Total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de abril de 2017

IGREJA N. S. DO CARMO DA LAPA


Nesta foto, da década de 1960, feita por Sascha Harnisch, vemos a Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Lapa.

No dia 24 de outubro de 1810, em procissão solene, foi trasladada a imagem de Nossa Senhora do Carmo para o novo templo carmelita. Segundo Augusto Maurício, em "Templos históricos do Rio de Janeiro": "Houve brilhante festa nessa ocasião. D. João, príncipe regente, e toda a corte compareceram à igreja para receber a Santa e assistir à sua entronização.
A imagem foi conduzida sob o pálio juntamente com o SS. Sacramento trazido pelas mãos do Bispo Diocesano, D. José Caetano da Silva Coutinho.
Após a cerimônia religiosa, queimaram-se fogos de artifício, ouviu-se música executada pela Banda Militar e, em seguida, foi oferecida uma lauta merenda aos soberanos e às pessoas que os acompanhavam. Todos comeram e beberam fartamente, e até, por descuido, é claro, um dos convidados reais levou consigo uma das facas do serviço de prata, cujo valor o Convento teve que pagar".
 
Os especialistas poderão identificar os automóveis, entre os quais vemos Anglia, DKW, Nash, Dodge, Aero Willys, Buick.
 
Como já contou por aqui o JBAN, os pais deles casaram-se nesta igreja. Seus avós moravam nas vizinhanças e eram fregueses da Padaria Monroe e da Mercearia do Elias.
 
Os padres carmelitas, desta igreja, administram a obra social São Martinho. Recebem doações do mundo todo e, dizem, alugam aos padres carmelitas as salas no prédio que é dos mesmos padres carmelitas. O edifício é aquele comprido em frente ao Passeio Público; todo dos padres carmelitas. Deu pra entender ? Os padres com o dinheiro da obra social (doação) alugam salas a eles mesmos, contou certa vez o saudoso AG.
 
Citando os antigos comentaristas do “Saudades do Rio”, vale reproduzir um comentário do inesquecível Professor Hermelindo Pintáfona:
 
“Lapidar Catedrádico Litorâneo, Eclesiástico Baluarte da Cultura Guanabarina, Guardião Incansável do Templo do Saber Cidadão, Onipresente, Onisciente e Onipotente Dr. D´,
Mais uma vez respeitosamente adentro ao sacro convívio virtual de seu afamado sítio internético, em busca da plenitude mental e espiritual que o acesso ao Saber e à Cultura do mais alto nível proporcionam a todos os seres viventes e inteligentes. Saúdo-o pelo seu denodo e destemor em exercer actividade de tal responsabilidade e importância para todos nós, habitantes desta Muy Heróica Urbe de Estácio e São Sebastião. As gerações que advirão após a nossa breve passagem por este mundo de Nosso Senhor, saberão reconhecer tão nobre causa e tão extenuante labor desprendido pelo ilustre e insigne luminar, e lhe cobrirão com as merecidas glórias !

A histórica estampa ora apresentada no écran eléctronico de meu maquinismo computacional, me é assaz cara, uma vez que neste belo Templo do Senhor foi realizado o batizado de meu criado e afilhado, o fiel Álvaro, que me guia em segurança por esta industriosa urbe e administra minhas humildes moradas Sebastiana e Serrana. Deixado à porta do Palácio Episcopal de São Joaquim por sua jovem e incógnita progenitora (dizem que era uma pobre freira do Convento de Santa Teresa caída em tentação), o inocente rejeitado foi recolhido pelo santo Cardeal Eugênio, que mo entregou para que o batizasse. Como recusaria tão nobre e pia missão, mormente sendo um pedido pessoal de meu dileto e episcopal amigo ? Os desígnios do Senhor são misteriosos e quis Ele que eu cuidasse daquela pequena alma sem alento nem teto. Cuidado por uma das criadas da Casa Pintáfona, que lhe serviu de ama de leite e mãe adotiva, foi mais tarde enviado para o Seminário São José, onde ficou em regime de internato até ter idade suficiente para auxiliar na lida da casa. Chegamos a pensar em fazê-lo padre, mas vimos que não daria para a coisa. Hoje vive como agregado em minha residência e considero-o como um filho.

Douto e experiente confrade, retorno aos meus inúmeros afazeres. A Ciência é amante caprichosa e não me deixa afastar-me dela por muito tempo. Dirijo-me agora à sala de refeições onde um pequeno lanche aguarda-me. Café das Terras altas da Mantiqueira, pão caseiro com um naco de queijo de Minas, seguido de umas mangas de nosso pomar. Apos um breve repouso retorno aos estudos e escritos. Antes de lançar-me ao catre, leio alguns capítulos dos Santos Evangelhos e entrego-me ao merecido descanso.

Despeço-me rodado, fervido e estacionado,
  Seu Criado,

Dr. Hermelindo Pintáfona”.
 
