Total de visualizações de página

segunda-feira, 17 de julho de 2017

ESTÁDIO DE SÃO JANUÁRIO




 
As fotos de hoje mostram o Estádio de São Januário: a construção do parque aquático, a tribuna social e a arquibancada (onde ficavam as cabines de rádio) em 1957, além de  uma corrida no entorno do estádio em data incerta.
Este estádio, construído em menos de 11 meses (a pedra fundamental foi lançada em 6 de junho de 1926), foi inaugurado em 21 de abril de 1927 com o jogo Vasco 3 x 5 Santos e era o maior do Rio de Janeiro até a construção do Maracanã.
São Januário foi fundado graças a um fantástico esforço dos próprios vascaínos, que fizeram uma campanha para arrecadar dinheiro para a compra de um bom terreno em São Cristóvão. A etapa seguinte foi arrecadar uma quantia que fosse suficiente para a construção do estádio. Em apenas 11 meses o Estádio Vasco da Gama ficava pronto.

O estádio é a principal sede do Vasco. Construída numa área de 56 mil metros quadrados e situada à Rua General Almério de Moura, 131, no atual bairro Vasco da Gama, o complexo conta com estádio, ginásio, parque aquático e setor administrativo. A fachada é tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Os refletores do estádio foram inaugurados em 31 de março de 1928, no jogo entre Vasco e Wanderers, do Uruguai. Os cruzmaltinos venceram por 1 a 0.
Entre 1927 e 1950 (ano da inauguração do Maracanã), o estádio do Vasco foi o maior do Rio de Janeiro. Entre 1927 e 1940 (ano da inauguração do Pacaembu), São Januário foi o maior do Brasil e entre 1927 e 1930 (ano da inauguração do Estádio Centenário, em Montevidéu, Uruguai) foi o maior da América do Sul.
Assisti a alguns jogos do Flamengo neste estádio, na década de 70. Num deles foi 1x0 para o Flamengo, gol do Paulo Cesar Caju. Noutro foi 1x0 Vasco, acho que na estreia do Dario no Flamengo. E um outro, de juvenis, por volta de 1960, em que o Flamengo venceu por 1x0, gol do Gerson, futuro canhotinha de ouro.
Este estádio também foi palco dos famosos “1º de Maio” de Getúlio Vargas.

18 comentários:

  1. Não conheço São Januário, mas tive um amigo vascaino que havia morado no Rio e me falava da bela entrada do estádio. Ainda está mantida?
    Dizem que o local também ficou perigoso e falam dos bairros do entorno,como uma tal "barreira" salvo engano.Boas fotos e muita informação. ***FF:Não consigo me conectar com esta campanha do Flamengo.Mais um empate.Parece que são seis no total e aí não anda na tabela.Se analisarmos bem,com o plantel que tem e quanto gasta não fez nenhuma vantagem em relação aos cariocas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nos jogos contra os 10 primeiros da tabela só ganhou do Vasco. O time não tem jogadas ensaiadas, é só "chuveirinho" na área adversária. Voltamos ao tempo do Yustrich, com o Caldeira centrando para o Dionísio.

      Excluir
    2. Mestre Belletti, e mais uma vez ontem o filho do O.O., mexeu errado no time. Não é implicância minha, mas ele é bem fraquinho como técnico. Sabe tudo de teoria, foi um aluno aplicado na faculdade, estuda por conta própria, mas quando olha para o campo não enxerga nem compreende nada do que está vendo. Futebol parece fácil, mas é muito complexo, nem sempre o que lhe parece, é a realidade dos fatos.

      Excluir
    3. Pois é Lino,eu sinceramente gostaria que o Zé Ricardo "emplacasse",mas não vejo suas ações na hora dos jogos.E ele parece estar sempre conformado com o que faz e vê.No ano passado,considerando como pegou o time e com o material que tinha dava para entender.Esta temporada é diferente.O clube gastando milhões,com jogadores tutelados por ele(ou não?)e a coisa não anda.Não vi o time apresentar padrão de jogo.Busca por resultados.Me parece sempre esquemas viciados,repetitivos e uma apatia de doer.

      Excluir
  2. Bom dia a todos. Tempos que falta de dinheiro em São Januário, bastava passar pela Rua do Acre para resolver o problema. Que este bordão era verdadeiro "Entra Vasco que o meu marido é sócio". Assisti também vários jogos neste estádio quando era criança, levado por meu pai e meu tio na esperança de me fazerem trocar de time, mas o próprio Vasco não ajudava, visto que de 58 à 70 não ganhou nada, em contra partida o Botafogo ganhava tudo, tinha os melhores jogadores e era a base das Seleções Brasileiras.
    Hoje em dia assistir jogos em São Januário é uma tarefa digna de um herói, começa com o problema de falta de estacionamento, o flanelinha, a violência dentro do estádio, o risco de assalto na saída com a favela da Barreira do Vasco ao lado do estádio. E o pior de tudo o atual time do Vasco não tem uma qualidade mínima das tradições do clube.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um amigo de meu filho esteve me contando que foi ao último FlaxVasco. Foi de moto, deixou-a num posto de gasolina vizinho. Camisa preta, entrou errado na arquibancada e quis ir para o lado da torcida do Fla. O ambiente já estava pesado. Aproximou-se da barreira que separava as torcidas, fingiu que falava no celular e disse para um PM, baixinho: "Sou Flamengo e quero ir para o lado de lá". O PM mandou ele ficar esperto, disfarçando e de repente mandou um "Vai!". Ele saiu correndo em direção à torcida do Fla enquanto a torcida do Vasco ao perceber a situação xingava-o e atirava coisas. No final só conseguiu sair do estádio às 23h. Chegou em casa, viu as filhas dormindo e pensou: "Sou mesmo um louco". A mulher só voltou a falar com ele na quarta-feira seguinte...

