Total de visualizações de página

terça-feira, 3 de outubro de 2017

PÃO DE AÇÚCAR




 
Hoje temos fotos de um dos mais famosos pontos turísticos do Rio, o Pão de Açúcar. Foto 1 (1963), foto 2 (1959), foto 3 (1957), foto 4 (1951) – nesta vemos um dos raros episódios de problemas, com um cabo arrebentado, consertado pelo mecânico Augusto Gonçalves.
É curioso notar que é grande o número de cariocas que nunca o visitou ou que o fez uma única vez. Possivelmente há turistas estrangeiros ou nacionais que tenham ido mais vezes ao local do que os próprios cariocas.
O Pão de Açúcar, com 395 metros de altitude, foi assim denominado pela semelhança do seu formato cônico com as fôrmas onde se despejava o açúcar pastoso, na Ilha da Madeira, posteriormente distribuído para consumo em unidades chamadas "pão de açúcar".
A concessão para construir e explorar o caminho aéreo entre a Praia Vermelha e o alto do Morro da Urca, com ramais para o pico do Pão de Açúcar e a chapada do Morro da Babilônia, foi outorgada em 1909. Em 1912 foi inaugurado o primeiro trecho do projeto e em 1913 o trecho final até ao pico do Pão de Açúcar, num percurso de 800 metros. As cabines do primeiro teleférico, chamadas de “camarote carril”, eram de madeira e comportavam 15 pessoas. A viagem levava, no total, nove minutos. Em 1972, após 60 anos, estas cabines foram substituídas por um modelo transparente, com capacidade para 75 passageiros.
Vieira Fazenda, em suas "Antiqualhas", descreve a viagem feita em 14/07/1913: "Nunca mais se me apagará da memória tal data, uma das mais felizes da minha não curta existência. Entrei tranquilo no bondinho. Não me benzi. A pequeno sinal começaram a funcionar as máquinas. Em menos de quatro minutos estávamos no cimo da Urca, a 224 metros de altitude. Passamos para outro bonde e eis-nos, enfim, no término da viagem. Se do Corcovado a vista abrange maior horizonte, o Pão de Açúcar leva-lhe vantagem. Sem binóculo a gente localiza os pontos que deseja ver: sinuosidade das praias, direção das ruas e avenidas, estabelecimentos públicos, tudo, enfim, com prazer e entusiasmo. Fica-se mudo e quedo diante de tanta magnitude. Cronista das coisas cariocas, com o píncaro do Pão de Açúcar, tive a satisfação de ver corroboradas as minhas opiniões sobre a fundação da cidade do Rio de Janeiro. Hoje não é lícito falar de Praia Vermelha. Foi na planície, tendo por padrão o Pão de Açúcar e por atalaia o morro hoje de São João, que Estácio de Sá lançou os alicerces da cidade. Quem dúvidas possa ter que suba ao Pão de Açúcar".

22 comentários:

  1. Na foto da Churrascaria Monte Castelo, Um Fiat 1100, com seu estepe à mostra, um Cadillac 1948, acho que conversível e um Fusca encoberto, na extrema esquerda. A moça em primeiro plano faria sucesso em qualquer época. Já o chorão, lembra o Candeias...

    ResponderExcluir
  2. As moças da primeira foto devem ter subido a encosta escalando para não pagar a passagem do bondinho. As roupas das pessoas são típicas da década de 50 quando todos se vestiam mais conservadoramente. A manha do menino é ignorada pelo pai que puxa o braço sem dó. Não consigo ver o cabo partido na última foto.

    ResponderExcluir
  3. Como bom carioca da gema só fui ao Pão de Açúcar uma única vez com minha mulher para comemorar o meu aniversário (16 de dezembro)e nunca mais voltei,isso já nos novos bondinhos.
    Sem dúvida inesquecível.
    Na 3º foto Pepino de Capri e suas fãs chegando ao local.

