Total de visualizações de página

quinta-feira, 6 de julho de 2017

MATERNIDADE LARANJEIRAS



 
A primeira foto (acervo do MIS) mostra onde funciona a Maternidade-Escola da UFRJ. O prédio abrigou uma maternidade, criada em 18 de janeiro de 1904 pelo Presidente Rodrigues Alves e instalada em um palacete da Rua das Laranjeiras nº  180. Criada como instituição filantrópica, foi incorporada à Faculdade de Medicina em 1918, que lá instalou a cátedra de Obstetrícia.
O “Correio da Manhã” de 18/10/1908 anunciava um evento para angariar fundos para a maternidade: “ o imponente festival da Maternidade de Laranjeiras. Entre os números do programma figuram a opera Philemon et Beaucis, cantada com raro brilhantismo, e um grande concerto de professores, regido pelo maestro Francisco Braga. O theatro do Parque Fluminense vae regorgitar. O espirito do nosso povo, amigo da caridade, não lhe deixará um único logar vazio.”
Vários médicos, no início do século passado, colocavam anúncio dos seus serviços destacando pertencerem ao quadro de médicos da Maternidade de Laranjeiras. Um destes anúncios, de 02/01/1920, dizia: “Dr. Raul Pacheco – Parteiro e Gynecologista Assistente da Maternidade de Laranjeiras. Partos sem dôr, molestias de senhoras, tumores do seio e ventre, hérnias, appendicites, operação cesariana. Trata pelo radium os fibromyomas uterinos e os tumores malignos do seio e útero. Consultorio: R. Ouvidor 173. Tel 1862. Residencia: Cattete 238, Teleph. 816 e 631. Beira Mar”.
Bons tempos em que os médicos davam o endereço residencial e o telefone de casa pelos jornais...
A segunda foto (acervo da UFRJ) é um pouco mais recente, mas não tenho a data exata.
A terceira foto, de Malta (acervo do MIS), mostra a Sala de Parturientes da Maternidade de Laranjeiras em 13 de maio de 1903 (colorização encomendada por Heliete Fonseca e realizada pelo Reinaldo Elias do “Colorizando o Passado”).
A maternidade continua lá, fica bem ao lado do viaduto que sai do Túnel Santa Barbara. Sofreu reformas, ficou mais comprida, e tinha, não sei se ainda tem, um bonito exemplar de pau-mulato ou pau-marfim, em frente. Ao lado da Maternidade Escola havia a embaixada do Japão, que foi abaixo para mais um espigão. Um pouco à direita, ficava a embaixada da Itália, cujo prédio foi também demolido, segundo contou a tia Nalu.

27 comentários:

  1. Tia Nalu tem telefone e endereços de varios médicos. Cubanos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho sim! Todos pediatras, para cuidar do Moleque Travesso, quando ficar dodói.

      Excluir
  2. Quando fiz a cadeira de Obstetrícia na faculdade o aspecto da enfermaria era parecido com o da foto colorida. Isto no início dos anos 70.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia. A segunda foto mostra o terreno o acesso ao túnel onde foi utilizada parte do terreno, como aparece na primeira foto. Mas chega a dar uma tristeza quando sabemos que esse tipo de atendimento ao público não seja mais realizado por razões que todos conhecem, admitem, mas nada fazem, preferindo ocupar seus pensamentos com objetivos mais "confortáveis". A saúde pública se tornou precária, quase inexistente, e seu uso se tornou moeda política, ao passo que aqueles que podem se vêem obrigados a contratar um plano de saúde. Os recursos destinados à saúde são generosos mas são desviados acintosamente por políticos. Percebe-se que os titulares da pasta da saúde nas três esferas de poder são invariavelmente políticos profissionais, assim como ocorre na área da educação. Assim "fica tudo em casa". Meu avô contava como o Dr. Júlio Cesário de Melo, senador da república, caminhava pelas ruas de Campo Grande e no caminho para a estação, onde tomava o trem para exercer o seu mandato de senador no Catete, atendia na rua à quem solicitava seus serviços médicos. De graça, sem seguranças, assessores, motoristas, auxílios, imunidades, etc. Até 1985 os planos de saúde eram quase desconhecidos pelo fato de o Estado cumprir seu papel. Hoje não o faz e todos sabem o porque. Como disse com propriedade Geraldo Vandré: "Quem sabe faz a hora, não espera acontecer"...

