de uma "elite política", beneficiando apenas um percentual de usuários bem aquém das reais necessidades da cidade.

    ResponderExcluir
  12. Joel Almeida, A maldade na linha 2 não foi o que fizeram. A maior maldade foi a desativação total da Rio Douro deixou os moradores ao longo das linhas de Xerém,Tinguá e Jaceruba ,que precisavam vir para o Rio trabalhar,e os agricultores que chegavam ao CEASA via trem,sem condução.Por ser área rural com poucas estradas e as que tinham eram sem pavimentação, as empresas de ônibus como eram todas municipais iam para Nova Iguaçu quando os passageiros queriam Pavuna.

    ResponderExcluir
  13. A mulher e o menino atravessa a rua em fuga, algum "predador" está vindo. Tem Fuscão na foto, com tampa de motor anos de 1970 a 1972, se não me engano. Lembro que uma das linhas de metrô cancelada que teve sua verba relocada em 2010 pelo Cabral, para a construção de um contorno na rodovia BR 393 em Volta Redonda, obra que já se arrastava na época e que, consta, não ficou pronta até hoje. Tempos de Delta Engenharia e Carioca idem. O ex-secretário Hudson Braga, que foi responsável por essa obra e também pela reforma do Maracanã, está pronto para deletar. Mas a grande imprensa parece não estar muito interessada no homem do 1%.

    ResponderExcluir
  14. Bom dia ! Werner Wollmann, Candeias ? É um que estudou no Colégio Cruzeiro e que tem 3 irmãos (duas irmãs e um irmão ?), sendo que a mais velha se chama Erica (ou Erika) e que é arquiteta ?
    Realmente, é o fim da picada uma rede de metrô não passar pelos aeroportos Santos Dumont e Tom Jobim e nem na Rodoviária Novo-Rio. Coisas de amador...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Walter, não tem metrô mas, mal ou bem, tem VLT entre SDU e Rodoviária. Só falta integrar com metrô, já que integra com os ônibus.

      Excluir
    2. Com relação ao Tom Jobim tem metrô em Vicente de Carvalho e de lá o BRT. Não é o ideal, muito pelo contrário, mas é o que tem.

      Excluir
  15. Mauroxará, a E.F. Rio D´Ouro foi desativada por partes: O trecho até Pavuna foi desativado para estações suburbanas em Julho de 1964, mas seu leito foi "emprestado" à Leopoldina para que a mesma o utilizasse para trens de longa distância que iam para Minas Gerais via São Mateus e Miguel Pereira, já que a linha de Petrópolis estava sendo gradualmente desativada e que teria suas atividades encerradas em Novembro daquele ano. No final de 1967 foi concluído o ramal d Ambaí, que se iniciava em São Bento, distrito de Caxias, passando por Ambaí e atingindo Miguel Pereira, eliminando assim a necessidade de utilização da Linha da Rio D´Douro até Pavuna, e que foi erradicado em 1968. Porém, o trecho que partia de Belford Roxo continuou funcionando nos ramais de Xerém até 1969 e Jaceruba até 1970, pois o de Tinguá já tinha sido suprimido em 1964. A erradicação da Rio D´Ouro se deu graças à Lacerda, pois o futuro estado da Guanabara já havia recebido promessa de aportes federais para a modernização da ferrovia, mas ele preferiu sucatear a mesma e erradicar os bondes, já que ele era um agente do rodoviarismo norte americano. Esse foi o motivo de o governador Marcello Alencar, o etílico, declarar que foi a "mais longa viagem de trem que ele fez". Obviamente trata-se de uma fina ironia...

    ResponderExcluir
  16. Um FF especial para o Lino: O Botafogo chegou esta manhã a Vix e vai cumprir pré temporada no Municipio de Domingos Martins.Não estava lá,mas um colega me garantiu que haviam 300 pessoas no aeroporto.

    ResponderExcluir
  17. Observador Esportivo17 de janeiro de 2017 13:18

    Só se seu colega for do Datafolha. A torcida do Botafogo cabe numa Kombi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Kombi servia ao América. A torcida do Bangu costumava comparecer de bicicleta. O Botafogo tem torcida organizada em vários Estados, especialmente em MG.