      Excluir
    2. Mestre Dr. Luiz D', sempre fui aos estádios para ver grandes craques jogarem, independentemente de ser o meu time ou não que estava jogando, aprendi isso com o meu pai. Ia ao estádio para ver as grandes jogadas que faziam, como driblavam, como batiam na bola, como dominavam e protegiam a bola. E quando uma destas acontecia, que era um destaque na partida, com certeza na próxima pelada tentava reproduzir.

      Excluir
  3. Sem duvida um grande estadio onde meu pai levou-me algumas vezes,lamentável o estado que se encontra hoje em dia, sem ser modernizado. Estádio para 40 mil espectadores deveria ser o 2º melhor do Rio. Conta a lenda que a CNO ofereceu reformar o estádio mas o Eurico não aceitou a parceria.

    ResponderExcluir
  4. Bom Dia! Mesmo sendo Vascaíno,faz muitos anos que não vou lá.Aliás não vou mais a estádios, desfiles,praias ou qualquer outro lugar onde os "cidadãos carentes, vitimas da sociedade que os oprime" se reúnem

    ResponderExcluir
  5. Peralta, o implicante17 de julho de 2017 09:18

    Tia Nalu vai a São Januário ou qualquer outro estadio para ver comícios. Dele..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Peralta, o implicante, está hermético. Dele, quem? Tia Nalu não vai a comícios, muito menos em São Januário. Ora, bolas...

      Excluir
  6. Bom dia a todos.

    Nunca fui no estádio, só nas redondezas uma vez para assunto sem qualquer relação com futebol.

    Meu irmão foi a um jogo em 1977 e só. No estádio, também aconteceram apresentações do Villa-Lobos.

    ResponderExcluir
  7. "O bonde de São Januário leva mais um sócio otário pra ver o Vasco apanhar". Assim era cantado pela torcida do Flamengo o samba de Ataulfo Alves quando estava a caminho do estádio. Bons tempos em que o futebol era paixão e amor à camisa, ao contrário dos dias de hoje, onde ir ao estádio é uma atividade de risco. FF. Os fatos ocorridos ontem à noite na Linha Vermelha não deixam dúvidas de que o "Haiti é aqui".

    ResponderExcluir
  8. O Vasco foi desligado da Liga de Futebol em 1925 por não ter um campo gramado. Os torcedores ficaram muito irados com isso e foi por este motivo que construíram São Januário a toque de caixa, que até a construção do Pacaembu foi o maior estádio do Brasil. A maior parte do financiamento veio de abastados comerciantes portugueses.

    ResponderExcluir
  9. Bom dia a todos.
    Não sou Vasco e nunca adentrei seu estabelecimento, porém, pelo texto do Luiz Darcy, é de perceber de que o Vasco é igual ao RJ|: Teve seus momentos áureos e hoje vive na lama.
    A temida Barreira do Vasco nada mais é do que mais uma favela nessa cidade esquecida por Deus que, aliás, no outro dia, um jornalista de uma emissora disse algo que por mais que eu não goste, mas infelizmente é real.
    Metade ou mais do RJ são formado por favelas.
    Rua General Almério de Moura Nº 302, endereço da saudosa EBAL (Editora Brasil América). Uma das muitas editoras dos meus dias de criança que fizeram a alegria de diversas gerações. Hoje em dia já não mais existe e a rua virou uma verdadeira "terra de ninguém".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wolfgang, entenda o porque dessa expansão e "solidificação" das favelas: São um bom negócio! O crescimento dos roubos de cargas chegaram à um ponto em que haverá em Agosto uma paralisação das entregas por parte dos empresários do setor como protesto. É sabido até por uma criança que 90% desses roubos são planejados por quadrilhas dos complexos do Chapadão e da Pedreira, mas nada de concreto é feito para que cessem esses roubos e sabem porque? São currais eleitorais de tradicional família de políticos com mandato eletivo. O complexo da Maré, grande entreposto de drogas e que domina a Linha Vermelha e a Avenida Brasil, possui "parceiros" igualmente poderosos: Uma juíza atendendo à uma ação da defensoria pública proibiu qualquer ação policial naquele complexo por "atrapalhar o ano escolar das crianças de lá". Como se vê, no Brasil tudo se resume a dinheiro...

      Excluir
  10. A Colônia Portuguesa era o sustentáculo financeiro do C.R.Vasco da Gama desde sua fundação. Os Sendas, os Calçadas, os Xavier, e muitos outros, "bancavam" não só a sede social, como o time de futebol. Os comerciantes de "secos molhados" da rua do Acre, e mais tarde os empresários de transportes eram a maioria. Mas Euricos à parte, nada é perfeito...

    ResponderExcluir
  11. Em sendo uma obra bancada por adeptos do clube,houve superfaturamento?

    ResponderExcluir