Total de visualizações de página

segunda-feira, 14 de maio de 2018

ANOS 70



A partir de hoje o "Saudades do Rio" volta à atividade, ainda em período de readaptação pós-férias.
 
Com duas fotos dos anos 70, remasterizadas pelo Nickolas, lembramos da Avenida Atlântica, em Copacabana, e da Avenida Vieira Souto, em Ipanema.
 
As orlas de Ipanema e Copacabana, ainda sem ciclovias, viviam os últimos tempos de um Rio mais acolhedor.
 
FF: duas semanas longe do Rio, em locais civilizados, escancaram a péssima qualidade de vida que hoje desfrutamos na outrora "cidade maravilhosa".
 

18 comentários:

  1. Tenho saudades dos anos 70 na zona sul do Rio. Quanto à péssima qualidade de vida atual no Rio realmente fica escancarada quando no exterior podemos caminhar sem preocupações a qualquer hora, ver respeitadas as leis, inclusive com as sensacionais faixas de pedestres sem sinais de trânsito onde as pessoas atravessam com os carros diminuindo a marcha. Definitivamente é outro mundo.

    ResponderExcluir
  2. E boas-vindas, Dr. D´.

    ResponderExcluir
  3. Anos 70 . ainda desfrutávamos da nossa cidade.
    De volta ao passado Dr. D

    ResponderExcluir
  4. Endosso o comentário do Plínio, bem como as boas vindas. E "meio fora de foco" eu registro a covarde tentativa da Globo para desqualificar o governo militar da década de 70, sugerindo que Geisel ordenou o assassinato de inúmeros oposicionistas. Além disso sugere a revisão da Lei da Anistia. Não é novidade que a grande maioria do brasileiro deseja uma intervenção militar no Brasil e uma consequente "limpeza" em todos os sentidos. Até mesmo "neste sítio" existem pessoas que comungam com esse pensamento. E sugerir a revisão a lei da anistia pode provocar consequências imprevisíveis e uma reação dura dos militares não deveria ser descartada. Essa tentativa da esquerda é desesperada e pode lhe ser fatal.

    ResponderExcluir
  5. Passei um mês no Sul, com rápida incursão rodoviária ao Uruguai e by Buquebus, à Argentina. Todo mundo reclamando da insegurança e eu, do calor. Carreguei camisas de flanela à toa. A sensação de segurança, mesmo no Brasil, é completamente diferente da que vivemos no Rio. Creio que estamos atravessando a era da insegurança pública, quem não tem traficante, tem terrorista. Certamente os índices por cem mil habitantes indicam onde é que é pior.
    A década de 70 trouxe para o Brasil uma série de inovações automobilísticas. Primeiro foram o Corcel, VW 4 portas, Galaxie e Opala, depois o Dodge Dart, o Passat, o Chevette, a Brasilia e o Dodge 1800. Nem tudo foi bom, ou adequado, mas saímos da fase Fusca, Aero-Willys e Dauphine, para automóveis muito melhores, se é que Brasília merece esse nome.

    ResponderExcluir
  6. Bom Dia ! Boas-Vindas. A foto 1 nos mostra dois ônibus com identidade visual. Coisa que foi extinta não só no Rio de Janeiro, mas em todas as cidades grandes e médias. Certa vez, em uma entrevista encerrei dizendo: - Do jeito que as coisas foram armadas logo-logo será como na Bíblia. Um só rebanho (empresa),para um só Pastor, (que todos sabem quem é). Na semana passada mais três empresas encerraram as suas atividades e três linhas foram suprimidas e mais duas encolhidas.

    ResponderExcluir
  7. As fotos mostram um tempo em que era prazeroso "flanar na zona sul" sem maiores preocupações. As vias eram adequadas ao fluxo de veículos de então e não havia o problema de moradores de rua, flanelinhas, camelôs, traficantes, etc, o que torna principalmente Copacabana um local incômodo. Não sei se é o momento para essa reflexão, mas não custa lembrar que em 1970 eram "90 milhões" de habitantes e em 2010 eram 206 milhões! A partir dos anos 70 as migrações internas e os "ventres vorazes" das favelas e dos rincões setentrionais, podem responder por esses números. Acrescente-se ainda a leniência, a corrupção política, a evicção do poder dos militares, e uma constituição criminosa elaborada por ex-terroristas para fazer o resto. Leis para viger na Escandinávia vigoram em um país habitado por "neanderthalensis". Não poderia ser de outra forma. Mas nem tudo está perdido, já que os recentes recados "ao pé do ouvido" fizeram os ministros do STF desistirem da ideia de libertar Lula. Isso mostra que as "forças do bem" estão à postos para evitar que o Brasil se torne um antro de Temers, Willys, Freixos, Maias, Aécios, Beneditas, Marielles, e muitos mais...

