Total de visualizações de página

quarta-feira, 24 de maio de 2017

LAPA


Mais um fotograma capturado pelo Raul F. de Souza: a fascinante paisagem urbana da velha Lapa, no filme L'Homme de Rio, produção francesa de 1964.
 
Vemos a perspectiva dos Arcos a partir do início da Rua dos Arcos, quase em frente à fachada da Fundição Progresso. Todos estes sobrados foram postos abaixo para dar lugar à grande e desértica praça dos nossos dias.
 
Uma curiosidade: a foto publicada em http://saudadesdoriodoluizd.blogspot.com.br/2017/05/padarias-de-botafogo.html e que deixou dúvidas como sendo em Botafogo, na verdade era na Lapa e aparece bem em frente ao arco maior: esquina de Evaristo da Veiga com Visconde de Maranguape.

17 comentários:

  1. Bom dia. A foto é do primeiro semestre de 64. A conformação atual dos Arcos ocorreu após a desativação dos bondes na região, ocorrida no primeiro semestre. Outro detalhe importante: Em primeiro de Janeiro de 64 foi criada a C.T.C, e a partir daí os bondes começaram a ser pintados de azul, inclusive os de Santa Teresa. O bonde que aparece na foto ainda é verde. Eu fico pensando se realmente foi necessário o arrasamento da velha Lapa ou se os tais projetos viários eram apenas uma pantomima, já que a maioria deles não foi executado ou o foi pela metade. Se tais projetos existiram apenas para beneficiar empreiteiras nunca vamos saber, mas o fato é que o local atual não tem qualquer sentido.

    ResponderExcluir
  2. A transposição desses fotogramas ficou muito boa, nítida. O adjetivo desértica foi muito bem empregado. Aquilo lá ficou com aspecto de inacabado. Aí perto foi inaugurado um dos nebulosos empreendimentos do Recarey, o Asa Branca, se não me engano de nome. Durante certo tempo foi pintado um belo painel numa empena cega mas acho que se deteriorou por falta de manutenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Moreira da Silva24 de maio de 2017 09:36

      O Asa Branca ficava do outro lado, junto à sala Cecília Meirelles

      Excluir
  3. Na direita da foto, ao lado do hotel, é o nº 13 da rua Riachuelo onde era a oficina mecânica do Augusto, antigo lanterneiro (funileiro em Sampa) da oficina que atendia à Bolsa de Automóveis. Quando esta oficina fechou para dar lugar às Termas Aeroporto parte da equipe se transferiu para o local da foto. No sobrado até uns 10 anos atrás eram as instalações de um estofador. Não passo por aí desde 2009.

    ResponderExcluir
  4. Moreira da Silva24 de maio de 2017 10:16

    Acho que o amigo Docastelo está enganado.A rua em frente é a dos Arcos e sendo assim a esquina em primeiro plano não pode ser a rua do Riachuelo.

    ResponderExcluir
  5. Ora,ora,ora!Por mais desértica que seja a região nos dias de hoje,não dá para comparar com o que se vê na foto.Um amontoado de casarões caindo aos pedaços e sem nenhuma conservação num ambiente perfeito para proliferação de ratos e baratas.Tudo insalubre e colocando em risco quem desfruta da área.Será que o douto provedor do blog como facultativo da área de ortopedia confiaria num Rx saído daquela baiúca?E as nobres comentaristas do espaço teriam coragem de passar uma noite naquele hotel?Tirando a beleza dos arcos,o resto pode ir para o lixo.A mudaça,com todos os problemas foi para melhor.E depois ainda reclamam porque sou Do Contra.

    ResponderExcluir
  6. O Moreira tem razão. Deveria ter olhado com mais atenção tomando como referência a mão de direção. Vez por outra isso acontece. De todo o modo fica o registro sobre a oficina. Valeu, Morengueira da Silveira!

    ResponderExcluir
  7. Na época do meu pai muitos rapazes humildes, mas com profissão, que chegavam do interior, primeiro se hospedavam nesses hotéis até que achasse uma pensão familiar ou alugasse um quarto e sala após os primeiros vencimentos, podendo casar ou não. Tinham os que desistiam e voltavam para casa ou só vinham para se divertir ou só resolver problemas na então Capital Federal.

    ResponderExcluir
  8. Peralta,o implicante24 de maio de 2017 11:31

    Jurava que a Tia Nalu era Metodista ou Adventista.Ela é Batista!!!

    ResponderExcluir
  9. Taí, hoje eu vou concorda com o "Do Contra"...

    Dos carros só reconheci o caminhão Chevrolet.

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde a todos.

    Passava na época que ia na feira do Lavradio e o ônibus deixava literalmente no vão dos Arcos. A obra de restauração da configuração original dos arcos foi feita em 1965 e foi bem documentada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o colega se equivocou com a data. Em Julho de 1964 o Cel. Américo Fontenelle promoveu una grande transformação no trânsito da Guanabara, e nessa data foram extintas as linhas de bonde que circulavam na região da Lapa. No mês seguinte foram iniciadas as obras de restauração do aqueduto. Se existe uma placa comemorativa, ela pode ser posterior à realização da obra, pois não? E nesse caso "eu sei onde fica", conheço bem o lugar, e andei muito no 33 Lapa-Praça da Bandeira e no 60 Muda-Marquês de Abrantes.

      Excluir
    2. O acervo do AGCRJ mostra fotos de 1965 com a obra de restauração da forma original dos arcos. Fotos que foram postadas nos falecidos fotologs.

      Excluir
  11. Na ultima ida ao Rio passei pelo local e como era dia de semana havia movimento na região e mesmo na Praça.O problema maior para variar é a sensação de insegurança.O station wagon bicolor é parente do bode velho?***FF:Hoje tem Copa do Brasil e não será surpresa qualquer resultado.Vamos ver....

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde a todos. Foto já mostrada no antigo SDR, o trecho antes dos Arcos mostra a rua dos Arcos, ao fundo vemos a rua Barão de Maranguape, fora da foto no trecho da rua dos Arcos está o prédio da Fundição Progresso. O que foi abaixo não tinha nada de bom, aliás, o pouco que tinha, as firmas de demolição venderam para serem usados em construções que utilizam materiais de demolição, como portas, janelas, tábuas de assoalho, etc. O problema da área atual se deve a dois fatores, um é o estado que não mantém as obras que realiza (jardins, calçadas, mobiliário, etc), do outro a população que é porca, mal educada, recalcada, espírito de porco, que destrói os logradouros públicos da cidade onde mora.

    ResponderExcluir
  13. Fui ver este filme chamado L'Homme de Rio na época e achei uma grande porcaria.O do James Bond cujo ator faleceu ontem é bem melhor ou pelo menos já se sabe como vai rolar.

    ResponderExcluir
  14. Aliás,tentaram fazer uma sátira a filmes do próprio Bond e até mesmo chegar a linha do Hitchcock mas passaram muito longe.Muito fraco e restaram as imagens da nossa cidade.

    ResponderExcluir