Total de visualizações de página

terça-feira, 12 de setembro de 2017

URCA


 
Hoje temos duas fotos do simpático bairro da Urca/Praia Vermelha, ambas do acervo do Correio da Manhã.
A primeira mostra o trajeto do bonde 4 – Praia Vermelha pela Avenida Pasteur., vindo da Praia Vermelha em direção ao Centro. Não me recordava que o trilho ficava assim bem junto da calçada. Vendo a foto preciso da ajuda dos conhecedores da região para informar se era um trilho único, com o bonde indo e vindo pelo mesmo trilho. Ou, talvez, o Helio Ribeiro possa esclarecer.
A segunda foto mostra uma desobediência à placa de trânsito na ponte da Avenida Portugal na Urca, em 1957. A placa inferior indica “tráfego proibido obras”. Curiosa também é a placa do automóvel: DF 64-71. Quando as placas passaram a ter seis algarismos? E que automóvel era este?

22 comentários:

  1. Minha lembrança é de que o bonde trafegava pelo canteiro central embora pela foto o bonde pareça bem junto da calçada.

    ResponderExcluir
  2. Essa linha de bondes foi a primeira a ser erradicada em 3 de Setembro de 1962 para que fosse implantada a linha de ônibus elétrico na região. Não se trata de linha singela e é uma "ilusão ótica" o trilho junto à calçada do canteiro central. Pela mesma razão e na mesma época, foram desativadas as linhas de bonde que circulavam no Túnel novo, sendo os trajetos alterados para que a partir da praia de Botafogo, tomassem a Rua da Passagem e daí General Polidoro, Túnel Velho, e Siqueira Campos.

    ResponderExcluir
  3. O bonde Praia Vermelha após passar pela esquina da Rua da Passagem junto ao Mourisco, virava à esquerda, passava sobre o túnel do Pasmado, tomava a Avenida Pasteur, e fazia o "rodo" na Praia Vermelha e retornava pela pista de descida da Avenida Pasteur, cujas pistas eram divididas por uma minúscula calçada. A extinção prematura de algumas linhas antes das demais se deveram a fatores diversos como a inauguração dos "Trolley-Bus" na zona sul, bem como o da extinção das linhas de Bonde "Coqueiros" e "Itapiru-Barcas" em 1963 em razão das obras de abertura do túnel Santa Bárbara, apesar de o restante das linhas na região ter sido extinto apenas em 1964.

    ResponderExcluir
  4. Como o motorista está fazendo uma asneira,vale arriscar na placa,um porco bem situado.Um DD com Leão em 64 pode salvar o investimento.Seriam as fotos de uma mesma época?
    Deveria ser um bairro absolutamente tranquilo.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia a todos.

    Vemos que a bandalha é institucionalizada no Rio desde sempre...


    Acho (não sou especialista) que o carro só tem quatro dígitos na placa por ser antigo. Pelo Dieckmann, na época da foto, com mais de quinze anos... Chuto que as placas passaram a seis dígitos na época do JK.

    ResponderExcluir
  6. Para quem quiser saber a história das placas automotivas no Brasil: https://www.flatout.com.br/a-historia-e-a-evolucao-das-placas-de-carro-do-brasil/

    A primeira foto me traz gratas recordações do tempo em que minha saudosa mãe era a enfermeira-chefe do IBC.

    Consta que o chamado "Quadrado da Urca", que aparece na segunda foto, era uma piscina de competições. Está correto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, já fiz um post sobre isto. Ali foi disputado um Sul-Americano de natação. Depois procuro o link

      Excluir
  7. Belas lembranças,lembro-me dos bondes indo e vindo pela mesmo canteiro,mas faz muito tempo,depois só fui a Urca nos trolleys ou de carro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você deve lembrar bastante dos bondes ali da sua área, Tijuca, Grajaú, e Vila Isabel. Zona Sul já era mais complicado...