    ResponderExcluir
  4. Gostei dos tratamentos preconizados pelo Dr.Raul.Deveria ser um grande avanço para a época "tratar pelo radium".Desde que me entendo este "parto sem dor" é realce,mas hoje manda mesmo é a cesárea.Boa postagem e boas fotos.***FF: Aquele Urubu deve estar eufórico,mas eu continuo ressabiado.Verdade que foi outro time,mas a forma de jogo continua a não me agradar.Cruzamentos,cruzamentos e alternância de esquemas sem muita evolução.Sinceramente,se o Flamengo tem problemas no momento,me parecem táticos.

    ResponderExcluir
  5. Sequência interessante de uma história pouco conhecida, de um tempo que devia ser difícil convencer boa parte das mulheres a fazer exames ginecológicos e até parto com médicos.
    Quando criança via os adultos muito apreensivos quando recebiam a informação que alguma parente ou amiga da família teria que "sofrer" uma cesariana.
    Vivendo e aprendendo: "regurgitar" também significa "ficar lotado".

    ResponderExcluir
  6. Bom dia a todos.

    Para ver como são as coisas... Minha referência quanto ao local é de um caso de assassinato há alguns anos.

    Mas a colorização está sensacional.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia para todos. Hospital desse tamanho e com esses recursos não existe na região dos lagos. Em Bacaxá, Maricá, e Cabo Frio, qualquer caso mais grave era atendido em Niterói. Era comum os partos serem realizados em casa. Os farmacêuticos faziam papel de médico.

    ResponderExcluir
  8. O historiador Cau Barata descobriu que este prédio foi construído para substituir o que foi projetado originalmente para ser a maternidade, que transformou-se no Silogeu Brasileiro, no Passeio Público.

    ResponderExcluir
  9. Bom dia a todos. Belas fotografias de uma instituição que atende a população Carioca a mais de um século. Minha irmã nasceu nesta maternidade se não me engano. Falar da administração pública para a saúde da população é uma coisa que me deixa bastante revoltado, portanto vou abordar outro assunto. Uma coisa que me surpreende no Brasil, é que temos uma educação principalmente o ensino universitário que a cada ano piora, uma política de saúde pública deprimente, com falta de unidades hospitalares, ambulatoriais, e as que temos, suas instalações estão em estado lamentável de manutenção, com equipamentos, aparelhos e mesmo todo o mobiliário em petição de miséria. Mesmo assim temos excelentes médicos em todas as áreas da medicina, muitos sendo referências mundiais, não só atendendo em hospitais ou consultórios particulares, mas também na rede hospitalar pública. Embora eu seja um ferrenho defensor da iniciativa privada para o desenvolvimento de um País, sou defensor de que a saúde e a educação devem ser de responsabilidade do estado. E que a rede hospitalar e de ensino particulares estejam sobre supervisão direta do estado.

    ResponderExcluir
  10. Bom dia a todos.
    Luiz. Interessante postagem, porém, fiquei com uma dúvida no texto.
    Nele, no início, você diz de que "a maternidade foi criada em 18 de Janeiro de 1904 pelo Presidente Rodrigues Alves."
    Mais abaixo, você diz de que a terceira foto é de Malta e mostra da Sala de Parturientes da Maternidade de Laranjeiras em 13 de Maio de 1903.
    Afinal, de qual data realmente erguido o prédio e fundado a Maternidade?
    Hoje, as cores do prédio é todo rosa.
    Interessante ver o número de telefone do consultório e da residência do Dr. Raul Pacheco.
    Apenas 4 números no telefone do consultório e três números no de casa.
    Na semana passada mesmo eu dizia isso. Cada vez mais acrescenta-se números no telefone. Daqui a pouco ninguém decora mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, há uma discrepância. Não consegui informações confiáveis.

      Excluir
  11. Aqui Helio Ribeiro. Meu irmão e eu nascemos nessa maternidade.

