Total de visualizações de página

quinta-feira, 8 de abril de 2021

GENEAL

Ontem a GENEAL foi citada num comentário do Paulo Roberto. Então hoje vemos algumas fotos deste tradicional produto que desde a década de 1960 é encontrado no Maracanã e nas calçadas cariocas (agora até em shoppings).

Saudades de comer um cachorro-quente na arquibancada do velho “Maraca”. Havia tanta gente no estádio que o vendedor mal podia se mexer. Atendia aos pedidos de longe jogando o saquinho de plástico com o cachorro-quente, enquanto o dinheiro era jogado de volta para ele. Não sei se isto funcionaria nos tempos atuais.

Nas praias era um quebra-galho para quem queria ficar o dia inteiro, já que não havia as atuais barracas e ambulantes que vendem de tudo.

Coca-Cola e Mineirinho eram as bebidas que usualmente acompanhavam o cachorro-quente.


 ARPOADOR

LEBLON

ATERRO DO FLAMENGO


MARACANÃ

PRAIA VERMELHA

LEBLON

ONDE?

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO

COPACABANA




29 comentários:

  1. A vantagem do cachorro quente Genal é que era um sanduíche "limpo", ou seja, era possível degusta-lo sem se emporcalhar. Ideal para praia, estádios, praças, etc. FF: Foi preso agora pela manhã o casal suspeito de matar o menino Henry na Barra da Tijuca. A mãe do menino e o vereador Dr. Jairinho foram algemados e conduzidos para a 16 DP.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Trágico crime, mais uma demonstração da bestialidade humana.

      Excluir
    2. Vamos ver se ficará na cadeia, branco, rico, político e dizem miliciano. A pergunta é pq demorou tanto as investigações falam que já havia maltratado outras crianças.

      Excluir
    3. Se chegar HC ao STF o Gilmar manda soltar.

      Excluir
    4. De fato na região de Bangu e parte de Realengo "há rumores" de que existem "currais eleitorais" do pai e do filho. O pai foi preso em 2018 e o filho deve "navegar nas mesmas águas do pai".

      Excluir
    5. pelo pouco que conheço da lei das celas, esse sujeito não demora a ser punido no além....

      Excluir
  2. Olá, Dr. D'.

    Só peguei a fase de shoppings da marca. Via o quiosque dela no Shopping Tijuca. Não sei se ainda está lá.

    Há alguns anos saiu uma reportagem sobre a marca acho que na revista do Globo, antes de mudar o nome.

    A segunda foto é do jornal O Dia e foi postada em outras encarnações de fotolog. Sobre o local sem identificação, nem arrisco um chute.

    A placa do fusca da foto 6 "vai fazer 50 anos" em breve...

    ResponderExcluir
  3. Bom Dia! A Geneal dominava durante o dia e o angu do Gomes era o rei das madrugadas. Faltam 26 dias.

    ResponderExcluir
  4. Como bem falou o Joel, o cachorro quente da Geneal era um sanduiche "limpo" e justamente por isto, era a iguaria que meu pai degustava no Maracanã, já que ele detestava cebola e molho. Quanto as bebidas comercializadas nas carrocinhas, a minha preferida era o Sustincau, uma espécie de Toddy/Nescau.

    ResponderExcluir
  5. Havia uma loja da Geneal na rua Barão de Itapagipe nos anos 70. Ficava aberta na madrugada, mas não havia problemas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Joel.
      Poderia me indicar o nome de algum livro que aborde a história da Tijuca e adjacências (e seus personagens ilustres)?
      Faço-lhe o pedido tendo em vista seu amplo conhecimento a respeito da região.
      Obrigado.

      Excluir
    2. André, existem alguns livros sobre a Tijuca, muitos deles genéricos, e outros muito bons. Posso te recomendar um da coleção "História dos bairros, memória urbana", Tijuca. O livro foi escrito por um grupo de pesquisadores da PUR-UFRJ e produzido pela Index Editora/João Fortes Engenharia. O livro é rico em detalhes, fotos, e gravuras.

      Excluir
  6. Geneal sensacional! Foto 4: a grade da arquibancada do Maracanã!

    ResponderExcluir
  7. Bom dia Luiz,
    Se vc permitir, gostaria de fazer uma consulta aos busólogos. Visitando a postagem de ontem, resolvi fazer uma "passeio" virtual pela região da praça da Bandeira quando me deparei com uma foto da R. Hilário Ribeiro onde aparece um lotação parado sendo reformado. Apesar de ter viajado por toda minha infância e adolescência pelos mais variados modelos de lotações, nunca tinha visto um igual, inclusive pelo tamanho (pela quantidade de janelas parece ter mais de 40 lugares). Se alguém tiver interesse aí vai o link....encurtador.com.br/oqxzZ.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O “lotação” parece aqueles antigos ônibus escolares. O colégio Santo Inácio tinha uns parecidos até a década de 50.

