Total de visualizações de página

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

LARANJEIRAS


Com esta fotografia de Kurt Klagsbrunn, provavelmente de 1965, o “Saudades do Rio” homenageia o aniversariante do dia, o prezado Rafael Netto, o Rafito.

 

Vemos o acesso (em Laranjeiras) ao Túnel Santa Bárbara, que liga o bairro de Laranjeiras ao bairro do Catumbi. Este túnel, inaugurado no dia 29 de junho de 1963, quatro anos antes da inauguração do Túnel Rebouças, facilitou enormemente a ligação da Zona Sul com a Zona Norte. Antes de sua abertura o caminho habitual era pela Lapa ou pelo Centro/Praça XV. Durante muito tempo o Túnel Santa Bárbara teve problemas com a qualidade de ar. O Zé Rodrigo certa vez lembrou que quando o problema da poluição interna ficou feio resolveram colocar uns ventiladores. Só que é um túnel com carros andando nos dois sentidos, ou seja, não atava, nem desatava. O problema só foi resolvido quando alguém teve a idéia de que fosse feita uma divisão no meio do túnel. Assim, a poluição segue o fluxo dos carros e os ventiladores/exaustores podem funcionar corretamente.

 

Na foto aparece, na esquina da Rua das Laranjeiras, o prédio da Maternidade-Escola, então pertencente à Faculdade de Medicina da Universidade do Brasil, hoje UFRJ. A ladeira, à esquerda, dava acesso ao Morro da Graça onde existiu o externato do colégio Sacré-Coeur de Jésus (de 1935 a 1969), onde depois funcionou a firma Internacional de Engenharia. Atualmente no local há prédios residenciais, acho eu. O objetivo do Sacré-Coeur era "transformar meninas em damas com forte capacidade reflexiva", baseado nos princípios da religião católica e com grande influência francesa (praticamente todas que ali fizeram todo o curso saíam falando fluentemente o francês). O lado feminino de várias gerações da família D´ estudou lá, bem como estimada comentarista  Nalu.

 

Dezoito operários que faleceram num desabamento durante os trabalhos de abertura deste túnel foram homenageados com o painel “Santa Bárbara”, concebido em 1964 pela artista plástica Djanira. Este painel ficava localizado em uma capela no forro do túnel, formada pelo desabamento do final dos anos 50. O desabamento de uma grande rocha formou uma caverna na abóbada e o Governador Carlos Lacerda resolveu homenagear os operários mortos. Só que, com a poluição, a capela ficou insalubre sendo abandonada. Nos anos 90 com a reforma do túnel, que também dividiu a galeria e possibilitou a passagem de cabos da Light (que custeou a obra) pela antiga galeria de ventilação do túnel, o painel foi retirado, restaurado e ficou à espera de um lugar para ser instalado. Os moradores dos dois lados do túnel queriam a instalação do painel em suas respectivas bocas, mas isto não aconteceu. O painel acabou sendo instalado no MNBA – Museu Nacional de Belas-Artes.

50 comentários:

  1. Sorry, vi agora, ao registrar a postagem na minha planilha, que esta foto já havia sido publicada há dois anos.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia. Bela foto, bem colorizada, mas tenho minhas dúvidas quanto à data. Quando foi inaugurado em 1963, não havia ainda o viaduto sobre a rua das Laranjeiras. Se não me falha a memória, esse viaduto em 1965 ainda não havia sido construído, mas existem moradores da região que frequentam este fotolog que poderão opinar. Outro detalhe importante é o ônibus da CTC da linha 416 que aparece na foto. Essa linha, se não me falha a memória, foi criada em 1967. Outro detalhe é a dúvida quanto ao carro esverdeado sobre o viaduto: Uma Variant 70 ou um Gordini. Com a palavra os especialistas...

    ResponderExcluir
  3. Sem problemas comentarei de novo. Hã muitas dúvidas sobre esse tunel.
    Alguns dizem que foi bom pra zona norte e ruim pra zona sul principalmente para Laranjeiras, que virou passagem.

    ResponderExcluir
  4. Não dá pra reconhecer o carro por essa foto Joel.

