Total de visualizações de página

domingo, 21 de julho de 2019

EDIFÍCIO BARÃO DA LAGUNA


 
 
Vemos  o majestoso edifício Barão de Laguna que, situado na Praia do Flamengo, representa uma das grandes realizações do Banco Hipotecário Lar Brasileiro. Essa instituição, com o louvável intuito de colaborar na solução do grave problema da falta de habitações, está promovendo a construção de grandes edifícios residenciais na capital e em muitas outras cidades do Brasil (Rev. Brasil Moderno).
 
Durante muitos anos funcionou neste edifício a "Sede Nova do Flamengo". Após ter sido comprado pelo Eike o prédio ficou semi-abandonado. Mais recentemente o Flamengo conseguiu vender o prédio, que está sendo reformado, mantendo entretanto alguns apartamentos.

20 comentários:

  1. Bom dia a todos.
    Dizem que será um condomínio de luxo. Torcendo para que dê certo. A vista é fantástica.

    ResponderExcluir
  2. Sensacional a primeira foto com o mar chegando pertinho do prédio. Nunca tinha visto esta parte específica antes da chegada do Aterro.

    ResponderExcluir
  3. Se não me falha a memória, esse empreendimento é de 1950 ou 51 e mostra uma concepção arcaica e eivada de "ranço lusitano". É inconcebível atualmente em apartamentos de quatro quartos e dois salões possam ter apenas dois banheiros sociais. Outro detalhe é a existência de dois quartos de empregada. Seriam inspiradas em "memória inconsciente de tempos de senzala"? Apesar dos apartamentos construídos, em tese para muitas pessoas, a inexistência de vagas de garagem é um fator que para a utilização atual, é altamente depreciativo. Como pontos positivos podemos enumerar as condições de pagamento utilizando a tabela price e a "visão norte americana" de residências amplas, mostrando que eram destinadas à pessoas prósperas e que eram a "marca USA em tempos de guerra fria", bem diferente da concepção atual, onde imóveis de dois quartos com 45 m2 são o "padrão nacional" encontrados em centenas de empreendimentos do tipo "minha casa minha vida" e de "padrão esquerdista". São imóveis de péssima qualidade, construídos com matéria barato, localizados em áreas desvalorizadas e degradadas, e que são uma criação dos governos petistas, e que podem ser vistos em subúrbios como Pavuna e Cordovil como também na zona oeste em locais como Bangu, Realengo, Campo Grande, e Santa Cruz, cuja localização denota bem o calvário perene de seus moradores...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que há o início de uma tendência de se abrir mão do carro particular. Para os que não viajam o metrô e aplicativos tipo Uber ou os táxis, além da Lei Seca e a falta de estacionamentos, contribuem para não se precisar de carro na cidade.

      Excluir
  4. Em cidades européias e Norte - Americanas a quantidade de linhas de Metrô é espantosa. Londres e N.Y possuem dezenas de linhas cada uma, sendo que o Metrô de Londres foi inaugurado em 1863. No Brasil J.K e os governos militares erradicaram milhares de quilômetros de ferrovias e F.H, um comunista disfarçado, "privatizou" o que sobrou e o dinheiro "sumiu". Metrô do Rio possui duas linhas e os trens suburbanos tiveram suas linhas reduzidas. Com essa fantástica" malha ferroviária, a próxima ação dos governos municipais e estaduais será o plantio de muitas árvores pra viabilizar o "meio de transporte do futuro": O cipó!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faltou dizer que os militares acabaram com a malha ferroviária, para estimular a industria automobilista americana, ou seja patriotas que nada, um bando de lambe botas do tio Sam e o mais engraçado foi: "F.H, um comunista disfarçado "privatizou"". Ué Se é comunista não deveria estatizar... kkkk a internet é hilaria mesmo, pelo menos foi verdadeiro ao falar da extinção da malha ferroviária.

      Excluir
  5. Pela visão tosca e míope da realidade brasileira de alguns deveríamos acabar com o programa "Minha Casa, Minha Vida", para o programa "Minha Calçada, Minha Vida", ou "Meu Viaduto, Minha Vida"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz sentido a sua colocação! Afinal os objetivos da "ordem vigente até então estavam sendo cumpridos. Com uma população empobrecida as ruas, praças, e calçadas, estão sendo a moradia de muitos. Imóveis custando 150.000 Reais estão "encalhados", já que com juros de 10% ao ano, "renda familiar" de 3.000 Reais, e com 30% da renda comprometida, o "felizardo mutuário" vai "viver de que"? Não é sem razão que o tráfico "vai muito bem obrigado" nessas regiões, afinal essa é uma das facetas do "projeto bolivariano" que tentaram implantar no Brasil.

