Total de visualizações de página

segunda-feira, 31 de julho de 2017

LIBERDADE, LIBERDADE

 
A foto de hoje mostra a entrada do Teatro de Arena, na Rua Siqueira Campos nº 143, no Shopping Center de Copacabana, também conhecido como Shopping dos Antiquários.
A peça em cartaz era “Liberdade, Liberdade”, que era anunciada como “Seleção de textos famosos sobre a liberdade, transformada em espetáculo (musicado) por Millor Fernandes. Direção de Flavio Rangel.”
A versão original estreou em 1965, no dia 21 de abril, Dia de Tiradentes, o Mártir da Independência.
Com direção de Flávio Rangel, o elenco era formado por Paulo Autran, Tereza Rachel, Nara Leão e Oduvaldo Vianna Filho, numa produção conjunta do Teatro Opinião e do Teatro de Arena de São Paulo.
O roteiro incluía textos de Sófocles, Shakespeare, Beaumarchais, Brecht e de discursos de Lincoln, Churchill e Kennedy. Nara Leão atuava como cantora, interpretando canções da guerra civil espanhola, a Marselhesa, sambas de Noel Rosa e Moreira da Silva, e também como atriz, representando ao lado de Oduvaldo Viana Filho, um trecho do “Diário de Anne Frank”.
Havia também declamação de poemas sobre o tema “Liberdade” de autores como Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Cecília Meireles, Paul Eluard. Tereza Rachel interpretava um trecho de “As bodas de fígaro”.
A repercussão nacional e internacional foi imediata. Até o New York Times registrou o sucesso do mais ambicioso dos espetáculos de protesto. O sucesso da peça repercutiu nos mais altos escalões governamentais. O presidente Castello Branco, em nota de 2 de junho de 1965, dirigida a seu sucessor Arthur da Costa e Silva, afirmou que as ameaças (da peça) são de aterrorizar a liberdade de opinião.
Sucederam-se ameaças de bombas na porta do teatro. Neste clima de medo, Millôr Fernandes lamenta: "Triste país em que um cara como eu é perigoso."
Em 1966, a Censura Federal proibiu a apresentação desta peça em todo o território nacional.

25 comentários:

  1. Grande recordação. Eu tive oportunidade de assistir ao vivo este espetáculo em que o destaque absoluto foi a atuação de Paulo Autran.
    E nele tomei conhecimento de Paul Eluard, cujo poema Liberdade considero uma obra-prima:
    Nos meus cadernos de escola
    Nesta carteira nas árvores
    Nas areias e na neve
    Escrevo teu nome

    Em toda página lida
    Em toda página branca
    Pedra sangue papel cinza
    Escrevo teu nome

    Nas imagens redouradas
    Na armadura dos guerreiros
    E na coroa dos reis
    Escrevo teu nome

    Nas jungles e no deserto
    Nos ninhos e nas giestas
    No céu da minha infância
    Escrevo teu nome

    Nas maravilhas das noites
    No pão branco da alvorada
    Nas estações enlaçadas
    Escrevo teu nome

    Nos meus farrapos de azul
    No tanque sol que mofou
    No lago lua vivendo
    Escrevo teu nome

    Nas campinas do horizonte
    Nas asas dos passarinhos
    E no moinho das sombras
    Escrevo teu nome

    Em cada sopro de aurora
    Na água do mar nos navios
    Na serrania demente
    Escrevo teu nome

    Até na espuma das nuvens
    No suor das tempestades
    Na chuva insípida e espessa
    Escrevo teu nome

    Nas formas resplandecentes
    Nos sinos das sete cores
    E na física verdade
    Escrevo teu nome

    Nas veredas acordadas
    E nos caminhos abertos
    Nas praças que regurgitam
    Escrevo teu nome

    Na lâmpada que se acende
    Na lâmpada que se apaga
    Em minhas casas reunidas
    Escrevo teu nome

    No fruto partido em dois
    de meu espelho e meu quarto
    Na cama concha vazia
    Escrevo teu nome

    Em meu cão guloso e meigo
    Em suas orelhas fitas
    Em sua pata canhestra
    Escrevo teu nome

    No trampolim desta porta
    Nos objetos familiares
    Na língua do fogo puro
    Escrevo teu nome

    Em toda carne possuída
    Na fronte de meus amigos
    Em cada mão que se estende
    Escrevo teu nome

    Na vidraça das surpresas
    Nos lábios que estão atentos
    Bem acima do silêncio
    Escrevo teu nome

    Em meus refúgios destruídos
    Em meus faróis desabados
    Nas paredes do meu tédio
    Escrevo teu nome

    Na ausência sem mais desejos
    Na solidão despojada
    E nas escadas da morte
    Escrevo teu nome

    Na saúde recobrada
    No perigo dissipado
    Na esperança sem memórias
    Escrevo teu nome

    E ao poder de uma palavra
    Recomeço minha vida
    Nasci pra te conhecer
    E te chamar

    Liberdade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A declaração de amor definitiva.

