Total de visualizações de página

sexta-feira, 18 de maio de 2018

AVIAÇÃO NAVAL





 

As fotos, enviadas pelo prezado Carlos P. L. Paiva, têm como tema a Aviação Naval Brasileira, que começou em 1916 com a criação da Escola de Aviação Naval (1. Curtiss, 2.Ilha das Cobras, 3. Ilha das Enxadas, 4. Galeão, 5. Galeão).

Os apreciadores do Rio antigo nos beneficiamos do excepcional trabalho do fotógrafo Jorge Kfuri (1893 – 1965), autor das primeiras fotografias aéreas do Rio de Janeiro, feitas a partir dos aviões da Aviação Naval.

O primeiro avião adquirido foi um Curtiss de 1916, usado pelo Ten. Kfuri. A ilha das Enxadas foi a primeira Base da Força Naval.

O Galeão passou, na década seguinte, a sediar a base da Aviação Naval. Uma das fotos mostra panorama da Ponta do Galeão, praticamente virgem de construções (nesta área foi construído o aeroporto).

Em frente ao píer, está a capela de Nossa Senhora dos Navegantes. A partir de 1924 a região ganharia hangares, campos de pouso e rampas para os hidroaviões, reunindo a infraestrutura necessária para a instalação do Centro de Aviação Naval e da Escola de Aviação Naval do Rio de Janeiro.

Em 1941 surgiria a Base Aérea do Galeão, usada a partir de 1946, também como aeroporto, recebendo voos nacionais e internacionais até 1977. Neste ano foi inaugurado o Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, hoje chamado Antonio Carlos Jobim.

O nome Galeão vem do século XVII, quando na ponta da ilha, num primitivo estaleiro, foi construído o enorme navio Padre Eterno, lançado ao mar no Natal de 1663. A ilha, que já fora do Gato e dos Sete Engenhos, se tornou do Governador em 1573, quando passou a ter como morador o governador Salvador Correia de Sá, dono do primeiro engenho de cana da região.

O Celsão complementa que, na quarta foto, “vemos uma parte da metade da Ilha do Governador que pertencia aos padres de São Bento (padres bentos?), os quais tinham um enorme engenho de cana logo à direita (fora da foto).

Observando no lado direito, de baixo para cima, as casas e árvores vão até um certo limite e depois é um areal semideserto, até o mar: este limite era um rio que descia do Morro de Tubiacanga e abasteceu índios, franceses e o próprio engenho durante séculos. Nunca soube o nome dele, embora conste em vários mapas antigos. Com a terraplanagem para a construção dos aeroportos, deixou de existir. A faixa de terra quase nua, do lado de lá do rio, pertencia à Fazenda de São Bento, sucessora do engenho.

O cais recebia embarcações regulares do Porto da Penha, do Cais dos Mineiros (atrás da Candelária), da Prainha (Praça Mauá), de São Cristóvão, de São Gonçalo e do Porto de Mauá. Ele ainda existe, reformado, ao lado do cartaz do Ilha Autocine, bem pertinho da Churrascaria Porcão, que estaria exatamente no canto inferior direito da foto.

A Ponta do Galeão e toda orla à direita foram expandidas em muitos quilômetros quadrados. O arquipélago à esquerda também sofreu grande aterramento, reunindo todas as ilhas em uma só, hoje denominada de Ilha do Fundão. Com a construção da Linha Vermelha, novo aterramento uniu outras ilhas à do Governador (por exemplo, na parte superior direita da foto, aquela faixa de água foi toda aterrada).

E assim, talvez se tenha perdido para sempre o inestimável tesouro que os antigos diziam estar enterrado numa daquelas três ilhotas, duas das quais ainda podem ser vistas trafegando pela via expressa em direção a Caxias.

Porém, de tudo o que foi dito e do muito mais que poderia dizer, nada supera um fato histórico que é o que torna essa foto de uma preciosidade ímpar: a imagem mostra exatamente o sítio onde se deu a grande batalha entre portugueses e franceses que consolidou a colonização lusitana no Brasil. Foi ali, na parte desabitada, que milhares morreram no combate que durou três dias e duas noites.

Os franceses, com ajuda dos índio tamoios, construíram um forte exatamente naquele areal semideserto na parte superior/direita da imagem acima (do lado "de cima" do rio), com paliçadas estendidas até a Ponta das Flecheiras, mas foram massacrados pelo ataque organizado por Mem de Sá. Antes da chegada dos franceses e tamoios, a Ilha do Governador era habitada pelos índios temiminós, que tiveram em Araribóia seu chefe mais famoso."

 

7 comentários:

  1. Material maravilhoso, assim como os comentários. Chamo atenção para a "ponte" que ligava a Ilha das Cobras ao continente, na foto 2. Ela tinha um vagão suspenso que se deslocava ao longo da estrutura e as pessoas e materiais cruzavam o canal dentro dele. No filme "Duas Garotas Românticas" de 1966 há uma ponte exatamente como esta.
    É um musical interessante e um trecho pode ser visto aqui, só que os caminhões ja haviam cruzado a ponte:
    https://www.youtube.com/watch?v=TwC5l35NLgs

    ResponderExcluir
  2. Achei a cena, é a da abertura, muito bem fotografada: https://www.youtube.com/watch?v=1hvjhyL04c4

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesta parte do filme os primeiros acordes lembram uma música brasileira de grande sucesso na mesma época:

      https://www.youtube.com/watch?v=WGlfkX3886Q

      Excluir
  3. Ótimas informações. Gostei do Padre Eterno...

    ResponderExcluir
  4. Bom dia.

    Foram editados nos últimos anos pelo menos três livros com parte do acervo da Aviação Naval. Parte do acervo também está na Brasiliana Fotográfica.

    ResponderExcluir
  5. A Igreja defronte a antiga ponte de atracação era a Capela de Nossa Senhora do Rosário e Pompeia, demolida por volta de 1950 para permitir a construção da pista de rolamento junto a praia.
    Já a ponte, que foi reformada, junto a Peixaria ( e do Siri do Galeão),chamada de Ministro Lira e Castro, era destinada ao escoamento de gado, que permaneciam no "Lazareto Veterinário" por um periodo de quarentena. A ponte de atracação das barcas de passageiros ficava defronte a Igreja de NS da Pompéia e seus ultimos vestígios foram soterrados pouco depois da construção do Viaduto do Aeroporto.

    ResponderExcluir
  6. A ponte de transbordo que aparece no filme indicado pelo Biscoito ainda está lá, em Rochefort, França. Pelas fotos atualmente deve ser só uma atração turística.

    ResponderExcluir