Total de visualizações de página

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

SÃO CONRADO







Hoje, além das fotos do acervo do Correio da Manhã (uma do Bar Bem, colorizada pelo Nickolas), temos um longo texto sobre São Conrado, com a colaboração de muitos comentaristas do “Saudades do Rio”. Desde já peço desculpas por não citar os nomes deles, pois, infelizmente, ao copiar os textos não anotei os nomes dos autores. Os textos são de São Conrado pelos olhos de seus moradores ou visitantes. A meu ver muito interessantes, pois não constam nos livros de história, mas trazem saborosas reminiscências do Rio antigo. Como são lembranças, às vezes não estão corretas. Peço, então, que eventuais correções sejam feitas.
O atual bairro de São Conrado era, até o início do século XX, praticamente deserto. A região era conhecida como "Praia da Gávea", pois o morro, visto do mar pelos colonizadores, parecia uma cesta de mastro. O acesso a esta região, até aquela época, a partir da Zona Sul, era feito pela estrada da Gávea e, a partir de 1916, pela recém-inaugurada Avenida (estrada) Niemeyer.
Na década de 30 o bairro começava a interessar aos investidores. Um exemplo foi a campanha de venda da GAVELANDIA, que dizia: "O sonho que daqui a pouco será concreta realidade. GAVELANDIA, padrão simbólico da energia criadora e dinâmica da Land Investors Trust S/A. A GAVELANDIA que na visão ao alto se localiza sobre a soberba elevação mais próxima da suave orla atlântica surge glamurosamente coberta de construções em sucessivos platôs. A montanha e o mar conjugam seus fatores de beleza e salubridade para realizar o encanto do mais lindo bairro atlântico da formosa capital do Brasil".
Há hoje em dia um condomínio chamado "Jardim Gavelandia", vizinho da Casa de Retiros Anchieta, a famosa Casa dos Padres, em São Conrado, com acesso pela Rua Capuri. Segundo um morador, o vale de São Conrado é uma das regiões mais interessantes do Rio de Janeiro , inclusive superior paisagística e monumentalmente ao conjunto da Urca, e mesmo à área do Corcovado. Ali o conjunto de montanhas criou condições que nunca foram valorizadas nem exploradas do ponto de vista turístico como poderiam ter sido, ou ao menos criado um bairro melhor.
Na década de 1940 foram projetados loteamentos nas encostas próximas à Pedra da Gávea e à Pedra Bonita (chamado Jardim Pedra Bonita) de maneira a criar um bairro organizado, mas o excesso de zelo hipócrita cortou a maioria dos lotes, deixando alguns que hoje formam as ruas Iposeira e Gabriel Garcia Moreno. Impediu-se assim a criação de um bairro jardim mais bem estruturado. Se não me engano o Jardim Gavelândia é o que fica do lado da Rocinha , ruas Capuri , São Leobaldo, Santa Glafira, etc.
O Gávea Golf Club existe graças aos engenheiros ingleses da Light que resolveram criar seu clube ali, desenvolvendo um trecho do bairro civilizadamente. As prefeituras de todas as épocas cercearam as ocupações legais dos terrenos de encosta, o que daria ao menos um ambiente mais civilizado, mas permitiram criminosamente e demagogicamente as ocupações irregulares e desordenadas em vários pontos do bairro. São Conrado acabou sendo um bairro de passagem, com uma praia poluída pelo esgoto da Rocinha e com uma estrada fantasma (Estrada da Canoa), coroada com o esqueleto do fracassado Gávea Tourist Hotel. Cabe ainda mencionar a outra “estrada fantasma “, abandonada, a Estrada do Joá. Espetacular paisagem, também jogada no lixo. Enfim, parece que tudo isto faz parte do estigma misterioso que castiga o Rio de janeiro. Deve ser alguma maldição dos tamoios, os verdadeiros donos destas paragens, massacrados nestas regiões, nos séculos XVI e XVII .
Além das belas fotos da Praia de São Conrado vemos as famosas barraquinhas derrubadas em meados dos anos 60. Eram, segundo alguns, o último limite que as “moças de família” se permitiam ir. Se topassem ultrapassar esta fronteira e ir para a Barra da Tijuca...
“Quando a Prefeitura resolveu remover as barraquinhas, o dono de cada uma ficou com o "direito" de construir um comércio estruturado, em alvenaria, no mesmo lugar. Alguns construíram (inclusive "seu" Nelson, dono do boliche "Pé-de-Vento"), e muitos venderam o "direito".