      Excluir
  2. Bom dia. De cara um Dauphine! Esses carros da Renault eram a "cachaça" de meu pai. Esse Shopping nunca "decolou" e seu comércio até hoje é voltado para o "popular". Exceção feita ao Quinto Juizado Especial.

    ResponderExcluir
  3. Grande espetáculo e grande momento, começava com essa peça a luta contra a ditadura militar. Em frente ao teatro um Dauphine .

    ResponderExcluir
  4. Rara foto em que um Dauphine pode ser admirado e verificado por sua luz de placa pintada, a ausência do friso lateral e as rodas fechadas. Nem precisa ler o escudo. Quanto ao sucesso do protesto, me pergunto: se não houvesse a substituição do Jango pelo Castelo, teria havido a peça?
    E, se os artistas morassem em Cuba, na mesma época, poderiam ter feito o mesmo sucesso? Só lamento que as autoridades tenham censurado.

    ResponderExcluir
  5. Esse assunto é por demais complexo mas merece ser abordado. Em 1965 o país ainda vivia em "relativa calma" em face dos anos vindouros. Manifestação cultural ainda era encarada como "manifestação cultural" e não como "ato de subversão". Foi uma época profícua para eventos desse porte bem como de festivais de música que viriam. A censura passou a atuar com maior rigor a partir de 1968 quando a radicalização da esquerda se acentuou. Não confundir a Censura Federal, que era executada pelo DPF com a com a executada pelo DOPS da polícia estadual. Havia também o DOPS da Polícia Federal mas isso é um detalhe que não vem ao caso. O fato é que muitos desses "artistas" se revelaram comunistas de escol e estão em atividade até hoje, cultivando "dividir o alheio" e mamando nas tetas do governo. O cultuado "Vianinha" sempre teve uma queda pelo "vermelho" e no rastro dele muitos outros. FF. As forças armadas estão nas ruas para atuar na segurança pública. Vamos ver se efetivamente vão vasculhar as favelas em busca de armas, de acordo com sua atribuição constitucional, ou vão agir como a "Farsa Nacional", que se "recolhe após às 18 horas e quando as coisas "engrossam" pedem socorro à P.Militar.

    ResponderExcluir
  6. Nessa época, e nos anos seguintes aqui no Rio, ocorreram excessos da ditadura contra as manifestações culturais e também atitudes truculentas e isoladas de certos comandantes de unidades militares contra populares e estudantes. Como exemplo um comandante do COMAR no RJ, de nome Penalva, cuja mãe morava no meu prédio, que tinha o hábito de reunir meia dúzia de soldados da PA e sair pelos bares da vida à procura de indivíduos, normalmente jovens estudantes, para abordar e constranger, e até agredir sem motivo. Mas nada se pode comparar com a repressão ocorrida em São Paulo com a formação do CCC - Comando de Caça a Comunistas, que se especializou em invadir casas de espetáculos que estariam encenando peças consideradas "subversivas". O maior exemplo foi a invasão do teatro onde era encenada a peça Roda Viva" onde os atores foram agredidos a socos e chutes por esse famigerado grupo paramilitar, inclusive a atriz principal, Marília Pera que, salvo engano, estava grávida. Atitudes típicas desse tipo de regime que ainda é incensado por muitos energúmenos.

    ResponderExcluir
  7. Acho que vai continuar a mesma coisa de sempre,fazem uma movimentação mas não usam o serviço de inteligencia com a presteza necessária para acabar de vez com o problema da impunidade. As forças armadas não servem para patrulhar e sim para acabar com o foco onde estão os marginais. E todos nós sabemos onde o problema está.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos dar tempo ao tempo. Os militares com certeza farão o seu trabalho no sentido de buscar os arsenais em poder do tráfico de drogas. A roda da vida faz com que as pessoas lúcidas possam se adequar aos tempos em evolução e nesse momento os militares podem ser a solução para a insegurança no Rio de Janeiro. No passado podem ter cometido excessos, distribuído "cascudos" em jovens arrogantes, mas isso foi no passado. E se alguém ainda tem na memória e no cocuruto lembranças daquele tempo, os tempos são outros...