      Excluir
  18. Esse mesmo, WHM! E jogava um belo voleibol. Quando ao metrô e ao desmantelamento da E.F. Rio D´Ouro, conforme contaram Mauro e Joel, francamente...

    ResponderExcluir
  19. Há um projeto, já antigo, de levar a nova rodoviária para Irajá, no trevo das Margaridas. Seria interessante e ficaria numa região mais "central" do município, atendendo mais eficazmente toda a região metropolitana. Parece que esse projeto tem muita resistência de grande parcela da população da ZS. A nova Avenida Brasil, a Transbrasil, inclusive, já contempla no seu projeto a possibilidade desta rodoviária e fará uma estação bastante grande para cobrir esta demanda. Existe também a ideia de criar um "rabicho" do metrô desta rodoviária até a estação de Coelho Neto, na linha 2. Não seria má ideia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só ficaria ruim para o pessoal da Z.Sul.

      Excluir
    2. Wagner, a resistência não é apenas dos moradores da zona sul. Também o pessoal de outros locais como o Centro e adjacências, Tijuca, Grajaú e outros. Há também a questão da segurança na região do Trevo. Essa rodoviária não tem a menor chance tão cedo de sair do papel, ainda mais com as sucessivas crises. Outra sugestão foi a instalação dessa rodoviária mas mantendo certas linhas na atual.

      Excluir
    3. Poderiam construir simplesmente outra rodoviária em Irajá sem desativar a Novo Rio.

      Excluir
    4. Não creio que seja por causa dos moradores da Z.Sul e Z.Norte ou mesmo de qualquer outro lugar. Tiro por mim, eu não viajo no meu carro nenhuma distância superior a 450KM, logo de ônibus nem me pagando eu viajaria para qualquer lugar, mesmo distâncias menores.

      Excluir
  20. Peralta,o implicante17 de janeiro de 2017 13:45

    Tia Nalu também faz pré temporada.Em Brasilia.

    ResponderExcluir
  21. Boa tarde a todos.
    Se não me falha da memória, a Casa de Espanha fica aí perto em um rua no alto, cujo trajeto irá desembocar aí nessa via mostrada na fotografia.
    Eu fico bobo de ver da quantidades de projetos e ideias que há no Brasil e no final tudo dá errado. É uma lástima, é uma pena como as coisas funcionam por aqui.
    Se de fato as coisas no Brasil fossem levadas a sério, realmente isso aqui talvez fosse uma potência mundial.
    O Joel falou em Triagem e me veio a mente da ideia que o Lacerda tinha de transformar toda aquela área ali em um polo industrial de nossa cidade, daí parece que veio o chamado "Buraco do Lacerda", fazendo da ligação dos bairros de Triagem a Jacaré. Mas como talvez o próprio Joel poderia dizer: "No Brasil tudo acaba em futebol, samba e favela".

    ResponderExcluir
  22. O projeto da rodoviária em Coelho Neto ou Irajá não pode ser levado à sério por uma questão de segurança. Com um rabicho do Metrô partindo da estação de Coelho Neto, passando pela Ceasa e pela favela "Para Pedro" em Colégio, e ficando fronteiriça ao conjunto Amarelinho de Irajá, o índice de assaltos ali que já é alarmante, ficaria insuportável. Ah, ia esquecendo que junto ao trevo das Margaridas ainda existe a "Cidade Alta" de Cordovil. Como pode se notar, não poderia haver local mais aprazível e vizinhança mais educada...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que o principal motivo seja mesmo este descrito pelo mestre Joel Almeida. Outro fator seria que muitos já desembarcariam e iriam direto para uma das favelas do local, com a ajuda de familiares já instalados.
      Para quem não sabe, hoje já existem ônibus particulares que partem direto de cidades do nordeste, com destino a favelas do Rio, algumas delas são: Cidade de Deus e Venda das Pedras.