Alguns que, direta ou indiretamente, compraram estes direitos:
- O Sr. Loyola (pai da Vera Loyola), dono do Bar Bem, ficou com estes terrenos entre o Bar Bem e a Igrejinha e os terrenos entre a Igrejinha e a rua anterior. Nestes terrenos fez uma extensão do Bar Bem, que depois ganhou vida própria (não lembro o nome, mas acho que era algo "dos Pescadores") e o Bola Branca (depois Biruta).
- O Sr. Conrado Niemeyer ficou com o terreno entre a Estrada da Gávea e a R. Engº Álvaro Niemeyer. Alguns anos depois, fez ali o Top (Pot ao contrário), que virou Tochas (ou Tochas, que virou Top?)
- O Sr, Álvaro Niemeyer ficou com o terreno de esquina, logo depois da R. Engº Álvaro Niemeyer, e, logo, construiu o Pot, com um sucesso enorme.
- O Sr. Ricardo Amaral ficou com um dos terrenos pouco depois do Pot, e montou um restaurante focado em automobilismo. Tinha 2 dragsters pendurados nas paredes, e, em cima da lage, montou um cinema drive-in com carros antigos. Pagava-se a entrada e se assistia ao filme de dentro dos carros. Um dos diferenciais era que os garçons e garçonetes eram recrutados entre estudantes de nível superior.
Alguns dos terrenos das barraquinhas foram ocupados, em épocas variadas, por parquinhos de diversão, bastante toscos. O "Meu Boliche", que era o mais frequentado, e que teve a vida mais longa. Na subida da Estrada das Canoas, á direita.
- O "King´s" (do Sr. Loyola), um dos 2 boliches automáticos do Rio. Pouco depois foi fechado e transformado no Motel King's, na época em que o Sr. Loyola construiu o Vips, na Niemeyer, e percebeu que rendia muito mais que um boliche.
- O "Bola Branca", também do Sr. Loyola. Com a redução da procura por boliches, foi transformado em restaurante, com o mesmo nome, mas mantendo 2 pistas do boliche, que eram oferecidas como bônus às mesas cuja conta ultrapassasse um certo valor.
- O ACG - Automóvel Clube da Guanabara construiu um boliche completo, antes da primeira rua de São Conrado (antes do Biruta), mas que, com a falência do ACG, nunca chegou a ser inaugurado.
O "Pé-de-Vento" só veio alguns anos depois. O Sr Nelson vivia jogando no "Meu Boliche", e chegou à conclusão que era melhor transformar seu restaurante em boliche. Fez a reforma, inaugurou o boliche, e morreu de infarto, coitado.
Ricardo Amaral, pouco depois, montou o "Tobogã" e, em volta do tobogã, um parque que chamou de "Diverlândia" (a principal atração eram os karts). Lá se comiam os primeiros crêpes feitos no Rio. O sucesso foi imenso e, durante uns tempos, chegar do Leblon a São Conrado em um sábado ou domingo era coisa que demorava de 45 minutos a 1 hora e meia. Mais outro tanto para voltar.
Nós, que morávamos lá, saíamos pelo Alto da Boa Vista (Gávea Pequena) e Dona Castorina. A primeira "tirolesa" que teve por ali, quase que bem no mesmo lugar que o tobogã, mas bem antes, foi instalada pelo Exército, para treinamento de páraquedistas. Tenho quase certeza que, de vez em quando, eles deixavam os "civis" fazerem o "exercício".
Este pessoal dos Paraquedistas fixou as estacas de uma rede de volei, um pouco afastada do local da "tirolesa". A pedido de um amigo nosso, as estacas foram instaladas em frente à R. Henrique Midosi, perto das cocheiras do Gávea Golf (que não existem mais). Virou a rede de volei da minha "turma" durante muitos anos. Mas houve mesmo uma outra "tirolesa" pela época do tobogã. Tenho a impressão que também teve uma (talvez a mesma) em uma das Feiras da Providência na Lagoa.
A casa onde cresci foi transformada em colégio. Na R. Engº Álvaro Niemeyer, com fundos para a Estrada das Canoas. Quase em frente de onde foi o Pot.
A Escola Mater começou a funcionar em 1967, voltou a ser residência em 75. Em 81, a casa, com o alvará da escola , foi vendida, e voltou a ser colégio.”
Outro comentarista lembra: “Fomos para lá em 1959. Meus pais compraram o terreno em um loteamento e construíram a casa. Já tinham 4 filhos e era uma forma de ter alguma qualidade de moradia por um preço viável. Durante a construção da casa, um lotação descia da Gávea, pela Rocinha, até o Largo da Macumba, no fim da descida da Rocinha. Dali tínhamos que ir a pé até o Largo de São Conrado (uns 2 ou 2,5 km). Quando a casa ficou pronta, já funcionava outra linha de lotação, com ponto final no Largo de São Conrado (São Conrado- Bar 20). Uns meses depois foi substituído por um ônibus circular, o São Conrado-Real Grandeza, que acabou virando Vidigal-Mourisco (521 e 522). Quando esta linha foi "encurtada" até o Vidigal, ficamos só com o Hotel Leblon - Barra da Tijuca (555) que, anos depois, virou Rodrigo Otávio - Barra da Tijuca.