      Excluir
  8. Bom Dia! Todo protesto para "aparecer" deve ser contestado.

    ResponderExcluir
  9. Liberdade, liberdade, faz parte da estrofe do Hino da Republica, que ficou proibido durante os anos de chumbo. No centenário da proclamação foi usado no samba enredo da Imperatriz, por sinal samba memorável, um dos mais belos já feitos.

    ResponderExcluir
  10. Por falar em energúmenos, 30% da população pretende votar no Lullarápio em 2018.

    ResponderExcluir
  11. Estive neste local recentemente.Não vi esta peça .Nem me recordo se ela voltou a ser exibida.**Dauphine conseguia ser pior que o Gordine.Dois espantos!!!!!!

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde a todos. Na parte da manhã tentei escrever por 3 vezes o meu comentário, porém não sei o que estava ocorrendo, que toda vez que enviar o comentário, o mesmo apagava completamente da tela.
    Esta peça não tive a oportunidade de assistir na época em que foi encenada, pois ainda era criança, já pouco tempo depois no científico e no vestibular, ouvi vários comentários sobre ela de professores. Também acredito que após a abertura ela não voltou a ser encenada. A transcrição pelo mestre Clóvis do poema Liberdade, é o destaque dos comentários de hoje. Já falarmos de Liberdade nos dias atuais, no meu ponto de vista ela a cada dia está sendo mais tolhida, principalmente pelas novos posicionamentos da sociedade e principalmente de grupos que se dizem formadores de opinião. Eu como bom filho de pais Portugueses, sempre vi a Liberdade associada a outra duas palavras, responsabilidade e palmada.

    ResponderExcluir
  13. Boa tarde a todos.

    Dr. D' acendeu o rastilho e saiu de fininho. Tema mais que polêmico que acendeu discussões ideológicas.

    O temerário pousou no estado para adoçar parte da mídia local, disse besteira (coisa normal) e se mandou de volta.

    Hoje as tropas não foram vistas de manhã nas vias expressas.

    Sobre o comentário apócrifo de 12:33, piores são os energúmenos dispostos a votar em projeto de nazista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Augusto, os textos das fotos e até mesmo a escolha das mesmas já expõem minhas posições.

      Excluir
    2. Tudo OK. Minha frase pode ter sido infeliz. Só quis destacar que as discussões seriam acaloradas.

      Tenho minhas opiniões sobre o período em questão. Elas se chocam com as de vários comentaristas do espaço.

      Excluir
  14. Nota de falecimento: Jeanne Moreau. Idade: 89 anos
    Filmou no Brasil, Joanna Francesa, de Cacá Diegues.
    Em 2013 Dóris Lessing detentora de dezenas de prêmios, inclusive o Nobel de Literatura, faleceu aos 94 anos, ainda bem lúcida, e, no Brasil, o mais completo silêncio.
    Ninguém melhor do que ela para falar de comunismo, socialismo porque os vivenciou enquanto militante. Seus livros deveriam ser de leitura obrigatória nas escola. Os de Simone, também.
    A maioria dos nossos "militantes" viveram de renda nas "oropas.

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde a todos.
    Interessante da postagem de hoje é que coincidiu com um programa que assisti ontem no início da tarde pela TV BRASIL, antiga TVE.
    No programa, o assunto abordado era sobre LIBERDADE.
    Vários participantes de diversas religiões, incluindo ateus comentaram sobre: O que é Liberdade?
    É um conceito tão difícil de ser definido como também beira ao corriqueiro como aconteceu com o termo DEMOCRACIA.
    Ao final do programa, chegamos a conclusão de que LIBERDADE a nível de conceito, vai da definição da cabeça de cada um.
    Nem sempre o que é considerado LIBERDADE para um assim chamado progressista, seja do mesmo conceito para um conservador, e vice e versa.
    O que sei apenas é de que ninguém é LIVRE, por mais que digam o oposto, pois o ser humano até por forças de sua insignificância de matéria orgânica, jamais é ou será tão livre que possa transformar o mundo a seu bel prazer ou então voar pelos céus tal como um passarinho.

