Total de visualizações de página

domingo, 22 de abril de 2018

EXPO 1908




 
Com estas fotos terminamos a pequena série sobre a Expo de 1908 na Praia Vermelha. Mostram o que seria um domingo há 110 anos.
Era imperioso visitar toda a área compreendida entre o fim da Rua General Severiano e o antigo edifício da Escola Militar, passear entre o Hospício Nacional de Alienados e a Praia da Saudade, naquela região que se transformou, por encanto, numa cidade, verdadeira fantasia de mil e umas noites.
"Au grand complet", com seus melhores trajes, os cariocas dirigiram-se para a Avenida Pasteur, a fim de passar o dia na Expo. Visitaram o prédio da Escola Militar, desocupada desde a revolução de 1904, totalmente remodelada para servir de Palácio das Indústrias. Todos ficaram espantados com a quantidade de gente que as barcas da Cantareira, os bondes, carros e automóveis ali despejavam, de instante em instante. Os restaurantes, bares, diversões de toda ordem estavam repletos.
No momento das fotos ainda aguardavam que a iluminação fosse acesa. Os amigos que já tinham ido à Expo tinham ficado impressionados e contavam que havia mais luz e mais fulgor do que se fosse dia. Ansiavam também por chegar as 10 horas da noite, hora em que se iniciava a queima de fogos, por cerca de uma hora.
Tinham chegado pela Avenida dos Estados e já tinham passeado no trenzinho da Exposição.
Haviam assistido a uma peça no teatro sob a organização de Artur de Azevedo. E todos tinham se deslumbrado com o cinema do pioneiro Paschoal Segreto, que apresentou o primeiro documentário digno desse nome sobre o Rio, tirado do Pão de Açúcar, por Emílio Guimarães.
Um domingo inesquecível.

9 comentários:

  1. Será que, à exceção de "velhos malucos" como os comentaristas do SDR, a grande maioria do brasileiro tem noção de o quanto o Brasil e o Rio de Janeiro regrediram em todos os sentidos? Essa admirável "veia cultural e empreendedora" presente no passado pode parecer inacreditável para a choldra brasileira da hora, mas infelizmente faz parte do passado e é uma perda irreparável.

    ResponderExcluir
  2. Naturalmente tudo dentro da maior segurança e civilidade.Queima de fogos as 22 hs..De repente parece fantasia.

    ResponderExcluir
  3. A Civilização Europeia chegara ao Rio de Janeiro!
    Infelizmente o tempo passou.... e deu no que deu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Jaime, passou e o Brasil se ferrou. Não vou nem dizer o porque, já que todos aqui sabem e admitem mas poucos o fazem publicamente em nome do "politicamente correto". Mas convenhamos que um evento desse porte nos dias atuais teria que conter, funk, axé,sofrência, e "transformismo", tudo em nome da "nova ordem".

      Excluir
  4. A Tya aparece em uma das fotos.

    ResponderExcluir
  5. Peralta, o implicante22 de abril de 2018 11:30

    Tia Nalu definitivamente está em Curitiba.

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde.

    Texto excelente. Tia Nalu ficou triste ou contente com o jogo de ontem?

    FF: faleceu o ator e dublador Valdir Santanna, conhecido como o capanga / capataz do Sinhozinho Malta (Terêncio) da novela Roque Santeiro, mas que estourou mesmo como a voz de Homer Simpson no início do desenho, retornando mais tarde. É o segundo dublador brasileiro que morre, mas depois de ter deixado o personagem.

    ResponderExcluir
  7. Continuo zangado e vendo que o Flamengo vai continuar fazendo a torcida sofrer com o joguinho que está apresentando.Ganhou do América mas não convenceu ninguém e o Julio Cesar teve eu trabalhar em sua despedida quando deveria só olhar o jogo.Defesa confusa meio campo inoperante e ataque inexistente salvando o oportunismo do Dourado e plano tático nenhum para incomodar o adversário.Tá na cara que vai pagar mico durante vários jogos até mesmo porque não tem gana e não tem raça e vontade.Outra decepção este Cruzeiro eleito como favorito mas time que tem Mancuello e Sassá não pode ir longe.

    ResponderExcluir
  8. Boa Noite! Uma dessas máquinas dos trenzinhos está no Museu Ferroviário.

    ResponderExcluir