    ResponderExcluir
  4. E o carro mais a direita,não seria um furgão Chevrolet?Aqui na tela da minha igreja tá mais escuro que boca de noite.Boas fotos e hoje este pai seria enquadrado pelo politicamente correto.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O furgão é Chevrolet 3100, de 1948 a 1951. A seu lado, um caminhão de serviço da Light, provavelmente um caminhão médio, Chevrolet 3700 ou Ford F-350 americano.

      Excluir
  5. Bom dia.
    O cabo caiu, deve ter cerca de 15 anos, sorte que não atingiu ninguém.

    Poderia haver uma estação no Leme.

    ResponderExcluir
  6. E o Flamengo já voltou à rotina.O Zé Ricardo não pode ser responsabilizado.Será que é o Rueda?Claro que não.Por que será? Está na cara mas depois eu repondo.

    ResponderExcluir
  7. No antigo fotolog comentei que ainda bem menino (4 ou 5 anos) fui ao Pão de Açúcar com parentes que moravam fora do Rio. Tudo registrado em filmagem por meu tio com uma 16mmm. Segundo ele dei muito trabalho pois corria pela borda da cerca, apavorando quem via. O filme, que jamais assisti, deve ter virado pó mas ainda guardo uma foto como lembrança desse passeio. Depois, como simples visitante ou na curta carreira de guia turístico, perdi a conta de quantas vezes voltei nesse internacional ponto turístico.

    E não faltaram "causos" nesses passeios. Em um deles tomei as dores de um grupo de turistas que foram ofendidos por um cidadão que era responsável pelo aluguel de uns carrinhos elétrico que existiram em certa época, atração sem o menor sentido naquele pequeno espaço do morro da Urca. O sujeito, inconformado com a negativa dos turistas, começou a ofender o grupo em voz alta dizendo palavrões. Os "gringos" nada entendiam mas os nacionais ficaram perplexos com aquela atitude. Quando chamei a atenção do pilantra ele tentou me agredir e se deu mal. Depois da normal intervenção da turma do "deixa disso" o mais gaiato foi o cara dizendo que ia me esperar "lá embaixo". Imaginei que seria na estação do bondinho mas quando desci com o meu grupo ele havia desaparecido. No saguão fui abordado por um funcionário que me informou que o sujeito havia sido advertido e ameaçado de demissão pois não seria a primeira vez que esse tipo de fato teria ocorrido. Voltei outras vezes mas nunca mais o vi. Tempos depois os tais carrinhos saíram de circulação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (correção)...carrinhos elétricos...

      Excluir
  8. A churrascaria Monte Castelo tinha uma grande pista de dança. Abs depois funcionou neste trecho a Roda Viva também com pista de dança.

    ResponderExcluir
  9. Tirando as alpinistas, nenhuma mulher de calça.

    Na minha memória só comecei a ver restaurante do tipo "Churrascaria" a partir dos anos 70. Neste ano de 1957 as churrascarias já serviam como hoje em dia, em sistema de rodízio? Com a grande variedade de hoje, como picanha, costela, coração, etc?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sistema de rodízio é mais recente. A Carreta, a Gaúcha, a Majórica, a Jardim (na República do Peru), a Camponesa, entre outras serviam rodízio apenas de maminha. Os espetos mistos tinha carne de galinha, porco, linguiça, filé. Hoje em dia as churrascarias servem de tudo e para quem não quer se empanturrar cobram preços abusivos.

      Excluir
  10. Bom dia a todos.

    Sou daqueles que nunca subiram no morro da Urca ou no Pão de Açúcar. O mais perto que cheguei foi no IME.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vá, Augusto. É um programaço. Ver o sol se por de lá é espetacular. Ou bem cedo, pela manhã, quando o ar está bem limpo. Não sei se ainda vigora a "carioquinha", desconto para os moradores do Rio. Fui lá há 2 anos com amigos estrangeiros e tudo estava muito bem cuidado.

      Excluir
    2. "É longe...".

      São vários fatores que atrapalham. O principal está aí em cima. Outros fatores são o preço proibitivo na maior parte do ano e (culpa minha) um pouco de preguiça...