    ResponderExcluir
  5. A foto é colorida e está num livro editado em 1965. É uma preciosidade de livro com todas as fotografias coloridas. Talvez possa ser encontrado nos sebos da Estante Virtual. Depois informarei os dados completos.

    ResponderExcluir
  6. Laranjeiras e Cosme Velho eram "refúgios" que a abertura dos túneis Santa Bárbara e Rebouças conseguiram destruir. O Bonde Itapiru-Barcas foi a primeira linha da Light a ser extinta no ano de 1963 exatamente pelo fato de seu "rodo" ou ponto final ficar exatamente no final da rua Dos Coqueiros, onde hoje se encontra a entrada do túnel Santa Bárbara. Depois das reformas ocorridas nos anos 70 para levar os acesos fo túnel à zona portuária e Avenida Brasil e que destruíram o bairro do Catumbi, Laranjeiras se tornou local de "passagem" para a zona sul, dotando o bairro de um transito infernal. Conheci o túnel em 1965 quando por algumas vezes ia de carro para o instituto de educação e não me lembro desse viaduto.

    ResponderExcluir
  7. Bom Dia ! Concordo com o Joel Almeida, o Ônibus é um monobloco bicudinho da CTC. Estes carros foram adquiridos na mesma época dos monoblocos tatuzinhos, que por serem mais pequenos eram destinado as ruas estreitas de Sta Tereza.Todo Busólogo sabe que empresa de Ônibus é como no jogo do bicho, só vale o que está escrito. Mas todo Busólogo sabe também,que 90% do que está escrito cai por terra quando se faz uma pesquisa.

    ResponderExcluir
  8. Bom dia a todos. Fotografia bastante interessante, a começar pela colorização, depois fiquei extremamente deprimido, pois sequer consegui ver um ônibus na foto, menos ainda uma variant, que se quer lembrava que já existiu carro com este nome, agora o que acabou comigo foi identificar a linha 416 e a empresa CTC, falei com meus botões, pronto vou lá no meu oftamologista dá-lhe uma surra, ainda a pouco tempo, fiz exames, verifiquei se o grau do óculos ficou de acordo, ele disse que estava tudo bem, que eu agora podia enxergar tudo, aí leio o comentário do mestre Joel Almeida, vou procurar os detalhes e nada vejo, é ou não é de ficar deprimido.
    Deixando de lado a brincadeira, acho que se na época já existisse tecnologia para a construção de tuneis subterrâneos como o feito agora em substituição a Perimetral, a rotina destes bairros não teria sido tão afetada como foi, haveria saída no bairro que seria para os motoristas que se dirigissem ao próprio bairro, os demais continuariam nas vias subterrâneas até as avenidas do Aterro. Agora se o Metro já tivesse sendo construído desde a época do início da construção destes túneis, acredito que nem seriam necessários.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lino, não fique triste. A resolução da foto não permite saber que a linha do ônibus é a 416 - Usina x Forte. O Joel deduziu isso por vários motivos: as cores, que são as da CTC; o modelo de carroceria, que era usado na referida linha, e o fato de ser na época talvez a única linha de ônibus que atravessava o túnel.

      Quanto à Maternidade-Escola, foi lá que eu nasci. Minha família morava na rua Pinheiro Machado, 75. Atualmente é um prédio, ao lado de um posto de gasolina, quase em frente à rua Álvaro Chaves.

      Aliás, tenho uma grande dúvida, que não sei se algum dos comentaristas poderá elucidar (acho que não). É a seguinte: a rua Pinheiro Machado se chamava anteriormente rua Guanabara. Um dia, pesquisando fotos do Augusto Malta no Museu da Imagem e do Som, dei com uma foto de título "Rua Guanabara, 75". A foto não estava datada. Fiquei arrepiado: era o endereço da casa onde morei nos 3 primeiros anos da minha vida. Por que o Malta teria fotografado o imóvel? Pedi reprodução da foto e mostrei-a para minha mãe, e ela reconheceu-a como sendo a da nossa casa. Na foto, parecia haver uma placa no muro, como se fosse o nome de alguma instituição. Minha mãe não sabia dizer o que havia antes ali. Alguém saberia informar?

