Total de visualizações de página

terça-feira, 28 de abril de 2020

TÚNEL NOVO 1

 
Todo o casario bem como esse trecho da Ladeira do Leme foram demolidos para a duplicação do Túnel Novo. em 1949. O bonde que aparece na foto é o da linha nº 5, Leme.
 
Mais tarde, a construção da Igreja de Santa Terezinha na entrada do túnel, em 1938, e depois, a construção da outra galeria do Túnel Novo, em 1949, alteraram significativamente a paisagem da região. Na década de 1980, ao lado da igreja construiu-se o shopping Rio-Sul.
 
Vemos a Av. Princesa Isabel e a primeira galeria do Túnel Novo.
 
Nesta foto do Acervo da Aviação Naval vemos um panorama de Copacabana e Botafogo na década de 1920. A primeira rua, à direita, é a Princesa Isabel, que leva ao Túnel Novo.
 
Faremos uma pequena série sobre o Túnel Novo, com contribuições de vários comentaristas, tanto em texto quanto em fotos. Em especial ao prezado Carlos P. L. de Paiva.
No final do Governo Pereira Passos, em 1906, foi inaugurada a primeira galeria (a que hoje liga Copacabana a Botafogo), a chamada Engenheiro Coelho Cintra. Por ela começaram a passar os bondes que seriam uma opção aos que passavam pelo Túnel Velho.
A outra galeria, que hoje liga Botafogo a Copacabana, a chamada Engenheiro Marques Porto, só seria aberta em 1949.
Ambas têm uma extensão de 250 metros, sob o Morro da Babilônia.
O acesso a Copacabana por bondes deu uma alavancada na ocupação do bairro. Na mesma época da inauguração da primeira galeria, a Coelho Cintra, iniciou-se a construção da Av. Atlântica, com apenas 6 metros de largura.
Pereira Passos, à época, cancelou o decreto de “liberdade de construção” existente que tinha tido o objetivo de estimular a ocupação do bairro. Foi revogado no intuito de evitar a construção de moradias precárias e cortiços.
Em 1908, outro decreto veio estimular a construção na orla marítima ,isentando de taxas todas as construções, embora estas tivessem que seguir as disposições estabelecidas na regulamentação para edificações.
 
 
 
 


11 comentários:

  1. A primeira vez que fui ao Rio,ainda garoto,fiquei maravilhado ao sair de Botafogo e pela Princesa Isabel chegar a Copacabana.Ainda hoje gosto muito daquele trecho e Copacabana sempre foi um marco das minhas estadias na cidade Maravilhosa.Infelizmente hoje perdeu muito das suas características,mas não deixo de visitar o bairro.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Dr. D'.

    Por algum tempo passei pelo túnel voltando para casa vindo de Botafogo no saudoso 2113, depois 332.

    ResponderExcluir
  3. Foi um verdadeiro "bota-abaixo", não só de prédios como de desmatamento. Sem essa duplicação Copacabana seria apenas um "balneário afastado". Quantos imóveis teriam sido demolidos? Pouco tempo depois a abertura do Túnel do Pasmado foi o "coup de grace" na tranquilidade do bairro. O interessante é que foram obras de vulto bem planejadas e bem executadas que "não desabaram" nem tiveram um custo capaz "falir a Prefeitura do D.Federal. FF: Enquanto a midia insistir em tratar moradores de favelas como contribuintes" o Rio de Janeiro será sempre uma cloaca no seu amplo sentido. É inadmissível que essas construções irregulares que em nada contribuem com o eráro público continuem a abrigar criminosos de toda espécie, traficantes, e viciados. ## Essa pandemia faz com que as calçadas de bairros das zonas norte e sul se tornem "hotéis de moradores de rua, que as ocupam sem a menor cerimônia e delas façam seus locais de lazer, inclusive pedindo dinheiro, dormindo, fazendo sexo, etc. Em Copacabana e Tijuca a situação é deprimente. Mas isso proporciona "palco", votos, e verbas para serem desviadas por políticos.

    ResponderExcluir
  4. Para o suburbano, acabar de atravessar o túnel e chegar em Copacabana era como desembarcar de uma nave espacial em um outro planeta...

    ResponderExcluir
  5. Bom Dia! Durante anos passei pelo menos 6 vezes ao dia por este túnel.

    ResponderExcluir
  6. Se o túnel velho é considerado o início do fim de um paraíso, o novo ajudou a acelerar o processo.
    Tinha um revendedor Chevrolet na Princesa Isabel de antigamente.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia a todos. Esta série será bastante interessante, fotos interessantes e principalmente textos e comentários com detalhes de uma época que o Rio começava a se expandir para a zona sul. Sempre me pergunto, por que os Cariocas não são bairristas, fico imaginando se aqui habitasse os Paulistas, como seria o Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  8. 474 mortos nas últimas 24 horas.
    A gripezinha não parece gripezinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece que agora a trajetória exponencial da curva toma velocidade, de acordo com as previsões de final de abril e início de maio.

      Excluir
    2. Essa "gripezinha" não se tornaria "tão letal" se a população em geral tivesse atendimento básico frequente, saneamento básico, nutrição, e morasse ao menos "modestamente" e não em favelas e crackolândias como a maioria. As filas do "auxílio emergencial" na porta das agencias da CEF fazem corar o mais empedernido corrupto, mostrando o grau de miséria da população. Outras doenças por si só matam muito mais do que o Covid 19. "Balas perdidas", homicídios, e tráfico de drogas também matam muito. Mas você sabe bem disso, não é mesmo? Por que ao invés de ironizar comentários alheios não publica um construtivo? Será que "nessa magnificência" não brota um lampejo de uma mente progressiva?

      Excluir
  9. Chamar a Covid-19 de "gripezinha" é ignorância de corar até a mais descarada cara-de-pau. Que as condições precárias de saneamento de grande parte da população brasileira são um fator de agravamento, não há dúvida. Mas se essa fosse uma doença que só se disseminasse violentamente entre os pobres não estaríamos testemunhando um milhão de casos no país mais rico do mundo, com quase 60 mil mortes, ou 161 mil no Reino Unido e 130 mil na França com com mais de 20 mil mortos em cada.

    Mas "e daí", né?

    Tempos difíceis.

    ResponderExcluir