Total de visualizações de página

segunda-feira, 2 de julho de 2018

MISSA NO ATERRO


 
A legenda da foto dizia: “O majestoso altar construído no aterro de Santa Luzia.”

Em 20/01/1955 o “Correio da Manhã” publicou: “Nenhuma pessoa válida deverá deixar de comparecer esta noite à praça do Congresso Eucarístico, no aterro de Santa Luzia, para assistir à missa rezada pelo Cardeal D. Jaime de Barros Câmara” – eis o apelo que as autoridades eclesiásticas fazem à população carioca, no dia de São Sebastião.

As solenidades daquela noite seriam o ponto alto da preparação do grande certame eucarístico de julho de 1955 e o comparecimento da população carioca à missa seria o maior incentivo com que podem contar as autoridades que, incansavelmente, desde há dois anos vêm trabalhando pelo Congresso Eucarístico.

A praça estaria aberta desde às 18:30 horas, não haveria lugar marcado, a não ser para as diferentes procissões. Às 21 horas teria início a missa, precedida de uma clarinada, pelas bandas militares e da queima de fogos de artifício, saudando o XXXVI Congresso Eucarístico Internacional. No final da missa as bandas militares executariam o Hino Nacional.

O coro falado teria início às 20:30 horas. Os folhetos com os cantos seriam distribuídos por Bandeirantes. A procissão marítima sairia de Niterói com a lancha “N.S. de Fátima”. A comunhão seria dada por 200 sacerdotes e quem fosse comungar à noite poderia alimentar-se de alimentos sólidos até às 18 horas e de alimentos líquidos, desde que não alcoólicos, até à hora da comunhão.

A reportagem foi extensa e dava inúmeras indicações, tais como sobre os transportes de trem, bondes, ônibus e lotações, os locais de estacionamento, os pontos de concentração de grupos como os de jovens, militares, trabalhadores, bem como a localização dos postos de atendimento médico.

 

17 comentários:

  1. Não me lembro de ouvir Aterro de Santa Luzia, mas sim, Aterro da Glória. Talvez o primeiro nome não tenha caído bem nos ouvidos cariocas. E só virou Aterro do Flamengo lá para meados dos anos 60. Hoje é só Aterro, devido a pressões.

    ResponderExcluir
  2. Salvo quando da visita do Papa para a Jornada da Juventude há uns poucos anos nunca mais estes eventos católicos tiveram tanta repercussão.
    Pelas nuvens e sendo janeiro imagino que a cerimônia deva ter sido debaixo de um temporal.

    ResponderExcluir
  3. Aproveitaram o feriado de São Sebastião para realizar o evento. Eventos católicos com esse porte atualmente são raríssimos, além de inviáveis. A "falta de Deus" norteando a conduta da maioria das pessoas é um fator a ser considerado, e tudo a seguir pode ser uma consequência dela. Para o esvaziamento da Santa Madre Igreja contribuíram também as condutas lamentáveis de seus sacerdotes, o fausto e a suntuosidade da estrutura clerical onde contraditoriamente prega o exemplo de um Cristo que dormia ao relento e andava de sandálias. Com o advento das igrejas pentecostais o quadro se agravou, o esvaziamento se acentuou.

    ResponderExcluir
  4. Bom Dia! Como minha família sempre foi Espirita e nesta época eu só tinha 14 anos, Quase certo neste inicio de noite , estive ligado na rádio Tupi ouvindo Tarzan o Rei da Selva e depois Capitão Atlas. Logo a seguir mudando para a rádio Nacional, O Anjo e depois Jeronimo,o herói do Sertão.

    ResponderExcluir
  5. De fato os eventos da Igreja Católica perderam muito da força que tinham no país.Hoje os eventos são mais regionais como a festa de Aparecida.Penso que a igreja católica demorou muito a procurar um foco mais moderno e perdeu espaço para os "evangélicos.Evento como o da postagem só mesmo com a presença do Papa.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia a todos. Hoje vou só aprender com os mestres que já podiam entender e contar o que se passou neste evento.