      Excluir
    2. Hélio, veja comentário abaixo.

      Excluir
  9. Peralta,o implicante19 de janeiro de 2017 10:09

    Tia Nalu canta La Marseillaise 3 x ao dia.Ainda aprendo!

    ResponderExcluir
  10. Foi uma pena esta via ter cortado um pedaço do estádio do Flu. Realmente o túnel no lugar da perimetral ficou muito bom. Impressionante como desafogou o transito no local. Ainda há muitos locais no Rio que caberia um túnel.

    ResponderExcluir
  11. CORREÇÃO E INFORMAÇÕES: o autor da foto não é Marcel Gautherot mas Kurt Klagsbrunn (já corrigi lá em cima).
    O livro onde está esta foto se chama RIO DE JANEIRO, foi editado em 1965 por Wilhelm Andermann Verlag, Munich (Printed in Germany).
    Todas as fotografias são coloridas e tem 19 fotos de Gautherot, 5 fotos de Kudrnosfsky, 2 fotos de Erich Hess, e uma foto dos fotógrafos Kurt Klagsbrunn, Bob Kleber, Reinghaus-Bavaria e de Bavária BJA.
    O texto sobre a história do Rio é em português.
    Vi na Estante Virtual, procurando por "Marcel Gautherot", o livro "Rio de Janeiro - 30 plates", que acho que é este de onde saiu a foto, por R$ 20,00 mais o frete. Se for mesmo está de graça para quem gosta de fotos do Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  12. HELIO, no Jornal do Brasil de 16/02/1923 há um anúncio com os seguintes dizeres: "CURSO JACOBINA - RUA GUANABARA n.75. Externato, Jardim de Infância, Curso Primário e Secundário. Prospectos na Livraria Leite Ribeiro. Parc Royal. Rua Guanabara 83 e Cosme Velho 228. Matrículas e outras informações no Cosme Velho 228 das 10 à 1 hora no Cosme Velho 228".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O anúncio se repete na edição de 21/02/1923.

      Excluir
    2. Muito grato, Luiz. Graças a sua informação, olhei com mais calma a tal placa defronte à casa, e distingui as palavras "MENORES" e "CRECHE". Parece também haver a palavra "EXTERNATO". Estou enviando a foto por email, para você.

      Excluir
  13. Este Dr.D tá querendo acabar comigo.

    ResponderExcluir
  14. É difícil encontrar alguma pergunta não respondida no Saudades do Rio. Acompanho o blog há anos e acho que talvez só uma ou duas fotografias não foram identificadas. Aqui se aprende todo dia.

    ResponderExcluir
  15. Peralta,o implicante19 de janeiro de 2017 12:47

    Voltei.Eu mesmo já falei hoje em aprendizado.Aqui só não aprendi porque Tia Nalu adora a estrela.E também o sapo!

    ResponderExcluir
  16. Boa tarde a todos.
    Apenas o que pude identificar dos veículos: Fusca branco e outro vermelho, Kombi, Rural Willis, e caminhão Dodge.
    A casa amarela na foto, hoje há do alargamento da Rua das Laranjeiras e ainda por cima o que sobrou de calçada é ocupada por um quiosque de flores e um sapateiro.
    Onde ficava o externato do colégio mencionado pelo Luiz, hoje é um condomínio que até 1 ano atrás morava o então "Desgovernador" do RJ Luiz Fernando Pezão.
    Existe ainda um casarão todo de cor creme, talvez de uns 3 ou 4 andares, muito antigo porém reformado, que ainda está de pé.
    Voltando da atenção para esse trecho da Rua das Laranjeiras, vê-se de que foi alargada da distância do casarão amarelo para a maternidade.

    ResponderExcluir
  17. Caramba o Joel lembrou´se da rua dos Coqueiros onde o Itapiru fazia a volta.Bem lembrado.

    ResponderExcluir
  18. Joel,sei que vc não é do IBGE mas é verdade que no Rio existem 560 favelas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Curioso, no IBGE a palavra "favela" é proibida. O nome correto é "aglomerado sub-normal". Assim como crime é "malfeito", caixa 2 é "recurso não contabilizado", surdo é "deficiente auditivo", etc.