    ResponderExcluir
  16. Não se trata de ideologia e sim de coerência. Não existe qualquer "ideal partidário" no Brasil e sim "acordo de facções". Os mais antigos sabem que "ideais políticos","planos de governo", e outras bobagens do gênero, não existem no Brasil. O que existe são "projetos de poder" que visam apenas o enriquecimento de membros da facção e o consequente empobrecimento da população através de "reformas" estruturais supostamente necessárias que ao serem implementadas irão ferir direitos da maioria. Como prova disso, apesar de "formadores de opinião" pregarem o contrário, a qualidade de vida dos brasileiros em sua maioria teve após 1985 uma queda violenta em que além de direitos fundamentais como saúde e educação serem quase extintos, está na iminência de perder o direito ao emprego pleno e à uma aposentadoria decente, sem contar que o direito de ir e vir desapareceu há muito tempo. Além disso, quase todos estão seriamente endividados devido a uma carga tributária extorsiva e juros criminosos. Nunca o país esteve em uma situação tão crítica. Mas gostar desse tipo de "democracia" é pura insanidade...

    ResponderExcluir
  17. Em 1964 alguns setores da sociedade junto com a grande imprensa consideravam que o Presidente João Goulart queria a ditadura de esquerda. Viabilizaram o golpe da direita, só que o Gal. Mourão precipitou a data e, dizem, se achou o dono da "cocada preta" e aparentemente não gostou de ver o Castelo Branco, Golbery e outros menos linha dura no poder central. Mas era preciso mostrar que o golpe foi para manter uma democracia, mesmo que relativa.
    Os acontecimentos de 1968 foram só a desculpa que a linha dura precisava.
    Detalhe: pelo que já li em algumas edições de abril de 1964 do Correio da Manhã, nos arquivos digitais da Biblioteca Nacional, o apoio desse grande jornal da época durou uma semana e meia no máximo. Acho que consideraram a indicação de um militar para a eleição indireta do substituto do Jango um ato inconstitucional e portanto contra a democracia que os golpistas de então diziam defender.

    ResponderExcluir
  18. Após grandes "cacetadas" no lombo,como muitos outros cheguei a imaginar o PT como uma verdadeira luz.Doce ilusão.Tão ruim ou pior que os outros.Quando a sua estrela máxima começou a fazer acordos com profissionais políticos como Collor,Sarney e até mesmo o folclórico Maluf cheguei a conclusão que o que vale é aquela cantilena do "farinha pouca,meu pirão primeiro".E o pior para mim é quando uma pessoa esclarecida acredita neste tipo de gente.Este é um verdadeiro espanto!!!!!

    ResponderExcluir
  19. A propósito de endividamento vale conferir a entrevista com o ex-ministro Delfim Neto onde ele acusa o Gal. Ernesto Geisel de ser o responsável por quebrar o Brasil. http://jornalggn.com.br/noticia/para-delfim-resistencia-de-geisel-levou-economia-a-falencia-nos-anos-70

    Nota: Há dois aspectos a serem considerados sobre essa entrevista. Ela foi concedida 18 anos após a morte do Gal., impedindo qualquer contestação por parte do acusado. Por outro lado era pública e notória a aversão que Geisel tinha pelo economista que além de acusações de corrupção tinha a fama de ser homossexual, comportamento que desagradaria o Gal.. Nomeado pelo próprio Geisel para ocupar o cargo de embaixador na França foi alvo do rumoroso Relatório Saraiva, elaborado pelo adido militar Cel. Saraiva no qual descreve as esbórnias promovidas pelo "gordo", como era conhecido Delfim nos bastidores do poder. Dessa forma não se poderia esperar qualquer tratamento elegante depois desse "imbróglio".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai ver o Delfim queria que o Geisel pagasse as contas da festa do "Milagre Brasileiro" do Governo Médici com o petróleo do Brasil. Quem acabaria caindo de joelhos diante do FMI foi o Figueiredo, em 1982 (foi antes da eleição daquele ano, mas a divulgação só depois). Mas não podemos espalhar isso, pois muitos querem que se acredite que crise econômica é coisa só da "Nova República". Realmente Sarney e Collor fizeram muita besteira tentando remediar (tantos pacotes econômicos que perdi a conta) e só pioraram as coisas, mas a doença vinha de longe.

      Excluir
  20. O "milagre brasileiro" foi um fato e realmente a conta foi alta, mas por objetivos louváveis e não por uma pilhagem sistemática como a que as quadrilhas instaladas atualmente no congresso nacional executam. O Brasil está nas mãos do sistema financeiro internacional com uma dívida pública impagável. Quem responderá por isso?

    ResponderExcluir