Total de visualizações de página

quinta-feira, 16 de maio de 2019

FAVELA MACEDO SOBRINHO




 
As fotos de hoje, “with a little help from my friends”, mostram a região do Humaitá e Fonte da Saudade, com destaque para a favela Macedo Sobrinho, que foi uma das removidas durante o governo de Carlos Lacerda.
Imaginem como estaria essa favela se não tivesse sido removida por Lacerda. Certamente os morros São João e Cabritos seriam uma grande e enorme favela, com Catacumba, Macedo Sobrinho e Tabajaras unidas. Hoje a única não removida já tomou grande parte da face no Morro dos Cabritos.
Numa das fotos se pode constatar que a agulha do lado direito do posto de gasolina do Humaitá não existia e a Visconde Silva terminava (ou iniciava) na Macedo Sobrinho. A rua em ziguezague é a Rua Casuarina. É sem saida e hoje temos uma boa quantidade de casas construídas, embora desvalorizadas pela favela que existe no alto. Pode-se chegar até ela por: Rua Huamitá - Rua Eng. Marques Porto - Rua Casuarina ou  Rua Fonte da Saudade - Rua Bogari - Rua Casuarina.
Neste local havia uma pequena fortificação colonial (Forte da Piaçava) que guardava os "fundos" da Cidade. Quando da remoção da favela, as bases da fortificação apareceram. Anos depois foram solenemente ignoradas pelo Socialismo Moreno quando da construção de um CIEP no local.

15 comentários:

  1. Na última foto, entre Fuscas, Zés do Caixão (3 Zés e 2 Fuscas!) e Opalas, dois carros interessantes, seguindo o caminhão: um Aero-Willys 1962 e Morris (ou Austin) 1100/1300.
    O Morris (ou Austin) 1100/1300 não é exatamente um clássico, mas foi bem raro por aqui. Fabricado a partir de 1963, foi uma tentativa de fazer um Mini (aquele, o famoso Mini) maiorzinho, com 4 portas. Tinha muitas características do Mini, como motor transversal e a suspensão meio borracha-meio líquida (que até hoje não sei qual a vantagem...), mas suas vendas nem de longe chegaram perto das do Mini.
    Além das marcas Morris e Austin, os ingleses ofereciam o mesmo carro com nomes como MG, Wolseley, Riley, Vanden Plas, variando apenas a grade, o acabamento e o número de carburadores.

    ResponderExcluir
  2. Só depois da remoção dessa favela é que foi possível o alargamento e consequente revitalização da região do Humaitá. Quando morei em Botafogo em 1965 eu costumava passar com meu pai nessa região, muitas vezes a pé. Apesar de não haver qualquer tipo de violência naquele tempo e a sujeira e a precariedade eram a regra. É fato que em muitos barracos não havia água e energia elétrica e incêndio era "coisa comum". Na década de 1940 foi promulgada uma Lei pela Prefeitura do D.F na legislatura de Mendes de Morais que determinava a proibição da construções de alvenaria nas favelas sob pena de demolição das mesmas. Quando em 10 Janeiro de 1966 se abateu na cidade o maior temporal de que se tem notícia, o resultado foi devastador na Macedo Sobrinho e uma enorme quantidade da barracos veio abaixo. Grande parte desses moradores acabaram sendo assentados em uma Cidade de Deus ainda inacabada. As celeridade na época da remoção de favelas da Guanabara era impressionante, afinal eram "outros tempos".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas lei educadoras - mas que não têm fiscalização - acarretam absurdos. Em Santa Teresa há permissão de construir 10% ou 15% da área do terreno, conforme a cota seja superior ou inferior a 80 metros.
      Ninguém constroi, vem o "empreendimento caucasiano"e aí se constroi em 100% do terreno mais uma comunidade.