      Excluir
  23. A ideia e construir a nova rodoviária e manter a atual, para destinos além baía, devido à proximidade com a ponte. Gente, se tivermos que ser seletivos a evitar "áreas de risco" no Rio, estaremos perdidos...

    ResponderExcluir
  24. Não sejamos hipócritas nem politicamente corretos, mas as favelas e a criminalidade tomaram conta do Rio e do Brasil, e não venham com a conversa de que 99 por cento de seus moradores são "gente boa". A criminalidade, a favela, e o tráfico de drogas "dão voto", dinheiro, e poder político.

    ResponderExcluir
  25. A Linha Vermelha foi construída numa época que já existia Vigário Geral, o conjunto das Missões, a Vila do João e o restante da Maré. Seria ideal que não tivesse esses "locais de risco"? Sim. Porém, a via está lá, bem ou mal servindo à população. Quem da ZS vai para o Tom Jobin sem passar por ali? Se não quiser passar próximo a alguma "comunidade", só de helicóptero...

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde ! Temos que pensar grande e fazer o que já existe, há muito tempo, nas grandes cidades européias, ou seja, várias rodoviárias, dependendo do destino dos ônibus. Na Europa fazem isso com as estações de trens. Portanto, é só imitá-los...

    ResponderExcluir
  27. Wagner Bahia. Com todo o respeito, mas acredito que você saiba muito bem do inferno que é passar na Linha Vermelha quando há tiroteios naquelas imediações ou então arrastões.
    Enfim, as políticas hipócritas acontecidas no RJ de 1983 até hoje em 2017 deram no que deram. E agora não é mais só o RJ. O Brasil inteiro está furnicado.

    ResponderExcluir
  28. Walter, para imitar o que é feito nas cidades da Europa é necessário que o Brasil adote leis draconianas, aguarde um período de de 200 ou 300 anos para que se faça sentir os efeitos de tal "endurecimento". Que se construa infindáveis cadeias e adote o sistema de trabalhos forçados e penas corporais. Vinte ou trinta chibatadas no lombo de um vagabundo desses que aparecem na mídia seriam o suficiente para colocá-lo no caminho do bem. Muitos desses "regenerados" do crime, das drogas, e do "chifre", se regeneraram e "evangelizaram", se tornando homens de bem. As igrejas evangélicas estão repletas de "ex-convictos" que se tornaram até pastores. Mas sempre com a sombra e a presença do látego para lhes lembrar as origens criminosas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joel, eu penso um pouco diferente de você. Para mim, seria necessário implantar a pena de morte para crimes como latrocínio, todos os tipos de tráfico (armas, drogas e pessoas), homicídio qualificado (inclusive para motoristas bêbados), sequestro, estupro e desvio de dinheiro público. E mais: retroativo a quem já está condenado cumprindo pena. Advogados que servissem de intermediários com quadrilhas também seriam enquadrados no mesmo crime que o presidiário com quem houvesse falado.

      Com essas medidas, as cadeias se esvaziariam muito. Até sobrariam vagas.

      Para crimes mais leves, em caso de reincidência a pena também seria de morte, ou de prisão perpétua sem direito a condicional.

      Progressão de pena só se aplicaria a criminosos primários, em crimes leves. Não haveria nunca saída em dias especiais, como Natal, Dia das Mães, etc.

      Os presídios teriam oficinas (uma ou duas) e os condenados trabalhariam ali em troca de remuneração. Uma parte da renda seria destinada à manutenção do próprio presídio.

      O complexo penitenciário teria bloqueio de celular.

      O que sugiro tem algo de inconstitucional? Dane-se!! Constituição se muda a qualquer hora. É só querer! Tanto é que já tivemos várias delas.

      Mas tudo isso é um sonho. Quem confecciona as leis também é bandido, logo....

      Excluir
  29. O comentário do Helio é encerrado com chave de ouro.

    ResponderExcluir
  30. Peralta, ó implicante fedelho, eu li! Tia Nalu não frequenta esses lugares. Ora!

    ResponderExcluir