Não fomos completamente pioneiros porque uma primeira leva tinha se instalado em São Conrado nos anos 40. Depois, realmente, as coisas deram uma parada, até a década de 60.
Não havia nenhum comércio, exceto os restaurantes, "barraquinhas", parquinhos e um hotel de alta rotatividade (Hotel Recreio dos Bandeirantes). Em algumas épocas, conseguíamos entrega em casa de pão e leite.
O Rio era dividido em Zona Sul, Zona Norte e Zona Rural. A Zona Rural começava na entrada da Av. Niemeyer.
Quanto ao colégio, era o único particular por lá. Já existia, desde antes da década de 60, a Escola Pública Lúcia Miguel Pereira.
Telefone, era uma dificuldade. A CTB tinha um cabo, instalado na década de 40, mas que, mal foi instalado, já estava "lotado". Sem chance de conseguir um número. Lá em casa, tínhamos que ir até o Hotel Recreio dos Bandeirantes, para pagar um telefonema por lá.
No final dos anos 60, foi criada a CETEL, que instalou, finalmente, novas linhas. Nosso telefone era o 109. Qualquer ligação CTB/CETEL era feita via telefonista, com a devida espera, como qualquer interurbano da época.
Havia um hotel na Estrada da Gávea, à direita de quem volta de São Conrado para a Gávea. Entre a R. Henrique Midosi e o Gávea Golf. Mais ou menos onde hoje fica o último retorno da Lagoa-Barra em São Conrado (indo para a Gávea)”.
Nesta época das fotos, o acesso, a partir da Zona Sul, era feito pela Avenida Niemeyer ou, menos usado, a Estrada da Gávea. Fui várias vezes na Casa de Retiro Anchieta, dos padres jesuítas, para “retiro” dos alunos do Santo Inácio. Era muita mais uma diversão do que um retiro. À noite jogávamos cartas, ouvíamos os páreos do Jockey no rádio de pilha, alguém bancava as apostas, para desespero dos padres. Lembro que após as 22h desligavam a luz, mas continuávamos a jogatina com velas roubadas da capela ou de lanternas levadas nas malas.
Famosa também era a “corrida de submarinos” junto à Praia do Pepino. Pagava-se para entrar num terreno arenoso e tudo era garantido. O risco era atolar o carro na areia.
Quanto ao Gavea Golf & Country Club, é preciso explicar que ele sempre foi cortado ao meio pela Estrada da Gávea, no mesmo trajeto que ela faz hoje - aquela pista pequena, mais baixa que a autoestrada. Dizem que a propriedade sobe morro acima, até o viaduto das Canoas, o que deve ser verdade, porque aquela faixa de mata continua virgem.
Um pouco mais tarde, no início dos anos 70, com a construção do Hotel Nacional (1968-1972) e a abertura da autoestrada Lagoa-Barra, o movimento aumentou muito, com novos empreendimentos comerciais. Por essa época quem não ouviu o "jingle": "É um mal não frequentar o Bem", do programa Ritmos de Boate, do Big Boy, na Rádio Mundial? O Big Boy tinha três programas na Rádio Mundial 860 AM (atual CBN). "Mundial é show musical", todos dias de semana, das 18 às 19 horas; "Ritmos de Boate", todos os dias de semana, das 22 às 23 horas, com patrocínio do Bar Bem e Vip's Motel, e "Cavern Club", aos sábados, de 18 às 19 horas, onde só tocava Beatles. Uma curiosidade sobre o Motel Vip's: o nome foi criado com as letras iniciais dos três filhos do Ignacio de Loyolla. Vera, Ignacio e Pantaleão.
Antes da construção do Hotel Nacional o terreno em frente à praia serviu durante muito tempo de uma espécie de drive-in sem tela de cinema. Havia um precário serviço de bar, mas um eficiente serviço de desatolamento dos automóveis que ali ousavam estacionar.
SATURIN TURISMO: Começou a operar em outubro de 1951, licenciada pelo Departamento de Concessões da Prefeitura do então Distrito Federal, iniciando com uma frota de cinco ônibus de fabricação francesa, do tipo Chausson, com capacidade para 40 passageiros cada um, que seriam fiscalizados pelo Departamento de Turismo e Certames.
Seus passeios inaugurais ocorreram em 20/10/1951, com excursões ao Alto da Boa-Vista-Canoas e o “Rio à Noite”, como podemos ver no anúncio acima.
 