      Excluir
  19. E eu que pensei de que hoje ninguém falaria nisso.
    Não provoca Curioso.

    ResponderExcluir
  20. A pergunta não foi feita a mim mas peço licença ao Joel para responder. As atuais estatísticas não estão atualizadas mas o número de favelas, aí incluídos os chamados "complexos", ultrapassa o número de mil. Quando se refere aos ditos "complexos", reunião de várias "comunidades", esse número cai para apenas vinte e seis. Isso sem contar as chamadas "favelas avulsas". Considero esses números questionáveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correção)...ultrapassaria...

      Excluir
  21. Helio, Faltou a "elevação transversal preventiva" que o nome correto dos Quebra-molas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou o popular "guarda deitado", Mauro.

      Excluir
  22. Ampliando as pesquisas sobre o Colégio Jacobina no "link" abaixo pode-se ler um interessante estudo sobre a história dos fundadores do Colégio, inicialmente localizado no "Flamengo". Coincide com a possibilidade de ter sido nesta casa mesmo citada pelo Helio: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe6/anais_vi_cbhe/conteudo/file/746.pdf

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vejam abaixo: começou na Almirante Tamandaré e, a seguir, mudou-se para a Guanabara.

      Excluir
  23. CONFIRMADO, Hélio: O colégio começou na Almirante Tamandaré mas depois, ampliado, foi para a Rua Guanabara: "Laura Jacobina Lacombe, por sua vez, assinalou em suas memórias que a
    expansão da instituição se deu a partir dos ideais ligados não somente à família, mas
    também à educação moderna, religião e disciplina e que devido a isso, ao passar dos
    anos, o colégio viu multiplicar o seu número de matrículas, tendo que aumentar o
    quadro de professores e ocupar espaços maiores. Assim, passou da casa de Isabel
    Jacobina Lacombe localizada à rua Almirante Tamandaré, onde esteve até 1912, para a
    rua Guanabara, onde o Curso se desenvolveu e fortaleceu seus ideais, gerando uma
    identidade muito própria. E foi justamente nesse período em que passou a receber o
    nome do pai de sua fundadora: Jacobina."
    Isto está escrito em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp074859.pdf

    ResponderExcluir
  24. Mais exemplos de PC language:
    Mulher feia não! É “cosmeticamente diferenciada”
    Baixinho não! É “verticalmente prejudicado”
    Careca não! É “capilarmente desvantajado”
    Velho não! É "cronologicamente abastado"
    Evanjégue não! É "aleijado mental"
    Há braços

    ResponderExcluir
  25. Acabou de cair um avião em Paraty. O nome do Teori Zavascki estava na lista de passageiros. Notícias sobre isso são aguardadas. Parece que dos 4 passageiros, três já têm morte confirmada.

    ResponderExcluir
  26. Queima de arquivo?
    Um sobrevivente.
    Como ainda não sabem se o Teori morreu? Já tem horas da queda e não conseguiram se comunicar com ele ou com assessores?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. O filho dele confirmou que ele estava no avião. Se já acharam 3 mortos e nenhum deles é o Teori, então o quarto passageiro é ele. E como estaria vivo, se o avião já caiu há muito tempo no mar?

      Debaixo desse angu deve ter caroço. Muito conveniente essa tragédia. Dizem os chineses que coincidências não existem.

      Excluir
  27. Urgente: Acidente aéreo na região de Parati, no Estado do Rio, vitima Ministro do Supremo, Teori Zavascki.

    ResponderExcluir
  28. Lulla lá em 2018 e em 2022. Não tem jeito. Vamos ver a repetição de tudo. Ainda bem que até lá já devo estar em companhia do vermelhinho chifrudo.

    ResponderExcluir
  29. Confirmada a morte do Teori. Quem sabe se o Toffoli herdará a Lava-Jato e a transformará em Suja-Tartaruga?

    ResponderExcluir
  30. Bem, como nunca fui um cara politicamente correto. Reproduzo o que corre a boca pequena. Membro do poder judiciário, quando quebra a regra de trabalhar nas férias, o diabo mata.