      Excluir
    2. Esse é um modelo de ônibus escolar muito usado nos EUA. Acho que no México também há deles em linhas urbanas. Nunca existiu aqui como transporte público.

      Excluir
  8. Sempre que lembro a Geneal me vem à cabeça o Sustincau. Não sei se este era vendido na Geneal.

    Há algum tempo abriram um quiosque dela no shopping Iguatemi, em Vila Isabel. Matando a saudade, comprei um cachorro-quente. Mas me decepcionei, porque me acostumei aos novos cachorros-quentes, cheios de complementos.

    Isso me leva a pensar: se voltássemos no tempo, será que ainda nos alegraríamos com o que nos agradava na época?

    ResponderExcluir
  9. Mauro, faz sentido o que você falou mas o Geneal também era muito presente nas noites, vez que suas carrocinhas ficavam estacionadas na calçada das orlas do Leblon, Ipanema e Copacabana durante toda a madrugada.

    ResponderExcluir
  10. Pelo menos atualmente lojas, quiosques e carrinhos parecem de luxo.
    Na postagem de ontem foi comentado sobre a Praça da Bandeira como o nome do bairro. E é exatamente o que diz no site da Geneal ("Fale Conosco") que temos essa confirmação: Rua Hilário Ribeiro, 22, Galpão H, Praça da Bandeira. Mesma rua onde estava o ônibus escolar citado acima pelo Colaborador Anônimo.

    ResponderExcluir
  11. Em tempo: não sei não... posso estar enganado, mas no site da Geneal tem uma foto, indicada como sendo dos anos 60, que seria dos arquivos de um antigo blogueiro do Rio Antigo e com a irmã dele posando como "modelo" ao lado da carrocinha, ela já se preparando para degustar o tradicional cachorro-quente com mostarda.
    A confirmar.

    ResponderExcluir
  12. No Fundão (anos 70), havia em frente aos blocos do Centro de Tecnologia uma ou duas carrocinhas do GENEAL; muitas e muitas vezes o meu almoço tardio ou lanche no meio da tarde consistia em dois cachorros quentes e uma garrafinha de suco (ou refresco, acho eu) de caju. Quebrava o galho direitinho.

    ResponderExcluir
  13. O cachorro quente da Geneal era seco, sem molho, com um pão mirrado,mas eram um bom quebra-galho. Ê preferível um cachorro quente com muito molho, milho, alface, e pickles.

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde!
    Fui usuário frequente da carrocinha do Fundão. Boa a lembrança do Sustincau.

    ResponderExcluir
  15. Também gostava do refrigerante da Geneal, um tipo de cola que me lembrei do gosto anos depois quando tomei o “Royal Crown cola”.

    Agora aqui na praia do Leblon tem um kiosk Geneal, mas nunca reparei ninguém comendo cachorro quente lá, senão certamente com a minha gulodice teria comido um.

    ResponderExcluir
  16. A Geneal é um exemplo de boa administração.

    Uma marca permanecer em atividade desde o ano de 1963 não é pra qualquer uma.

    Além disso, sabem muito bem se reinventar, atualmente, possuem várias lojas, franquias, diversos produtos diferentes, não são mais dependentes do cachorro-quente (que sinceramente é um pouco sem graça), eles se tornaram igual um "Bibi", "Big Polis", "Big Bi" da vida.

    Vida longa a esse clássico carioca.

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde a todos. Cachorro quente da geneal no Maracanã, me trás a recordação do meu amigo Parrudo o "Grande Torão", infelizmente faleceu no início deste ano de infarto. Com seus 150/160 kg, ele puxava o vendedor pelo braço, fazia-o sentar ao seu lado, mandava o cara ir abrindo o saco do sanduíche e ir contando quantos ele comia, ele ia comendo um após o outro, normalmente eram necessárias duas ou no máximo três mordidas para devorar cada sanduiche, quando ele parava de comer, nunca a conta ficava em menos de uma dúzia de sanduiches, mas na maioria a conta passava dessa quantidade. Grande tricolor, gostava de futebol, ia assistir a qualquer jogo de qualquer time até pelada. Outra grande passagem dele no Maracanã, foi no jogo Brasil x Paraguai nas eliminatórias de 1969, que ele comprou e tacou uma caixa inteira de paçoca numa mulher que estava sentada umas 6 ou 7 fileiras a nossa frente, a sua intenção era derrubar o coque do penteado da pobre mulher.

    ResponderExcluir
  18. Na foto 2 calçada do Leblon ainda com as placas de concreto. Foi trocada pelas pedras portuguesas por volta de 1974/5.

    ResponderExcluir
  19. Eu comi o último Geneal no Shopping Tijuca. Deve ter uns 3/4 anos.
    Nem se comparava com os do tempo do Maracanã.

    ResponderExcluir
  20. Volta Genial e traz de volta o Sustincal por favor....

    ResponderExcluir