    ResponderExcluir
  8. Este era o RIO DE JANEIRO !!!!

    ResponderExcluir
  9. Ora,ora,estamos de volta e logo com duas boas fotos dos anos 70,onde querendo ou não,era bem mais tranquilo.O sentimento de perda existente em relação a outros países é evidente,pois aqui os muquiranas tomaram conta de tudo e associados a uma gangue de espertos fizeram a festa.Lamentável,pois destruíram o pais.O Brasil de hoje e especialmente o Rio sofrem pelas ações destes pilantras.Um grande espanto!!!

    ResponderExcluir
  10. Faltando pouco mais de um mes para a Copa da Russia a cidade do Rio parece estar alheia a competição em termos de decoração e a galera também não parece nada animada.Em São Paulo não é diferente a as vendas na 25 de Março continuam em baixa.Reflexo da crise,do cenário nacional ou a seleção com jogadores do exterior perdeu identidade?

    ResponderExcluir
  11. Reporter de Campo14 de maio de 2018 14:10

    Os tempos são outros também no futebol.A seleção se apresenta em Teresópolis onde fica mais ou menos 5 dias e depois se desloca para a Europa ficando na Inglaterra e indo depois para a Russia local da disputa.Hoje tudo é movido a $$$$$$$$$$

    ResponderExcluir
  12. Alberto Campos Reis14 de maio de 2018 14:56

    Passei hoje por acaso no Saudades do Rio, e a grata surpresa de estar de volta as atividades. O ano de 1970 e Copacabana são motivos marcantes para uma boa parte dos Cariocas que aqui já viviam neste ano. As fotos de Copacabana de 1970, que ainda hoje estão gravadas na minha memória são as fotos das comemorações da torcida brasileira após os jogos da Copa de 70. Com os carros enfeitados com as bandeiras dos clubes Cariocas e a bandeira brasileira, presas no capô, laterais e teto dos carros. A cidade ainda não havia se expandido para a zona oeste, tudo acontecia entre o Centro e a Zona Sul.

    ResponderExcluir
  13. Amigo do Joel Almeida14 de maio de 2018 15:03

    Não gasto meu dinheiro com imbecilidades como essas quinquilharias de souvenirs. Como bom brasileiro e patriota, torço pela derrota do Brasil na cós

    ResponderExcluir
  14. Realmente falar sobre futebol hoje em dia e nesse site é deprimente.

    ResponderExcluir
  15. Fotos coloridas perfeitas.
    A carroceria da Metropolitana era bem característica na época da foto. Do outro ônibus, amarelo e azul, eu não lembro, mas tem uma faixa abaixo do para brisa que faz lembrar a Ciferal.
    Todos os problemas do Brasil devem estar aumentando nos últimos 3 anos. Um que foi citado esses dias foi o de ambulantes/camelôs, com acréscimo de 13% na quantidade de "empreendedores" nesse tipo de comércio onde poucos são licenciados, o que aumenta também os índices de corrupção. Não sei dizer se temos índices só do Rio.
    Sobre seleção brasileira, atualmente não conheço uma parte dos convocados e acredito que muitos outros no Brasil também não. Porém é possível que daqui uns dias as redes de TV comecem a lavagem cerebral para o povo entrar no clima. Esse ano pode não dar certo.
    Sobre o Velho General, não ponho a mão no fogo, mas é estranho o relatório ser de agência americana, da época que o Governo Geisel preferiu a alemã Siemens para o fornecimento de tecnologia da Usina Nuclear Angra 2, deixando de fora a Westinghouse, multinacional dos EUA, fornecedora da Usina 1. É sabido que os americanos nunca se conformaram com isso.

    ResponderExcluir
  16. Concordo plenamente com o sr. Joel de Almeida, realmente os "recados" fizeram efeito. Enfiaram solenemente o rabinho entre as pernas.

    ResponderExcluir
  17. O trecho em Ipanema é entre a Vinicius e a Joana Angélica?
    Este estacionamento junto à praia deveria ter sido mantido na parte do Leme mesmo com a construção da ciclovia. É uma parte final da praia e não atrapalharia em nada.

    ResponderExcluir