    ResponderExcluir
  31. "Avião não cai, é derrubado". Essa é uma frase comum entre os pilotos. O equipamento do recente sinistro era um Beechcraft King Air de última geração, equipado com equipamento digital e modernos recursos. Todavia, circunstâncias que serão apuradas poderão indicar que apesar da recomendação da utilização de dois tripulantes parece que havia apenas um piloto. As condições de fadiga do tripulante, somadas às condições climáticas do momento, e à precariedade do aeroporto local podem ter sido fatores decisivos para a tragédia. Mas esse episódio tem todos os componentes para prosperarem as teorias de conspiração.

    ResponderExcluir
  32. Também prosperam teorias e ilações de que as coisas vão chegar à um climax em que botas e cascos ferrados irão ressonar em palácios de Brasília. Não vai demorar muito...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso, meu prezado colega de comentários, recomendo que você e outros interessados comprem uma confortável cama e esperem deitados. http://amazonasatual.com.br/so-tresloucados-e-malucos-pedem-intervencao-militar-diz-general/

      Excluir
  33. Vejo todos os dias o programa de investigações de acidentes aéreos no Discovery. A maioria dos acidentes com aviões de pequeno porte é causada por tripulação sem o devido treinamento e negligência na manutenção.Muito mais seguro viajar em vôos comerciais, mas isso parece pouco para os nossos poderosos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Candeias, assim como você me interesso por aviação, seja civil ou militar. Muitos não sabem que nesse tipo de equipamento não há exigência de instalação da famosa "caixa preta", que na verdade é de cor laranja. Caso isso se confirme vai dificultar a investigação do sinistro. Pelo relato de uma testemunha que primeiro tentou socorrer as vítimas o espelho d'água estava tomado de combustível, provavelmente pela quebra dos tanques da asa. Portanto não houve pane seca. A precariedade da pista de Parati certamente contribuiu com o acidente. Outra testemunha disse que o avião teria arremetido na primeira tentativa de pouso e repetido o procedimento para novo pouso. Agora só resta esperar o resultado das investigações.

      Excluir
    2. Viajar de FAB é mais seguro.

      Excluir
  34. Horrível deve ter sido a angustiante sensação da mulher que sobreviveu à queda e ficou presa na cabine pedindo socorro. Segundo a testemunha, quando conseguiram abrir um buraco na fuselagem ela já havia morrido.

    ResponderExcluir
  35. Apareceu uma testemunha ocular, que se identificou como Lauro Keler, que estaria em um barco e teria visto o momento da queda da aeronave. Segundo a testemunha, que declarou se interessar por aviação, teria havido uma manobra arriscada do ploto na tentativa de retorno. O excesso de inclinação do avião teria provocado a perda de sustentação e o consequente choque da ponta da asa na água. Caso se confirme a veracidade desse depoimento qualquer outro motivo do desastre cai por terra. Ainda segundo essa testemunha o socorro dos barcos próximos foi imediato mas não o suficiente para acudir as vítimas.

    ResponderExcluir
  36. Boa noite a todos e parabéns ao aniversariante.

    Passei poucas vezes pelo local, sempre na direção Rio Comprido.

    Sobre o acidente aéreo, tinha outros do STF que podiam ter ido antes.

    ResponderExcluir
  37. Cheguei tarde, logo hoje, quando o foco era nas minhas vizinhanças. Mas agora o assunto é outro e, sinceramente, está muito difícil manter o bom humor. Mas vou tentar.
    Lembro bem do tempo da abertura desse túnel. Eu morava no alto da Pereira da Silva. Tocava uma sirene e lá vinha uma explosão. Quanto ao túnel, acho que tudo já foi dito, assim como o estrago feito na Pinheiro Machado.
    O Sacré-Cœur, além da influência francesa, era uma espécie de versão feminina do Santo Inácio, cuja congregação (do Sagrado Coração) era orientada por jesuítas.
    Peralta, o implicante, pegou pesado novamente. Vai ver estrelinhas ao meio-dia e engolir alguns sapos de sobremesa. Mas posso ensinar a cantar a Marseillaise. Ao final de cada estrofe, três cascudos.

    ResponderExcluir