20 comentários:

  1. As fotos dispensam comentários por razões óbvias. O que foi feito com a região do São Conrado foi um verdadeiro genocídio! São imagens que deprimem qualquer um e servem para "comentaristas neófitos" que, até mesmo por razões etárias, não podem avaliar esse horripilante contraste. Gostaria que uma empresa de turismo fizesse esse "tour" atualmente. Esse "ontem e hoje" deprimente é uma das razões pelo qual sou um saudosista e por conseguinte, arqui-inimigo das favelas, do "clientelismo", do "coitadismo", e obviamente, ferrenho "politicamente incorreto". FF Foi preso ontem nessa região, o "jovem Amarildo", descendente direto de "Amarildo, o mártir", portando uma pistola 9 mm...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apreciaria que o comentarista Joel esclarecesse quem dos regulares comentaristas deste fotoblog ele denominaria como "neófito" considerando que nos melhores dicionários o vocábulo significa "principiante, ou aquele que não tem experiência em determinada matéria". E a culpa seria da idade do dito comentarista!! Por óbvio não se pode ter experiência em todas as áreas mas em se tratando da transformação por que passou a região foco do texto ele por acaso se julga um maior conhecedor? Seria risível se não fosse patético.

      A propósito o boliche mencionado pelo texto como "Meu Boliche" se chamou "Pé de Vento", por mim muito utilizado, apesar de precariedade de suas pistas. E o Bem foi um dos bares/restaurantes que frequentei, além do Pot, do qual possuo até hoje uma caixinha de fósforos. E um dos primeiros galetos do Rio foi instalado nesse local. O local foi um dos mais frequentados da cidade como ponto de diversão depois que o empresário Ricardo Amaral ali instalou seu parque e demais equipamentos como, por exemplo, um rapel e o primeiro tobogã, além de um simulador de Fórmula 1.

      Excluir
    2. Você por exemplo, possui condições de opinar sobre o tema, já que conheceu o antes, o"durante", e o depois. Mas se você só conheceu o "depois", fica difícil a comparação, não é mesmo?

      Excluir
    3. Na verdade a resposta a uma pergunta direta foi arrevezada, insatisfatória e tipicamente tergiversante pois não respondeu quem poderia ser o comentarista neófito. Apenas exemplificou que o autor da pergunta não seria, o que não chega a ser novidade. Mas como não há intenção em estender a polêmica encerro por aqui concordando com a óbvia justificativa.

      Excluir
    4. Minha resposta foi censurada e a que foi publicada foi apenas um complemento da outra. Mas como você mesmo escreveu que não deseja estender a polêmica, compartilho com você essa intenção, ainda mais que não é novidade para ninguém a resposta à sua pergunta...

      Excluir
  2. Gostei dos programas da Saturin.Vou programar os dois em minha próxima estada na Capital..***Tempo de diversão garantida com várias opções e muita segurança. E sem a Lei Seca!!!***Aguardo as informações do Biscoito.

