Total de visualizações de página

domingo, 29 de outubro de 2017

PRAIA DE IPANEMA





Neste domingo vemos fotos da Praia de Ipanema nos anos 50.
 
Tempos da missa na igreja de N. S. da Paz, do frei Leovigildo Ballestieri, de comprar doce na Casa Oliveira, de brincar na praça General Osório (ainda sem a feira hippie), buscar  o almoço na Veronese.
 
Um pulo no Jardim de Alá para andar nos cavalos de aluguel ainda de manhã e, à tarde, um sorvete no Morais após o lanche n Bob´s.
 
De noite assistir o Rin-Tin-Tin, esperar pelos filmes (não havia vídeo-tape) dos gols da rodada no Canal 6 e depois colocar no Canal 13, TV Rio, para assistir o TV Rio Ring e a Resenha Facit.

11 comentários:

  1. Foi fundo nesse domingo. Realmente bons tempos , o que surpreende é o pouco tempo que a cidade deteriorou-se tão rápido. Impressionante.

    ResponderExcluir
  2. Joel (L'Osservatore).29 de outubro de 2017 08:53

    Nos anos 50 Ipanema e Leblon eram uma espécie de "fim de linha". O tropicalismo, os túneis, e "garota de Ipanema" mudaram a região. Pude verificar a velocidade dessa mudança entre o final dos anos 60 e meados dos anos 80, épocas em que eu frequentei diariamente a região. Com um comércio "de bairro", sem ser ponto final ou de passagem muitas linhas de ônibus, o lugar era quase paradisíaco. Com as favelas da região controladas e ainda "domesticadas", a violência era nenhuma.## Quando se vive em um país como o nosso onde a violência é parte do cotidiano, tenho por hábito fazer comparações com o passado, hábito que não seria adquirido se morássemos na Noruega ou Dinamarca. Em um blog como esse encontramos pessoas de diferentes pensamentos, orientações políticas e temperamentos diferentes, deste perfis dominadores, perfis conciliadores, perfis dúbios, e até perfis do tipo "faça tudo que o mestre mandar", do tipo "água de salsicha". Mas o principal é que sejam respeitadas as opiniões alheias, ainda que sejam contrárias. Afinal não é essa a essência dos "regimes democráticos"?

    ResponderExcluir
  3. Bom dia a todos.

    Área fora da minha jurisdição. Ficarei acompanhando os comentários.

    FF: Desta vez é oficial. O técnico do Santos foi demitido ontem, sem desmentido posterior.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia a todos. Hoje olhando o céu vejo que poderemos ter notícias nas rádios e televisões sobre o dia nesta praia.
    Numa cidade sem governos, abandonada pelos órgãos públicos, com falta de policiamento, só Deus pode nos proteger. Respondendo ao mayc, a cidade se deteriorou com os pós ciclos de desenvolvimento do País, no milagre econômico da década de 70 e 80, com os imigrantes nordestinos que após o término das obras faraônicas ficaram desempregados e aqui se instalaram, criando favelas em antigos galpões dormitórios e formando favelas próximas aos locais onde trabalhavam, aconteceu isso no caju, após a ponte niteroi e a queda da construção naval, na grajaú jacarépagua, após a sua duplicação, assim como nas vias vermelhas e amarelas, na barra com a construção civil. A falta de uma política habitacional popular, sem demagogia levou o RJ e SP a este caos. Tudo isso acompanhado pela complacência da sociedade, ONG's e políticos salafrários. E Ipanema e sua praia linda e glamurosa, só nos resta a lembrança das belas músicas do Vina e Jobim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joel (L'Osservatore)29 de outubro de 2017 11:01

      Lino Coelho, na "beira" da pista da Grajaú-Jacarepaguá já existe um mini Shopping e a quantidade de carros de "moradores" estacionados é impressionante. Me lembra uma fala de "Tião Medonho" já conhecida por quase todos "neste sítio". Mas voltando à Ipanema, a Veronese continua a produzir melhor lasanha que eu conheço. Não conheci esse frei Leovigildo mas tive um atrito com um certo Frei Luiz por ocasião dos "proclamas" do meu casamento, já que minha noiva morava na Barão da Torre. Ele me "expulsou" aos gritos da igreja quando eu disse ser espirita. Teve a resposta adequada...O interceptor oceânico deu origem à construção do pier, que tornou a região situada ente Farme de Amoedo e Montenegro um antro de maconheiros e mulheres moralmente depravadas. Ainda bem que eram "tempos difíceis" e a polícia volta e meia agia com rigor. É bom esclarecer que até 1976 o usuário de drogas tinha um tratamento mais rígido. Com a Lei 6368/76, o "usuário" passou a ser enquadrado no Artigo 16 daquela Lei, diferente do traficante, enquadrado no Artigo 12. Mas era comum antigamente que os policiais fizessem o usuário engolir o cigarro de maconha. Nunca freqüentei aquele ponto e ficava no máximo em frente à Joaquim Nabuco.

      Excluir
  5. O tempo aqui em Vix parecido com os da foto:nublado.Fora da jurisdição o domingo consistia numa pelada em paralelepípedos pela manhã e ida ao estádio a tarde.A noite um canal apenas de TV geralmente com seriados...

    ResponderExcluir
  6. Um horror o jogo de ontem entre Flamengo e Vasco e o torcedor não é otário e daí pouco mais de vinte mil no estádio. Dois times acomodados e achando que está tudo bem o que até pode valer para o Vasco com um time mediano e barato ao contrário do Flamengo com time caro e sem bola.Futebol de baixa qualidade e chegamos a conclusão que vale a grana que envolve os clubes.Futebol que é bom nao conta na cartilha deste pessoal e cada vez o nível cai ainda mais.
    E o Santos mandou embora o seu técnico após o jogo de ontem confirmando os rumores do.inicio da semana.

    ResponderExcluir
  7. Linda a Ipanema dos anos 50.
    Quais seriam os trechos? Acho que a primeira e a segunda foto são entre Farme de Amoedo e Teixeira de Melo, já a terceira ou é a esquina de Teixeira de Melo ou da Maria Quitéria.

    ResponderExcluir
  8. Na foto 1, indo para o Arpoador, um Peugeot 203 pré-53.

    ResponderExcluir
  9. Bom domingo a todos.
    Belletti, aqui também nublado e o mormaço dá a sensação de sauna.
    Acho que tudo, ou quase tudo, já foi dito. A vida era bem mais simples. O sorvete no Morais era o programa esperado ansiosamente.

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde! Esta deve ter sido a época de ouro de Ipanema e Leblon. Acho que a foto deve ser do início dos anos 50, porque quando freqüentei o Arpoador, em fins daquela década, já se viam muitos edifícios de 4 andares, característicos de então.

    ResponderExcluir