    ResponderExcluir
  7. Quase com certeza o nome era por conta da aterrada Praia de Santa Luzia. Dúvida que poderia ser esclarecida pelo sumido comentarista especializado na Esplanada do Castelo.
    Pela posição dificilmente se consegue ver na atualidade o Pão de Açúcar desse mesmo local.
    Falando em Aterro, lembra-se da Baía de Guanabara e da notícia praticamente ofuscada pela Copa do Mundo, referente às providências que a Marinha tomando quanto a começar a combater a entrada de drogas, armas e munições pelas águas da Guanabara. É um boa providência para tentar empatar a partida contra os traficantes das favelas. Agora só falta saber se o Exército, a Polícia Federal e as polícias rodoviárias, estadual ou federal, vão apertar mais nas fronteiras e nos caminhos (no mínimo do Mato Grosso do Sul e São Paulo) até a chegada dessas encomendas ilícitas até a divisa do nosso estado. Eu só ouço falar, com raras exceções, em grandes apreensões na rodovia em território fluminense.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo Roberto, nenhum combate ao tráfico de drogas será eficaz enquanto suas ações não foram concentradas nos seus verdadeiros chefes, pois possuem poder político e imunidades. Enquanto as ações forem concentradas nas favelas e comunidades, os resultados serão sempre risíveis e ineficazes, correndo as autoridades policiais o risco ainda de municiarem as "esquerdas" com acusações absurdas de racismo e de estarem promovendo "limpeza étnica". E o Brasil luta contra o tempo, porque o "exército do tráfico" cresce em uma velocidade espantosa, já que a taxa de fecundidade nas favelas cresce em níveis africanos. Não é sem razão a enorme resistência dos políticos em votarem a redução da maioridade penal, já que em seus currais eleitorais, a maior parte dos "trabalhadores do tráfico" é menor de idade. Querem saber "quem é quem"? Em época de propaganda eleitoral, o panfleto que é distribuído nas favelas e arredores contém o nome do "dono do pedaço". No Leme, por exemplo, vejam quem é o "felizardo". Em Vicente de Carvalho, em Madureira, e na Mangueira, ocorre a mesma coisa, os donos da área estarão concorrendo à reeleição.

      Excluir
  8. Participei, junto com os alunos do Colégio Estadual Pref. Mendes de Moraes da algumas atividades do XXXVI +Congresso Eucarístico Internacional ( 16 a 19 de julho 1955). A enorme bandeira branca e amarela na região recém aterrada era impressionante !

    ResponderExcluir
  9. A igreja católica mandava e desmandava no Brasil. Ainda bem que isso diminuiu um pouco; o problema agora são os evangélicos. Constatando que o povo brasileiro é tão religioso, deveríamos ter menos violência e intolerância e mais bondade, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  10. A espantosa expansão e o "inexplicável enriquecimento" das igrejas pentecostais é uma decorrência do "milagre de Deus", segundo seus adeptos, mas existem variadas explicações, muitas delas bastante verosímeis, entre as quais a de que como qualquer associação religiosa no Brasil, são isentas de impostos, já que suas receitas podem ser consideradas como "doações de fiéis. Daí suspeita-se que muitas delas recebem como doação as enormes receitas do tráfico de drogas e do desvio de dinheiro público. Afinal deve haver uma forte razão pela qual as casas legislativas e o congresso nacional estejam repletos de "pastores, bispos, apóstolos, missionários, etc...

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde.

    A igreja católica perdeu parte de sua influência sobre o povão por causa dos escândalos sexuais e a falta de diálogo. As igrejas neopentecostais aproveitaram (e muito) este filão com seus métodos algumas vezes desaprováveis.

    Hoje temos políticos ligados a todos os matizes ideológicos e religiosos.

    Sobre o jogo, a manchete no México é um pouco diferente: "Jogamos como sempre e perdemos como sempre...". Agora que venham os "belgicanos". Ou os japoneses...

    ResponderExcluir
  12. Time pequeno é mesmo assim, sempre entrega no final. Também acho que foi bom para o Brasil, afinal não ganhamos de ninguém até agora nesta copa.

    ResponderExcluir
  13. Observador Esportivo, o verdadeiro2 de julho de 2018 17:20

    Jogo Bélgica e Japão com muitas falhas de lado a lado. O Japão, nos acréscimos, cobrar um corner pelo alto contra os gigantes belgas deu um contra-ataque mortal. Mereceu perder.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguém devia ter avisado a essa nova geração de japoneses que só se faz ataque kamikaze no final (teriam 30 min de prorrogação). E só quando se está perdendo.

      Excluir
  14. Eu já havia dito que o Brasil passaria pelo México mas não pela Bélgica. Quem ainda insiste em se inebriar no ópio da insensatez e de um ridículo pseudo- patriotismo, boa sorte...

    ResponderExcluir
  15. Corneteiro Velho2 de julho de 2018 20:57

    Tomou sufoco no início mas melhorou bem e no final a vitória foi mais que merecida.O México ficou como fogo de palha e o goleiro brasileiro trabalhou pouco mas o Tite parece estar fora de si pois o time não jogou o que ele diz que jogou. É preciso cuidado pois a Bélgica sofreu com o Japão mas deve jogar de forma diferente na sexta.A equipe tem que está de olho pois eu estou doido para cornetar ainda mais.

    ResponderExcluir