Total de visualizações de página

terça-feira, 23 de outubro de 2018

APRENDIZAGEM



 
As fotos 1 e 3 mostram os automóveis em que eram feitos os exames de carteira de motorista em 1953. Era um tempo em que a sinalização com os braços eram obrigatórias, totalmente diferente dos dias de hoje quando quase todos trafegam com os vidros fechados e se utilizam das setas para as mudanças de direção.
 
A foto 2 mostra o exame oftalmológico em 1951.
 

18 comentários:

  1. Naquele tempo dirigir devia ser cansativo. Não havia "setas", luz de freio, e luz de ré, o que reduz a segurança. Além disso a falta do espelho do lado direito era comum, o que torna perigoso o ato de dirigir. Guiar carros como os da foto só é possível em locais como Cuba, baixada fluminense, "sertões" de Jacarepaguá, e toda s área do BRT. Como diria um conhecido "operador da fé", "um espanto!"

    ResponderExcluir
  2. Bom dia a todos. Na minha época em que fiz exame de motorista, os carros eram basicamente todos fuscas. As duas fotos dos calhambeques ambas são na Pça Tiradentes a 1ª pode-se ver no canto superior esquerdo por trás da árvore o prédio onde funcionou o DETRAN, na 2ª onde se vê o Restaurante Oriental muito conhecido como China, servia comida bem barata, este ficava na calçada entre as R. Gonçalves Ledo e Imperatriz Leopoldina.

    ResponderExcluir
  3. Quem vai gostar das fotos de hoje é o Gustavo Lemos, que adora essas aranhas dos anos 30. Na primeira foto, um Chevrolet 1928, ou perto, chamado de Ramona. O carro e o motor eram ótimos, mas, apesar dos seis cilindros, a Ford deu um banho de vendas com o Modelo A, contemporâneo e de 4 cilindros.
    Ao fundo, aparece um estonteante Chevrolet 1953, novinho em folha, reluzente.
    Na foto 3, o carro é o mencionado Ford Modelo A, o Fordeco, não confundir com o Modelo T, que era o Ford de Bigode. Atrás, vem um táxi Chevrolet 1941 e mais atrás, parece ser outro reluzente Chevrolet 1953... será que é o mesmo?

    ResponderExcluir
  4. Trabalhei com um engenheiro que até pouco tempo, apesar de todas as dificuldades dos mais de 80 anos da fabricação e sem folga financeira para ser um colecionador, tinha um Ford 1929 em melhores condições do que o mostrado na foto 1.
    Se fosse um "Onde é?", arriscaria Pç. Tiradentes na foto 3.

    ResponderExcluir
  5. A prova de motorista feita nestes autos me fez lembrar da desaparecida Alcione.Contava ser uma motorista de primeira com desenvolvimento de ações em Brasilia,o que não sei bem o que queria dizer.A prova de transito da antiga comentarista foi efetivada num destes veículos,segundo fotos em poder do JBANque garantia também que a aprovação da Tia foi comemorada com muito Miojo e doses de Martini Seco.Bons tempos.... Ótima postagem.

    ResponderExcluir
  6. Bons tempo.... Aprendi a dirigir em um "Adler" 1937 e fiz o exame em um Ford 1934, com freios mecânicos... Não se dirigia! Brigava-se com os carros !!!

    ResponderExcluir
  7. Quando aprendi a dirigir a sinalização era com o braço esquerdo para virar à esquerda ou à direita e mesmo para parar. Não havia espelho lateral à direita. Às vezes havia um farol adicional junto à porta do motorista em alguns carros. A mudança ficava ao lado do volante e não no chão do carro. O freio de mão também era sob o painel da frente. Todos os carros tinham acendedor de cigarros e cinzeiro. E nenhum tinha ar condicionado. Às vezes tinham um ventilador pequeno que pouco ajudava. Com frequência os pneus furavam e o carro fervia também com frequência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando as Tias Alcione e Nalu foram fazer o exame de direção, o carro utilizado foi um Ford modelo T com manivela...

      Excluir
    2. Toda a sinalização era feita com o braço.Não havia espelho lateral e muitas vezes retrovisor.Nenhum carro tinha ar condicionado as vezes um ventilador pequeno que pouco ajudava e com frequência os pneus furavam e o carro fervia.Chamavam isso de carro? Não vou falar dos itens de segurança e nem vou me estender em detalhes outros pois para mim não passavam de charretes ou mesmo trenós puxados por cachorros.As viúvas ficam babando essas porcarias eu desfilando num Audi A7 Sportback. Eu sou sempre Do Contra.

      Excluir
  8. Boa tarde ! Treinei, para tirar a carteira, em um Jipe não sei de que ano. A sinalização de "para a esquerda", "para a direita" e de "parar", era feita com o braço. A Escola que freqüentei, ficava na Av.Mem de Sá, porém não tenho mais a mínima lembrança do nome dela. Certo dia, o treinador me colocou para dirigir na Av.Presidente Vargas. Que eu me lembre, nunca suei tanto na vida quanto naquela ocasião...O exame de direção foi feito na Tijuca (ruas Campos Sales, Mariz e Barros e Ibituruna). Os examinadores desejavam ver como eu me sairia na confluência das 3 ruas onde, se não me falha a memória, havia dois sinais de trânsito. Como me sai bem, logo depois da confluência, mandaram eu parar. A baliza foi realizada em torno do Maracanã.

    ResponderExcluir
  9. Peralta,o implicante23 de outubro de 2018 14:17

    O Ford da Tia Nalu tinha bigode e barba.Era PT.

    ResponderExcluir
  10. Não peguei este tempo, mas nos anos 40, mesmo para ser motorista amador era necessário passar no "exame de ruas".

    ResponderExcluir
  11. A resposta dada ao Plínio pelo Do Contra me faz lembrar a revista Mad e suas tirinhas sobre aqueles que têm muito e os que nada têm.
    Sobre carros, o que nada tem vive sonhando com um Fusca usado (hoje seria qualquer 1.0), o mais ou menos tem Fusca e sonha com um Siena e assim vai até chegar àquele que têm um Audi A7 e sonha com uma Ferrari LaFerrari Aperta 2018. Mas tem o que está por cima de todos e tem essa Ferrari, porém seu maior desejo é ter um raro Packard 1927 conversível e com banco do lado de fora para a sogra. E justamente aquele que está abandonado em algum galpão de fazenda e cujo dono se nega a vender por ser relíquia da família.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sonhar com um Siena é um verdadeiro pesadelo!

      Excluir
  12. A auto escola onde tive meu aprendizado ficava na Praça 7 de Março, onde atualmente a pizzaria Parmê. Minha prova de baliza foi em uma rua do Engenho novo ou Lins. Naquela época era possível, afinal era 1977 vivíamos o "pacote de Abril", "os tempos eram outros", e "cada um conhecia o seu lugar". Hoje em dia nem pensar...

    ResponderExcluir
  13. Parabéns ao Saudades do Rio que já passou das 300 mil visitas nesse 1 ano e 10 meses do atual endereço, o que chega a umas 450 visitadas de média por dia.

    ResponderExcluir
  14. O biscoito acertou. Meu avô teve um Modelo A 1928 idêntico ao da terceira foto. Já até postei no Facebook.

    ResponderExcluir