    ResponderExcluir
  12. Neste prédio fiz meu exame oral da Cadeira de Obstetrícia com um renomado professor. Antes de iniciar o exame perguntou-me que especialidade pretendia seguir. Quando o informei ele comentou:"Você não deve se interessar pela Obstetrícia". Respondi diplomaticamente que não. Ele então me perguntou: "Quais são os andares do crânio?". Respondi pensando cá comigo: O que isto tem a ver com Obstetrícia? Então ele fez mais uma única pergunta, disse que me daria nota 8 e encerrou o exame. Para mim estava bom...

    ResponderExcluir
  13. Aliás, os exames orais na Faculdade Nacional de Medicina eram um espanto. Alguns casos já contei por aqui. Outro interessante foi na Cadeira de Psiquiatria. Tínhamos que entrevistar um interno do Pinel por 90 minutos e depois apresentar a prova ao professor. Acabei a minha e o fui à mesa do professor para o exame oral. Ele me perguntou: "Então, a que diagnóstico o senhor chegou?". Eu respondi: "Professor, para dizer a verdade, não cheguei a conclusão nenhuma". O professor me olhou, ficou em silêncio por algum tempo, depois me disse: "Esta é a beleza da Psiquiatria. Como exigir de um aluno que em 90 minutos chegue à conclusão sobre um paciente? Muito bem. Vou lhe fazer uma pergunta: o senhor sabe a diferença entre ilusão e alucinação?". Respondi corretamente e ele me perguntou: "Vou lhe dar um 8 ou um 9?". Respondi que ele podia escolher qualquer uma das duas notas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou responder:ilusão é quando vc vota do Presidente.Alucinação é quando ele começa a governar.

      Excluir
    2. Peralta,o implicante6 de julho de 2017 12:31

      Tia Nalu faz diagnostico perfeito de alucinose,examinando um sapo.

      Excluir
  14. O Brasil é campeão em muitas coisas, mas as principais são a hipocrisia e a desfaçatez. O comentário do Lino Coelho é pertinente. É inconcebível que em um cenário de "contenção de despesas" como foi alegado para o fechamento de emergências de hospitais federais neste país, se noticia que Michel Temer "agraciou" deputados com "emendas parlamentares" para que fossem usadas em "suas bases", como contrapartida para a aprovação de seus nefastos projetos no congresso nacional. Isso que está acontecendo é um genocídio a médio prazo sem que nada seja feito. Nem nos tempos do país colônia se observou tantos desvios de conduta e de recursos. Mas esse é o preço dessa "democracia"...

    ResponderExcluir
  15. Ilusão é Marisa Monte,Alucinação é Belchior.

    ResponderExcluir
  16. A conta é simples: com a reforma da previdência pretendem fazer com que o trabalhador demore mais para aposentar e com o corte de verbas na saúde e consequente redução dos atendimentos, a ideia é que ele não demore muito para morrer depois de aposentar.
    O efeito colateral pode ser o de morrer mais gente em idade produtiva do que a margem esperada, por falta de um eficiente atendimento na rede pública de saúde.
    Em tempo: se começar a diminuir muito o número de pobres vão buscar mão de obra na África, de novo, para os serviços pesados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas eu tenho muita fé de que forças adormecidas possam acordar e fazer com que este país retome o caminho da sensatez.

      Excluir
  17. Boa Noite! Nos anos 50,na Radio Nacional,por volta das 11 da manhã,tinha anuncio de um casal de Médicos que oferecia como novidade o parto sem dor.

    ResponderExcluir
  18. Copacabana completa 125 anos hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ouvi falar que nesse dia, em 1892, foi a inauguração do Túnel Velho, tornando o evento um "registro de nascimento" do bairro mais famoso do Rio.

      Excluir
  19. No "gancho" do registro do Wolfgang informo a quem por ventura tiver acesso a imagens deste bairro que procuro uma foto da praia de Copacabana do ano de 1957. Peço a gentileza de encaminhar a imagem para o email do Dr. Luiz, a quem desde já agradeço a gentileza da recepção. Obrigado.

    ResponderExcluir
  20. No Arquivo Nacional, na coleção do Correio da Manhã, deve haver muitas.
    A foto desejada é uma panorâmica ou algum tema em especial?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só agora vi o registro. Pode ser alguma foto que simplesmente registre o movimento de veículos e pessoas na orla. Se for das imediações do Hotel Copacabana Palace melhor. O importante é ser de 1957. Mais uma vez grato pela atenção.

      Excluir