      Excluir
    2. Joel. Quem mais vive nas ruas do RJ são pessoas oriundas de cidades do interior, de outros Estados da Federação, e de outros países.
      Por mais incrível que se possa parecer, mas os RJ consegue "importar" miseráveis.
      Outra coisa. Sou a favor que mude o Minha Casa, Minha Dívida para Meu Caixão, Minha Morte.

      Excluir
    3. O Meu Caixão, Minha Morte já está se desenhando para os aposentados depois da reforma...

      Excluir
  6. Bom dia a todos. O retrofit atual deste prédio modificou bastante do projeto original, adequando as necessidades atuais.

    ResponderExcluir
  7. O estilo de vida da nova geração impõe a tendência de imóveis de 1 ou 2 quartos, de proporções reduzidas, com infra-estrutura de clubes, com valor acessível e condomínio mais em conta. Normalmente solteiros ou casais sem filhos, no máximo um filho.

    Pra quê mais de 60 metros quadrados?

    ResponderExcluir
  8. Mais armas e toneladas de drogas apreendidas no Rio. A PF aumentou em 70% a apreensão de drogas esse ano. Não é a toa que tem uma turminha chateada e fazendo birra nesses últimos meses....

    ResponderExcluir
  9. Belas fotos.O local é maravilhoso e so resta torcer para que dê certo.

    ResponderExcluir
  10. Recentemente o "judiciário" gaúcho decidiu que atirar contra policiais não é necessariamente tentativa de homicídio. Admirável mundo novo. O que estaria por trás de uma aberração como essas? Acho que todos sabemos muito bem....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eduardo, a doutrinação esquerdista do judiciário produz "pérolas desse tipo". Por outro lado, se a vítima fosse um negro, travesti, gay, sapatão, ou traficante, a mesma magistrada iria empregar o "discurso de sempre", o eterno boa bla bla usual de vitimismo, racismo, etc, e demonizar os policiais. Honestamente, contra fatos não há argumentos. A favela descrita no belíssimo samba de Herivelto Martins "Ave Maria no morro", ficou nas brumas de um passado remoto e só existe na mente de "desinformands, afásicos, e tendenciosos". Não é de hoje que se transformaram em fortalezas "narco-eleitorais", e a última operação das polícias na Maré onde foram apreendidos 23 fuzis, uma metralhadora .30, pistolas, granadas, além de 8 toneladas de drogas dispensa comentários. Quem insiste em vitimizar moradores de favelas ou "defende interesses ideológicos, políticos, e/ou inconfessáveis. Um fato óbvio é que existe no mínimo uma "grande simbiose", um teatro montado para justificar condutas e ações criminosas cujos interesses políticos são óbvios.

      Excluir
    2. FF: Teclando "no trânsito" alguns erros acontecem.

      Excluir
  11. Para os senhores pensarem no assunto. Se a construtora financia a construção de prédios se utilizando do FGTS do trabalhador, este tem a sua economia remunerada pela T.R. + 3% ao ano, logo a construção também deveria ser corrigida pela T.R. + 3% ao ano.

    ResponderExcluir
  12. Acredito que há um engano no texto. Nesse edificio nunca funcionou a sede social do Flamengo, que depois foi comprada pelo Eike Batista para virar um hotel e após a falencia do mesmo, foi abandonada, chegou a ser invadida por moradores de rua e agora esta recebendo um retrofit para unidades resisdenciais.
    O prédio que pertencia ao Flamengo, e comprado pelo Eike, é o prédio situado ao lado, de nome Hilton Santos, também conhecido como sede do Morro da Viúva. Isso é facilmente notado pelas fotos. Da "Praia do Flamengo" seria impossível ter uma vista frontal do Predio Hilton Santos. Além de que todas as unidades pertenciam ao Clube do Flamengo, que alugava ou disponibilizava para seus atletas de fora do Rio de Janeiro morarem, o que facilitou a venda total para o EiKE Batista.

    ResponderExcluir
  13. Exatamente Leandro , morei muitos anos no Barão de Laguna.

    ResponderExcluir