Total de visualizações de página

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

HOTEL ALLEN / HOTEL HUMAYTÁ

O “post” de hoje é colaboração do nosso prezado GMA. As fotos são da revista FON-FON.

O Hotel Allen´s ficava na Rua Humaitá nº 8, quase em frente à garagem de bondes, onde hoje funciona a Cobal Botafogo.

O anúncio enfatizava a boa localização, com transporte farto e banhos com água de nascente. O curioso é ser em inglês, talvez visando os estrangeiros que visitavam o Rio.

Anos depois, no mesmo local, funcionou o Hotel Humaytá, no mesmo endereço, porém com a numeração alterada para nº 30, telefone SUL 258, de propriedade de Malvina Chambau.  

Em outro anúncio dizia: “Situado no Largo dos Leões em chácara muito espaçosa, com abundante água de mina, tem cômodos confortáveis para famílias e cavalheiros”.



Este anúncio, ainda com a numeração de nº 8, afirmava: "Alugão-se aposentos com ou sem mobilia nesta aprazível residencia que acaba de ser completamente reformada e estando debaixo da immediata direcção da nova proprietaria, offerece excellente tratamento, bons banhos, optima cozinha e vinhos de primeira qualidade.
 

34 comentários:

  1. Consultando o Google Street View no intuito de ver o que seria hoje no número 30, constatei que este número não mais existe. Acompanhando a mão da Rua Humaitá, do número 18 passa para o número 34, tendo a Rua David Campista no meio. Será que à época a David Campista ainda não tinha sido aberta? o número 8 também não consta mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa pesquisa Mauro. a dona do hotel tem seu nome publicado de várias formas. Ora Malvina Chambau, ora Malvina Chambon, ora Marie Malvina Chanbon.

      Excluir
    2. Gustavão, me adiciona no watsApp 97030-1184. Abs.

      Excluir
  2. Olá, Dr. D'.

    Dia de acompanhar os comentários e aprender.

    ResponderExcluir
  3. Encontrei esse hotel por acaso . Acho que ainda encontraremos muitas histórias sobre ele . No início do Largo dos Leões havia uma fábrica com terreno profundo, que tangenciava um cul de sac da Rua Mario Pederneiras. Hoje lá muitos prédios. Talvez tenha sido esse o terreno.

    ResponderExcluir
  4. Essa área da cidade sempre foi de gente rica.Parece que tomar banho era um luxo e era opcional.Isso procede?

    ResponderExcluir
  5. Conforme o texto,quase em frente à garagem de bondes, onde hoje é a cobal de Botafogo...vamos ao Google ver o que se acha em.frente...com certeza o terreno foi todo fatiado...

    ResponderExcluir
  6. Bom dia a todos. O que será que aconteceu com este Hotel? Virou um edifício?

    ResponderExcluir
  7. Boa postagem. Havia vários hoteis na cidade, com nomes estrangeiros. Se bobear, dá para fazer uma série de postagens só com eles. Sugestão.

    ResponderExcluir
  8. Seria interessante se as fotos de hoje fossem datadas, para termos ideia da cronologia. Se eu tiver tempo, vou tentar localizar esses anúncios ainda hoje até o meio da tarde e recuperar as datas. Mas não prometo.

    ResponderExcluir
  9. Pergunta que não quer calar: E a fonte de água, salvou-se ou virou esgoto?

    ResponderExcluir
  10. Chácara posteriormente loteada, com certeza.
    A horta da propriedade sofreria com a concorrência da Cobal.
    Bem à direita da foto onde tem um veteraníssimo automóvel saindo da garagem podemos ver que é uma esquina.
    Eu arrisco dizer que é o trecho entre a Davi Campista e Cezário Alvim.

    ResponderExcluir
  11. Eram hotéis de classe média?Será que esses também tinha banhos quentes?

    ResponderExcluir
  12. HELIO, a revista Fon-Fon é de 1912.
    O último anúncio é do Jornal do Commercio de 23/09/1898
    O penúltimo anúncio é do Almanak Laemmert de 1913.
    Informações do GMA.

    ResponderExcluir
  13. O hotel Allen foi de 1895 a 1900 e foi sucedido pelo Humaitá . Muita gente morava lá .

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde a todos. Acompanho o blog desde novembro do ano passado, mas não deixo comentários dado o abismo de conhecimento em relação aos demais membros. Como estudante, entretanto, aprecio demais o que tenho visto e aprendido aqui. Pode-se dizer que estou apaixonado por um Rio de Janeiro completamente diferente do que conheci.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, então bota seu nome. Aqui não tem pesquisador do Serasa, não...rsrs

      Excluir
    2. Unknown, não se avexe. Pode deixar seu nome. Quanto ao Rio antigo, sem dúvida era bem diferente e melhor do que o atual. Quem lhe diz isso sou eu, com 74 anos de idade. Pode crer no que digo. Aproveite bastante este blog e pode navegar para trás no tempo, nas opções que estão disponíveis no menu. Você terá muito a aprender e a se espantar.

      Em nome de todos nós que já somos cascudos neste blog, seja bem-vindo ao clã.

      Excluir
    3. Respondi com a conta de e-mail (tanto que aparece o nome em tom alaranjado) achando que seria o suficiente... Essa conta do blogspot é bastante antiga, mas pelo visto exigem algum tipo de recadastramento. Checarei.