      Excluir
    2. A erradicação total da favela Macedo Sobrinho se deu já no governo Negrão de Lima e o alargamento da rua Humaitá foi concluído após o final de 1966 ou 67. O edifício Primavera e o posto de gasolina eram limítrofes com aquela "urbe". Uma descrição dessa remoção pode ser encontrada no livro Cidade de Deus, que mostra o "mosaico populacional" formado na CDD devido à variedade de pessoas oriundas das diversas favelas removidas de diferentes pontos da cidade naquela época. Existe uma infinidade de fotos do Humaitá nos anos 50 mostrando uma aparência típica de "desordem urbana", onde "cabrochas" carregam latas d'água na cabeça.

      Excluir
    3. Minha família morava na Macedo Sobrinho antes de ser removida.
      Logo após a remoção, se alojaram no complexo de favelas da Maré, onde criaram barracos feitos de palafitas.

      Excluir
  3. Bom dia,Luiz,pessoal,
    O forte da Piaçava era considerado "bateria de terra e faxina", ou seja, de categoria inferior, quando comparado com aqueles que ficavam na entrada da barra, por exemplo.A sua finalidade era coibir desembarques na Lagoa ou na praia do Leblon,então facilmente avistada daquele ponto.Segundo a Wiki, alguns dos seus canhões estão no MHN.
    Na segunda foto, aparece um conjunto de sobrados ecléticos de ornamentação neoclássica. Queria checar se eles ainda existem.A rua seria a Miguel Pereira?

    ResponderExcluir
  4. É notório que não havia violência nas favelas daquele tempo nem tráfico de drogas. FF: O conflito entre baderneiros e a Polícia Militar na região da Central do Brasil onde um ônibus foi incendiado, mostra que as leis brasileiras continuam a ser motivo de chacota. Talvez estimulados por isso esses baderneiros travestidos de "estudantes" não tenham tido uma resposta adequada. Nada justifica a violência, principalmente quando é praticada por motivação torpe. Quanto ao "contingenciamento de verbas" nas universidades federais, mote das manifestações, foi de "somenos importância" para a maioria, pois as "palavras de ordem" gritadas pelos mesmos se resumiam a "Lula livre e fora Bolsonaro", além de siglas do PT, Psol, e outras facções. Uma "massa de manobra" afásica e devidamente "doutrinada".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Observador Político16 de maio de 2019 08:49

      Uma coisa é certa: Jânio ressuscitou.

      Excluir
  5. No alto da Casuarina está surgindo um clube. Tenho fotos dos últimos 10 anos , já mandei pro Globo, mas deve ter alguém quente pois a matéria não sai.essa semana desmataram mais uma nesga. Vem casa aí e ninguém faz nada. O dia que rolarem morro abaixo ...

    ResponderExcluir
  6. Estou aqui tentando me situar,mas está difícil.Passo pelo Humaitá quando estou no Rio, mas...Assim vou ficar com a observação do Waldenir em relação aos casarões da segunda foto e ao Morris do Biscoito que pelo relato parecia viver uma crise de identidade...
    FF:O) Flamengo conseguiu uma boa vantagem,mas o joguinho foi muito ruim.Lembrei do Lino por diversas vezes.

    ResponderExcluir
  7. Meu primo mora, no Largo dos Leões,de onde.se vê uma favela imensa.
    O apartamento é de fundos. Que favela é essa afinal?

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde a todos.
    Post de hoje deveria ser chamado de "Paraíso de Joel".
    Brincadeiras a parte, esse é o retrato histórico das relações escusas, hipócritas, e o que mais houver onde todos participaram, seja a Classe Política, Igreja Católica, Templos Pentelhostais, Povo, Classe Média, Crime Organizado, Servidores Públicos, e Capitalistas.
    Já disse isso aqui algumas vezes e irei repetir: Todos fomos e somos culpados pela existência de tal horror.
    Afinal de contas, aonde mora a faxineira, o servente, o pedreiro, o porteiro, e por aí vai?
    Como a mão de obra barata sempre é "bem vista", aí está o problema até hoje e, duvido se daqui há 100 anos haverá alguma solução para isso.

    ResponderExcluir