      Excluir
  11. Obiscoitomolhado deixou prá mim o DeSoto 1953 na extrema direita. Tenho um filme de 1932 feito pelo meu avô com diversas imagens do Pão de Açúcar. Só não divulguei ainda porque não sei fazer cortes e editar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem acertado o DeSoto. Edição de filme não é difícil, mas precisa de ter uma maquininha na medida do teu material para ir passando lentamente, cortar e colar. Ou mandar passar logo para DVD o todo e editar no computador. Aí é 100 vezes mais fácil. Principalmente se for maquimaníaco.

      Excluir
  12. Bom dia a todos.
    Realmente a visão que se tem lá de cima é de tirar o fôlego, inclusive na subida.
    Para quem gosta de alturas, é um prato cheio.
    Vendo dessas fotos lembrei-me de um dos filmes do 007 já com o Roger Moore em que fora rodado aí.
    Segundo o comentário do Luiz parece ser um espanto o fato do carioca em sua maioria desconhecer dos pontos turísticos de sua cidade.
    Isso não é difícil de explicar.
    A questão chama-se cultura.
    E isso, não se iludam, não é algo exclusivo do cidadão do RJ. É algo que afeta a todos os brasileiros.
    Com um nível educacional terrível e com uma cultura lastimável, além, é claro, do Poder Público não fazer a sua parte direito como divulgação apropriada, incentivo, dentre outras coisas, a maioria do povão não visita esses lugares, até porque, geralmente a cobrança é algo fora dos padrões de quem ganha salário mínimo.
    Só para citar um exemplo, ontem assistia a um programa na TV em que um músico irá fazer um show beneficente para salvar o Liceu Português, pois este já está na iminência de fechar e, pelo que parece, há um teatro em seu interior lindíssimo.
    Muitos não sabem disso.
    Daí, quando eu digo de que carioca gosta mesmo é de corrupção, favela, laje de barraco, praia, pagode, bandidos, camelôs, botequins, e para os mais extremistas, igreja evangélica, há pessoas que ainda dizem de que estou errado.
    O próprio comentário e espanto do Luiz corrobora com o que já digo há bastante tempo.

    ResponderExcluir
  13. Essa churrascaria mais tarde se chamou "Roda Viva" e promovia bailes de dança de salão com a orquestra tabajara da Severino Araújo. Quanto ao Pão de Açúcar, fui algumas vezes. Ao morro da Urca eu perdi a conta, já que era "habituée" da discoteca Dancin Days e mais tarde Noites Cariocas...

    ResponderExcluir
  14.    Só irei no morro pela 1ª vez quando tiver coragem e fôlego de fazer a trilha. Acho o preço cobrado abusivo. Só ia no Corcovado quando era totalmente de graça, agora cobram até de quem vai a pé e olha que é uma área pública e ainda pedem dinheiro para reformar a estátua. Absurdo!

    ResponderExcluir
  15. Estive no Roda Viva pelo menos duas vezes.Este lugar é um dos mais bonitos do mundo.Vale muito a visita e sempre procurei ir numa sexta feira sem tumultos.Ja estive pelo menos umas cinco vezes e não canso.

    ResponderExcluir
  16. Não sei o que o anônimo lá das 9.00 hs tem a dizer mas como Corneteiro Velho imagino que está sobrando dinheiro no Flamengo e alguém está aproveitando.O investimento no futebol nos últimos meses foi de lascar e retorno nenhum e isso leva a acreditar que muita coisa foi feita no interesses de alguns.Contratações como as de Geuvânio,Romulo,Conca,Vaz e até mesmo Berrio são muito questionáveis e o plantel está inchado e começam a surgir as insatisfações ate porque ninguém foi dispensado.O Zé Ricardo não tinha peito para administrar e não se sabe se ele abençoou todas as contratações e por isso foi para o vinagre.O gringo vai ter que se impor pois o time milionário não está jogando nada.Firula daqui e dali e bola mesmo nada.Time sem raça e sem objetivo e parece muito conformado com tudo.Tenho que cornetar com mais frequência.

    ResponderExcluir