    ResponderExcluir
  3. Valeu a pena ler o texto inteiro. Uma aula magna sobre São Conrado. O que dizer desses que se aproveitaram dos "direitos", como relatado?

    ResponderExcluir
  4. Divertilandia aparece no filme Bonga, o Vagabundo. Creio ter no YouTube.

    ResponderExcluir
  5. Caramba que história,somente que a viveu como poucos comentaristas desse blog puderam testemunhar tantas mudanças creio eu sempre para pior. São Conrado sempre foi um lugar esquisito. O ônibus da Saturin é um monobloco da Mercedes e na última foto um Standar Wanguar acho que era assim que se escrevia.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia a todos.

    São Conrado é bairro de passagem entre as zonas oeste e sul. Para alguns, o primeiro bairro depois que o Rio "acaba".

    ResponderExcluir
  7. Eu estive na Divertilandia em 1970 e isso me valeu uma queimadura por "encostar" o braço no motor de um Kart. Bonga, o vagabundo, filme de 1971, foi filmado na região já nos estertores da Divertilandia, pois as obras da Auto Estrada Lagoa Barra estavam em andamento. Outra locação que merece destaque no filme é a antiga Formiplac em Acari, cujo prédio deu lugar ao atual Hospital de Acari. Em 1972 o paraíso acabou com a inauguração da Auto Estrada. ## Dizem que Big Boy queimava um fumo mas eram apenas ilações. Afinal eram os "anos de chumbo" e o "tratamento preliminar" que era dispensado aos viciados era obriga-los a engolir a erva, beber água mineral gasosa, seguido de um tapa de mão aberta nas costas para "ajudar na digestão". Afinal, "os tempos eram outros"...

    ResponderExcluir
  8. Assim como o Plinio gostaria de saber porque estas pessoas passaram a ter "direitos" sobre as áreas.A quem elas pertenciam e com quem realmente ficaram?Receberam doações? É o que dá a entender no texto e seria mais umaaberração que no funcho deve envolver gente influente e políticos.Será que o administrador pode esclarecer minha curiosidade?

    ResponderExcluir
  9. Não acredito que obiscoitomolhado deixou os carros da terceira foto para mim. À esquerda o pedaço de um Toyota Bandeirante, depois um raro Chevrolet Amazona 62/63, em seguida um Morris Oxford, um Fusca 62 e um Oldsmobile Super 88 1952.

    ResponderExcluir
  10. Deixei o carro da última foto para obiscoitomolhado, mas já que não apareceu, é um Standard Vanguard 1949.

    ResponderExcluir
  11. Dia de folga do seu O BISCOITO MOLHADO, um espaço literário sem censura póstuma, prévia, ou de corpo presente. Na verdade não era folga, pois tratou-se da participação, dentro do Colégio Militar do Rio de Janeiro, em cerimônia comemorativa dos cinquenta anos da turma 61-67, a maior turma que já atravessou aqueles portões seculares. Além de formatura às sete da manhã, foi um dia completo, com placas, discursos, plantio de palmeira e, o melhor, um almoção de cinco horas a que ninguém sobreviveu sóbrio, principalmente eu. Os carros estão identificados com precisão, o Standard Vanguard sem saias só saiu em 1949 e o único reparo deve-se à foto dele não ser a última e sim a penúltima. Na última, colorizada, do Bar Bem, temos um sedanzão GM, 1946-48, provavelmente um Cadillac ou Buick, já que os irmãos menores não se encaixarão naquelas espaçosas dimensões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Biscoito chegou a tempo para ver e falar do último que está na foto em cores.Estava fora do catálogo do Gustavo, Pois não estava muito no foco.Mas o SDR é tabelinha perfeita.Parabéns aos dois mestres...

      Excluir
  12. São Conrado foi o único bairro da zona sul a ter telefones da CETEL.

    ResponderExcluir
  13. Talvez por não ser “zona sul”, não acha?

    ResponderExcluir
  14. Olá. Lendo esse blog viajei no tempo. Nem tudo eu conheci, mas foi muito interessante saber. Gostaria de perguntar se há registro de uma boate, no hotel nacional, que tinha uma Logomarca de um cavalo alado ou algo como um pégaso. Muito obrigada e parabéns.

    ResponderExcluir