      Excluir
  8. Bom dia a todos. Hoje se a tia Milu aparecer pode responder as duvidas do texto. Se hoje a URCA ainda é o bairro de melhor qualidade de segurança do Rio de Janeiro, imagina na época destas fotos. Sou um admirador deste bairro, nos finais de semana costumo caminhar pelo bairro. Embora hoje já se veja muita desordem no bairro, principalmente com a invasão dos flanelinhas, uma mulambada que fica bebendo cerveja nas muretas, visto que agora além do bar Urca, também os frequentadores do Belmonte aderiram a moda, tomam conta da calçada, que se danem os transeuntes e os moradores com o barulho feito pelas turmas que se espalham nas calçadas até altas horas. Essa moda de turmas bebendo cerveja e fazendo churrasco pela rua, deveria ser proibida pela prefeitura.

    ResponderExcluir
  9. Essa ponte era chamada de Ponte Barriguda pela garotada da Urca, no começo dos anos 50. Meu tio, quando nos levava para os Festivais Tom e Jerry do Metro Passeio, passava por aí com seu Hillman de pé embaixo para delírio da garotada a bordo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tente ficar parado "de bobeira" na ponte ou no quadrado da Urca e veja o que acontece. Bandos de pivetes em "trajes de banho" costumam assaltar à qualquer hora. Por ser um local de fácil acesso, a fuga é certa. Daí a preferência.

      Excluir
    2. Moro na Urca há dez anos e desconheço esse tipo ocorrência (bandos de pivetes assaltando). Em 2015 dois assaltantes invadiram uma casa na Ramon Franco e no ano passado o IED foi assaltado. Apesar de tudo ainda é um bairro seguro se comparado com o resto da cidade.

      Excluir
    3. Fique então ali durante o dia e observe.

      Excluir
  10. Bom Dia ! Sou de opinião que nada de ônibus. No quadrado deveria ter uma cancela ou coisa parecida,e dali para dentro só carros de moradores poderiam passar.O mesmo poderia ser feito na Praia Vermelha.

    ResponderExcluir
  11. Peralta, o implicante12 de setembro de 2017 11:45

    Não sei se Tia Nalu gosta da Praia Vermelha,mas a bandeira ela adora!

    ResponderExcluir
  12. ESCLARECIMENTOS: Segundo o Gustavo Lemos, o carro é um Buick 1941. A adoção de seis números surgiu naturalmente quando foram esgotadas as combinações das duas dezenas. Em alguns estados os quatro números permaneceram até a adoção das placas alfanuméricas em 1969.
    Segundo a Milu, nossa embaixadora plenipotenciária da Urca e adjacências, havia 2 pares de trilhos junto à calçada do Instituto Benjamin Constant. Além disso havia outras duas pistas, mais largas, na Avenida Pasteur, para automóveis e ônibus. Ou seja: na primeira foto há uma ilusão de ótica.
    Em 1999 houve nivelamento da ponte que, para tristeza do Rouen, “não nos proporciona mais aqueles pulinhos com o carro passando em velocidade, como pedíamos ao nosso pai fazer.”
    Nosso prezado Rafito, o Rafael Netto, observa que as obras em 1957 acabaram com a decoração dos pilares.
    Boa notícia: os antigos comentaristas do “Saudades do Rio” continuam em forma, embora longe daqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Segundo o Gustavo, quando os trilhos foram colocados só tinha uma pista. Quando a outra foi aberta não foram remanejados. O mesmo problema do Túnel Novo quando abriram a segunda galeria. Briga da Light com a prefeitura que não autorizava o aumento de tarifa dos bondes.

      Excluir
  13. Boa tarde a todos.
    A Urca é um bairro encantador.
    Falar da Urca é se lembrar da TV TUPI.
    Infelizmente essa nova "onda" em que a indústria de bebidas fatura horrores tem sido um verdadeiro inferno para os moradores de todos os bairros, ao lado das igrejas evangélicas, bailes de favelas, e da violência em si.
    Cada vez mais os brasileiros, em especial os cariocas, estão bebendo mais e isso, será um caminho sem volta e nefasto que irá se somar aos infindáveis problemas que a sociedade já possui.
    Quem viver verá!

    ResponderExcluir
  14. Poxa seu Wolfgang logo o senhor que eu achei que fosse nosso protetor.Juro que quando vou na mureta da Urca só tomo umazinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Observador de sumidos12 de setembro de 2017 19:15

      Será que a Dra.Evelyn não está em um barzinho desses e trocou a cafeteria e o docinho caramelado pelo capilé e pelo "rabo de galo"?

      Excluir