Total de visualizações de página

terça-feira, 3 de setembro de 2019

JOCKEY CLUB




 
A sede do Jockey Club, inaugurada em 1913, foi um projeto de Heitor de Mello e foi um dos centros político e mundano da cidade, por mais de 60 anos, na esquina das avenidas Rio Branco e Almirante Barroso.
 
Ao lado do prédio do Jockey ficava a sede do Derby Club, projeto do mesmo arquiteto, inaugurada em 1916.
 
Em 1932 os antigos rivais se uniram e o conjunto dos imóveis transformou-se na sede do Jockey Club Brasileiro.
 
Na década de 70, quando a sede foi demolida, muito do que havia em seu interior teria sido saqueado.
 
Segundo informou o Rouen, parte dos guichês do "hall" interno decoram um escritório em São Paulo. E o prezado Conde nos conta que ali havia o mais belo bar do Brasil, além de acrescentar: "onde quer que se vá se encontra algo da sede velha do Jockey".
 
Contam que, quando da demolição do prédio, todo o bar foi comprado por Edmundo Furtado, que construiu uma casa em SP especialmente para recebê-lo. Nascia o Santo Colomba, bar do High Society paulistano.
 
 
 
 

13 comentários:

  1. Bom dia,Luiz,pessoal,
    Eu imagino que, depois do Monroe, este foi o maior crime cometido contra a Av.Rio Branco, em termos de demolições. A segunda foto, particularmente, por ser mais recente e mostrar o MNBA, dá a exata dimensão do que foi perdido.
    O grau de ornamentação eclética da fachada só foi igualado pelo Theatro Municipal. E pensar que hoje há apenas a longa "caixa preta"do Ed.Paula Machado. A mudança foi tão brutal que alterou até mesmo a distribuição de luz nas galerias superiores do citado MNBA, se vc percorre a galeria virada para o lado da rua Heitor de Mello, é sombria,mesmo com as lâmpadas. Ao contrário, na galeria voltada para a rua Araújo Porto Alegre a luz é plena.Isto acontece porque os projetos deles (MNBA, Biblioteca Nacional e o Derby) eram coordenados em termos de altura/posição, para não interferir na iluminação zenital das clarabóias do MNBA. Mas o progre$$o atual não quer saber disso, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Dr. D'.

    No documentário sobre a derrubada do Monroe, também são citados os casos do Jockey e Derby Club, vítimas da mesma casualidade. Outros tempos? Nem tanto, já que não foi a primeira vez, nem foi a última...

    ResponderExcluir
  3. Só no Brasil é que destroem prédios como o do Jóquei, de inestimável valor arquitetônico. E para que? Em contrapartida constroem prédios de utilidade duvidosa em locais como o Porto Maravilha. FF: Foi preso agora de manhã (mais uma vez) o casal Garotinhos. Ainda FF: A Record mostra agora uma ação da Polícia Militar na CDD onde é possível observar o quão são perniciosos os moradores de favelas. Homens, mulheres, e jovens desocupados incendiando pneus e desafiando a Policia com provocações e impedindo o trânsito. Jatos de água, gás de pimenta, e borrachadas no lombo resolveriam o problema. O fato é que enquanto essas favelas não forem declaradas como "zonas de exclusão" o Rio de Janeiro será uma "zona permanente".

    ResponderExcluir
  4. Em tempo, a segunda foto é do Sr. Giorgi Szendrodi. As outras duas confesso não lembrar, mas circulam pela grande rede.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esqueci de dar os créditos. A primeira foi garimpada pelo Marcos C. Silva, a segunda é da coleção Szendridi e a terceira está no livro Brazil que me foi presenteado pela tia Lu.

      Excluir
    2. Acho que foi isso. Tenho quase certeza absoluta de ter esse livro e já ter visto a foto.

      Falando em livros, o programa de hoje é ir na Bienal mais tarde.

      Excluir
  5. Bom dia a todos.
    Beleza de fotografias.
    Ninguém diz que é no falido Rio de Janeiro.
    A terceira fotografia até me fez recordar da antiga serie do Agente da UNCLE, pelo estilo terno usado pelos dois sujeitos.
    Penso que essa coisa de que artefatos e coisas que eram de tempos de outrora nos palácios do Rio de Janeiro, já virou lenda urbana.
    E um tal de disse me disse que ninguém tem provas concretas sobre nada. Que o diga o mobiliário do Monroe.
    Luiz. Você saberia dizer se esse Derby Club nasceu no antigo bairro do Derby Club ou foi o responsável pelo surgimento desse mencionado bairro???
    Em relação ao dia de ontem, parece que resolveram tirar o esqueleto do armário do velho "Pinóquio" da região do Calabouço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Derby Club, fez sua primeira reunião turfística em 1885. O hipódromo havia sido edificado em terrenos adquiridos à Condessa de Itamaraty, onde hoje é o Maracanã.

      Excluir
  6. Seria bom um inventário para saber onde foram os tesouros.Garanto que ficariam bem alojados na minha igreja.

    ResponderExcluir
  7. Com relação ao comentário das 07:54, procedem as suspeitas sobre a demolição de alguns prédios como o Monroe e a Faculdade de Medicina da Praia Vermelha. Segundo essas suspeitas, foi o governo militar o responsável pelas demolições. Um por "picuinha" e outro como uma retaliação por ser um "núcleo de subversão".## Wolfgang, o "esqueleto" se mudou da Misericórdia para o Lido. O fato é que até de forma anônima percebe-se o estilo sorrateiro dos ataques. Mas "botar a cara" que é bom, nada....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Observador de alcunhas3 de setembro de 2019 12:42

      Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  8. Parece que hoje a Globo vai deixar de lado um pouco o excrementíssimo para se dedicar ao desafeto local.

    Falando no excrementíssimo, a mugida, quer dizer, unção do Macedo domingo não deu muito certo para o time dele, que demitiu o Scolari.

    ResponderExcluir
  9. FF: Em 03 de Setembro de 1962 circulou o primeiro ônibus elétrico no Rio de Janeiro. No dia anterior deixou de circular a primeira linha de bonde da zona sul, o Praia Vermelha.

    ResponderExcluir