      Excluir
  15. Levantar informações do passado sempre nos reserva surpresas. Vejam só:

    1) INAUGURAÇÃO
    A referência mais antiga está no Jornal do Commercio, edição 00291, datado de 19/10/1885, página 6, com endereço de Rua Humaytá, número 6. A primeira referência a telefone consta do mesmo jornal, edição 00032, datado de 01/02/1886, página 3, e o telefone citado é 1531.

    2) ENDEREÇO
    O endereço do Hotel Allen's consta como Rua Humaytá, 6 em várias publicações durante alguns anos. A primeira referência a ser no número 8 da rua apareceu no Jornal do Commercio, edição de 20/09/1890 Portanto, aparentemente o número 6 vigorou entre 1885 e 1890.

    3) UTILIZAÇÃO
    Na publicação The Rio News, datada de 28/04/1890, e em várias outras edições subsequentes, consta que no hotel funcionava uma legação dos EUA, sendo James Fenner Lee o charge d'affaires. A última referência a essa legação foi em 21/07/1890.

    4) ANÚNCIO
    O anúncio mostrado na primeira foto da postagem de hoje do SDR consta pela primeira vez na publicação The Rio News datada de 27/08/1895.

    5) MUDANÇA PARA VILLA HUMAYTÁ
    The Rio News, edição de 23/08/1898, anuncia que em breve será inaugurada a Villa Humaytá, no local onde funcionava o Allen's Hotel.
    A mesma publicação, no dia 06/09/1898, anuncia que no dia primeiro do mesmo mês foi aberta a Villa Humaytá.

    The Rio News, na edição de 27/09/1898, cita a Villa Humaytá como sendo o antigo Allen's Hotel e convida os leitores a visitar o local, que segundo a publicação está situado nos subúrbios.

    6) HOTEL HUMAYTÁ
    A primeira referência a esse hotel, com endereço Rua Humaytá, 30 no Indicador Geral do Rio de Janeiro, edição de 1912, página 484.
    No mesmo ano, jornal A Imprensa, edição de 16/02/1912, também é citado o hotel e respectivo endereço.

    RESUMO (a julgar pelas datas dos periódicos)

    O Allen's Hotel foi fundado em 1885, na Rua Humaytá número 6, tendo esse número mudado para 8 em 1890.
    Em 01/09/1898 o hotel, após reforma, mudou de nome para Villa Humaytá.
    Em 1912 o nome mudou para Hotel Humaytá e o número passou a ser 30.

    Para minha grande tristeza, não consegui localizar as fotos mostradas. Se o GMA souber a edição da Fon-Fon onde elas apareceram, ficarei muito grato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hélio, parabéns pela excelente e trabalhosa pesquisa!

      Excluir
    2. De acordo, Mauro. Na pressa de mandar a edição esqueci de agradecer ao Helio.

      Excluir
    3. Portanto hotel fundado ainda no Império !

      Excluir
  16. Passei o dia inteiro submerso em trabalho, dei uma espiada, mas agora vejo debate rico e agradável. Quando puxei o fio mandei para o Luiz dizendo que tinha fisgado um peixe. Ele, com seu fato fino , botou na grelha e deu esse pitéu. Ainda tem mais um pouco nesse cardume.Bom proveito !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, hoje rendeu. Você pescou um marlim enorme. E nós nos entretivemos devorando-o. rsrsrs

      Excluir
  17. Hélio parabéns pelo trabalho investigativo. Existe informação posterior?sua decadência e depois demolição??Eu era muito intrigado onde tinha sido filmado toda nudez será castigada.Apos muita pesquisa descobri que tinha sido no castelinho do convocado,no Humaitá, que já tinha sido locação de um programa da Regina Casé nos anos 90,e hj é um hotel de alto luxo..bem descaracterizado..Inclusive sugiro um post sobre ele...abracos Erick

    ResponderExcluir
  18. O FIM DO HOTEL HUMAYTÁ
    O Almanak Laemmert, edição de 1930, dá como endereço do hotel a rua Voluntários da Pátria 403 e 405 e como proprietária Lydia Barcellar.

    O Jornal do Commercio, edição 00054, de 05/03/1932, página 13, anuncia para o dia 08 seguinte um grande leilão de tudo o que existia no hotel: móveis, cortinas, talheres, roupas de cama e mesa, etc.

    O Jornal do Commercio, edição 00196, de 21/05/1935, tem anúncio de uma moradora no referido hotel, procurando casa para alugar.

    A última referência ao hotel é do ano de 1935, tanto a acima citada quanto no Almanak Laemmert.

    Entre o leilão de 1932 e o ano de 1935 não sei o que ocorreu.

    ResponderExcluir
  19. O jornal A Noite, de 21/01/1936, e o Jornal do Commercio, de 12/01/1936, anunciam para o dia 22 grande leilão de móveis, porcelanas, cristais, etc, no endereço da rua Voluntários da Pátria 403. No Jornal do Commercio cita que se trata de família que vai se mudar do Rio de Janeiro.

    A partir dessa data, ao que parece virou casa de cômodos, porque há muitos anúncios citando o endereço e com nomes de pessoas diferentes. Houve casos de falecimento e até mesmo de suicídio no dito local.

    ResponderExcluir
  20. O que me intriga é essa curva na rua Humaytá, mostrada nas fotos. Ela não existe na altura do atual número 30. Só existe uma curva assim na altura do prédio onde há um ponto de ônibus, colado ao de número 234.

    ResponderExcluir