Total de visualizações de página

domingo, 15 de outubro de 2017

CHUVA


 
Dia de chuva é sempre complicado no Rio.
 
Nas fotos, de 1967, vemos o sufoco dos motoristas na Rua Tonelero, em Copacabana.

18 comentários:

  1. Sempre o mesmo problema dizem alguns eterno.
    Vemos o Gordini parece o Teimoso sem friso no para brisas e atras
    um Karman que entrava um Bocado de água quando chovia e o DKW já afogado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mayc, o problema do Karman era que se os vidros ficassem totalmente fechados logo embaçavam pois esse carro não era equipado com um sistema de ventilação forçada e ainda não havia no país os futuros antiembaçantes. Isso obrigava o motorista a abrir um pouco as janelas. A inclinação do teto permitia a água da chuva entrar e isso originou a fama. Uma solução paliativa era a colocação de calhas que não eram muito estéticas. Outro problema eram as aberturas próximas ao capô para captar o ar que acumulavam água e com o tempo a caixa enferrujava, permitindo a água cair para dentro do carro.

      Excluir
  2. Os autos também não ajudavam.Qualquer poça um pouco maior era ameaça. Com o fusca nunca tive maiores problemas. ***O carro ali atrás da foto dois é um Karman Guia?

    ResponderExcluir
  3. Bom dia a todos. Ainda não chegou a época dos temporais na cidade, mas creio que caso vem a ocorrer em nada mudará a situação em relação aos anos anteriores. Como se comportarão os piscinões do antigo Prefeito, localizados nas Praças da Bandeira, Niteroi e Vanhargem.
    A chuva deste domingo foi providencial, sem policiamento na cidade, pelo menos não teremos arrastões nas praias da zona sul.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia a todos.

    No momento não vejo comentários anteriores. Os carros das fotos devem ser moleza para os especialistas.

    Na primeira foto, ao fundo, aparece a carroça de coleta de lixo usada pelos garis da companhia de limpeza (já era Comlurb?).

    Na segunda, uma lanterna e parte do para-choque do que parece um fusca.

    Quanto ao cenário, muita gente torce para as cenas se repitam durante os próximos anos...

    ResponderExcluir
  5. O DKW com esta porta que era uma festa para os voyeurs na época em que as mulheres quase só usavam saias tinha até um apelido que não lembro. A Tonelero ou Toneleros, nunca se sabe, sempre vira um rio quando chove.
    Alguém tem visto a limpeza dos bueiros como prevenção das chuvas de verão? Eu não. Vocês provavelmente também não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Plínio, o apelido era "deixavê". E esse tipo de porta também ficou conhecida em carros mais antigos como "porta suicida". Utilizando um propulsor de três cilindros, três platinados e três bobinas o DKW era um prato cheio para enguiçar em áreas alagadas, apesar de ter uma altura razoável para um automóvel da sua categoria. Contudo, em tempos mais recentes, o campeão em enguiços com qualquer poça foi o Fiat 147. O motivo é sua combinação fatal do motor transversal e seu distribuidor instalado em posição frontal, mas lateral ao motor, que era atingido pela água quando se caía em uma poça mais profunda ou se tentava enfrentar uma via alagada. O choque do carro com a água provocava uma onda que subia e caía exato em cima do distribuidor. Uma solução era usar uma luva impermeável e resistente ao calor, com as pontas cortadas por onde se introduzia os fios do distribuidor. Era mais um "gatilho" mas que costumava funcionar.

      Excluir
    2. Seria "Deixa vê"?

      A porta era chamada " suicida".

      Excluir
  6. Bom dia a todos.
    Isso sempre foi e é provável de que seja sempre assim.
    A mistura do descaso das autoridades e gestores da cidade somado a educação de pior espécie do nosso adorado povo selvagem, em nada irá melhorar nos próximos verões. Pelos menos chuto aí até daqui uns cem anos.
    Todos os bueiros que observo, geralmente suas galerias estão entupidas de lixo ou então de restos de galhos e folhas. Isso naqueles que ainda possuem do gradil e que não foram obviamente roubados ou danificados.
    Conforme citado em um dos comentários acima, eu faço parte da turma que não derramo lágrimas quando barracos são arrastados pela força da natureza ou outro tipo de coisa acontece como o que está acontecendo agora de frente para a orla.
    Bem feito sim para todos que agem de uma maneira irresponsável!
    Em relação a COMLURB, esta entrou em operação em 1975 no Governo de Marcos Tamoio. Antes, era a Sursan que mandava.

    ResponderExcluir
  7. Plinio,Dechavê era o apelido do carro.Vendo agora em outra tela,confirmo ser um Karman Guia,por sinal muito bonito.

    ResponderExcluir
  8. Como inúmeras vezes já falei aqui em relação a estas fubicas que aparecem nas fotos não vou me estender mas devo dizer que pelo menos algumas das viúvas de um certo tempo para cá estão enumerando os defeitos que existiam nestas carroças inúteis ao contrário de ficar relembrando o cheiro de oléo diesel misturado com naftalina.E parecem que estão se acostumando que as verdadeiras máquinas que estão disponíveis no mercado.De qualquer forma lembro que continuo sendo Do Contra.

    ResponderExcluir
  9. Obra embaixo da terra não aparece e não interessa aos políticos. Vamos ver se as obras da "Praça da Banheira" resistirão esse ano. As obras da Praia da Macumba no Recreio dos Bandeirantes mostraram a "competência" da equipe de Eduardo Paes. Até ontem estavam ruindo como se fossem de papel. Hoje é provável que não tenha mais calçadão...

    ResponderExcluir
  10. O Karman Guia foi produzido no Brasil entre os anos de 62 e 71 em seu modelo tradicional.O modelo TC durou um pouco mais e interessante que no modelo conversível foram produzidas pouco mais de 170 unidades.

    ResponderExcluir
  11. Existia nesta época um carro chamado Sinca Presidence?Era diferente do Sinca Tufão?Era também um Belo Antônio?

    ResponderExcluir
  12. mayc mandou bem: o táxi é um Teimoso. Podemos identificá-lo não só pela falta do friso no parabrisa, como ele disse, mas também pelo único limpador do lado do motorista, que ficava exatamente naquela posição. O Simca Presidence, citado pelo Curioso era a versão de luxo do Chambord e posteriormente do Tufão e EmiSul. Tinha melhor acabamento, bancos de couro e estepe atrás da mala. Era caro, vendeu pouco e não vejo um sobrevivente há muito tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outro acessório que chamava a atenção nesse modelo mais luxuoso do Simca eram as rodas raiadas, inclusive no estepe que ficava entre a mala e o parachoques traseiro. O pai de um colega de colégio tinha um desses, na pintura original negra que destacava os cromados, e quando o rapaz aparecia por lá dirigindo o carro fazia o maior sucesso com as meninas. O Simca tinha a fama de carro frágil, daí o apelido de "Belo Antônio", inspirado no filme homônimo estrelado por Marcelo Mastroianni. Entretanto, tive um parente que usou pelo menos três anos um Simca, na cidade e na estrada, e nunca se queixou.

      Excluir
  13. Peralta, o implicante15 de outubro de 2017 18:00

    Em dias de chuva Tia Nalu tem o kit salvamento:bóia,mascara,pé de pato e oração do PT,que reza dez por cento.

    ResponderExcluir
  14. Na foto grande, o DKW parece ser 62, sem o friso do capô e com roda antiga. Na foto do Teimoso, tem mais um DKW, na extrema esquerda, com o parachoque antigo, de 58 a 60. E o Karmann-Ghia, chova ou faça sol, é mesmo bonito.

    ResponderExcluir