 


 

12 comentários:

  1. Relembrando o comentário do Gustavo Lemos sobre a questão de esta igreja ter apenas uma torre: "“As igrejas eram construídas com ofertas feitas pelos fiéis, devidamente lançadas no Livro de Tombo, que também registrava as doações de obras de arte e despesas de construção. Oferta não é dízimo, que é utilizado para pagamento das despesas normais, côngruas (salário dos religiosos) e obras sociais. Por sua arquitetura, podemos saber se a igreja foi projetada para uma ou duas torres. A igreja acima no seu projeto teria duas torres e se uma só foi construída é porque faltou dinheiro para construir a outra.
    A construção de uma igreja é aquilo que hoje se chama de "working in progress". Primeiro era construída a nave central, com o objetivo de atrair fiéis. Podemos ver pelos Livros de Tombo que de maneira geral as naves eram construídas com recursos dos irmãos leigos da Ordem e o restante com as ofertas dos fiéis e terças dos testamentos dos que faleciam. A construção levava décadas e até séculos para ser concluída. Havia muita concorrência entre os templos. A obra de um igreja podia ser interrompida em função da construção de outra em que parte dos fiéis aderiam. A fidelidade era com Deus e não com o templo e as pessoas testavam a eficiência de cada igreja e elegiam aquela que atendia às suas preces. É claro que estou a falar de forma genérica e nem tudo funcionava exatamente assim. Existiam os devotos que não trocavam de igreja. As paróquias eram construídas pela população e doadas para a diocese.”

    ResponderExcluir
  2. Bom dia. A foto é seguramente pós 1964.Os especialistas dirão o porque.

    ResponderExcluir
  3. Por partes.Primeiro este carrinho chamado Anglia,mais feio que desastre aéreo.Depois o texto do professor que é um grande espanto.Tem gente no blog que tenta chegar perto e deve morrer de inveja quando as palavras do mestre são aqui firmadas.Do balacobaco o "sitio internético"...E finalmente as explicações sobre a grana e os métodos aplicados para a construção de um templo.Muito bom e penso que pode ainda ser bem aplicado.Vou pensar no assunto e os fiéis mostram que são passíveis de recaídas quando trocam de templo.Uma grande verdade....

    ResponderExcluir
  4. Bons dias,
    Bons tempos os de 1949 até 1961 quando fiz parte da comunidade católica como aluna da Escola Santa Teresa, ao lado da Padaria Monroe e tinha o Frei Guido como confessor. Grandes educadores, freis e freiras católicos faziam do ensino o seu grande apostolado.
    Uma das coisas que aprendi foi o respeito ao pensamento livre desde que não exista afronta a Lei e ao próximo. Também aprendi que "uma discussão prolongada significa que ambas as partes estão erradas."
    Grande aula, inesquecível!

    ResponderExcluir
  5. Pagador de impostos28 de abril de 2017 10:36

    Meia dúzia de aproveitadores e espertalhões tentando parar o país com atos de vandalismo e ferindo o direito de ir e vir do cidadão que paga seus impostos.Todos ligados a centrais sindicais e que naturalmente sofrem de alergia ao trabalho.São ligados a alguns políticos que gostam e precisam desta situação para manutenção de seus status.O pais vivendo uma situação sem precedentes e estes parasitas dando a sua contribuição.No Santos Dumont o negócio chegou a complicar ainda mais.Só mandando a borracha nestes fariseus que vivem a sombra de quem acha que tem a força.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia a todos.

    Me reservo, por enquanto, a ficar observando os comentários. Dependendo do andamento posso mudar de ideia.

    ResponderExcluir
  7. A foto não é inédita mas é interessante e a data se situa entre 1962, devido ao modelo do Aero-Willys 2600 e 1965 pelo fato de não estarem presentes os de energia elétrica que alimentavam os bondes. A velha Lapa ainda se mantinha em sua forma original antes das demolições absurdas iniciadas por Chagas Freitas. Quanto a "outros assuntos", polêmicos ou não, vou me abster de comentar devido ao clima de animosidade e de ataques pessoais que tem sido constantes "neste sítio".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Sítio internético", segundo o criativo Prof. Pintáfona.

      Excluir
  8. O Aero-Willys é anterior ao modelo 1962, pois ainda tem o friso lateral alto, alinhado com o meio do farol. Pode ser 60, ou 61. Em 62, o friso desceria para abaixo do farol. Não vi Buick. O DKW é posterior a 61 e pode ser até 1964. Tem a lanterna traseira com um acabamento em alumínio, que não existia em 61. Mas não saberia precisar mais sem ver as rodas ou as portas.

    ResponderExcluir
  9. Observador de fofocas28 de abril de 2017 15:01

    O clima na cidade está mais calmo agora,mas pela manhã ficou tenso em vários pontos,com escaramuças na Rodoviária e no Aeroporto.Temer e sua quadrilha não vai conseguir aprovar as reformas.A cidade parecia o SDR ontem,onde "o pau cantou em casa de Noca".

    ResponderExcluir
  10. França,Espanha e Inglaterra entre outros países europeus fizeram durante os ultimo anos manifestações contra ações governamentais por mudanças nas leis trabalhistas e previdência,mas a coisa lá parece muito mais organizada e com menos influência politico partidária.Aqui,convenhamos,a coisa é meio direcionada e muito esculhambada.

    ResponderExcluir
  11. O carrão que abriu o bico seria o agora Bode Velho de um sumido comentarista?

    ResponderExcluir