Total de visualizações de página

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

RAINHA DA INGLATERRA








 
Em novembro de 1968 a rainha Elizabeth, da Inglaterra, visitou o Rio de Janeiro. Vemos hoje fotogramas com eventos que contaram com a presença da rainha: no Monumento aos Mortos, em desfile na Av. Atlântica, na recepção na embaixada da Inglaterra (na Rua São Clemente) e na recepção no iate Britannia. E também uma foto do ingresso do jogo Cariocas x Paulistas, bem como a taça entregue a Pelé, sob o olhar de Negrão de Lima.
Outros lugares foram visitados tal como a Igreja Anglicana, na Rua Real Grandeza, onde a soberana e o Duque de Edimburgo chegaram acompanhados do cônsul inglês John Kerly e foram recebidos pelo reverendo E. C. Wilcokson.
Durante os dias que passou no Rio a rainha ficou hospedada no iate Britannia, onde ofereceu um jantar para o Presidente da República (Costa e Silva). A rainha usou um vestido de seda de zibeline, uma tiara, um colar de três voltas e longos brincos. Dona Iolanda estava com um vestido verde com brocados de ouro. Também participou do lançamento da pedra fundamental da Ponte Rio-Niterói. Face ao templo nublado a visita ao Corcovado foi trocada por uma ida ao Mirante Dona Marta.
Na ida ao Maracanã, em 10/11/1968, viu os paulistas, capitaneados por Pelé, vencerem por 3x1 os cariocas, capitaneados por Gerson. Consta que o embaixador Lael Soares teve dificuldade em traduzir para a rainha o que a torcida gritava a cada marcação do juiz Armando Marques.
Na recepção na Embaixada da Inglaterra é surpreendente ver a rainha com uma estola de peles em pleno novembro no Rio. Mais tarde, após o jantar, Elizabeth assistiu da sacada uma exibição de Escola de Samba nos jardins da embaixada. Deve ter gostado tanto e contado para o filho, pois dez anos depois fez sucesso uma foto do príncipe Charles, quando de visita ao Rio, tentando sambar junto com a Pinah.
Na ida ao Monumento aos Mortos foi recebida pelo ministro do Exército (Lira Tavares), pelo chanceler Magalhães Pinto, pelo governador Negrão de Lima, entre outros e depositou uma coroa de flores protocolar.

17 comentários:

  1. "Eram outros tempos". Eu estive nesse jogo e o clima era um tanto "protocolar", e civilizado por parte de uma torcida que, apesar de urinar nos corredores das arquibancadas e atirar "bagaços de laranja" e copos de papel com urina na "geral", podia ser classificada como "educada", tendo em vista os parâmetros atuais onde até homicídios são cometidos nos estádios. Com relação ao termo usado até hoje para qualificar indivíduos como Armando Marques, ainda acho o mais "educado", já que "bicha" advém do francês "biche", fêmea da corça, entre nós o popular "veado". Estávamos às vésperas do A.I.5, o clima no Brasil era tenso e "muita água ainda iria rolar", pois afinal "os dias eram assim".

    ResponderExcluir
  2. Considero a monarquia uma coisa ultrapassada mas a rainha da Inglaterra é um exemplo de dedicação. Infernal deve ser a vida do Charles que vive há décadas esperando para ser rei e não será.
    A série The Crown é muito legal e a atriz que interpreta a rainha é espetacular.
    Quanto aos generais citados é melhor deixar prá lá.
    A rainha devia estar delirando em usar abrigo de pele no Rio.
    De se registrar a tranquilidade das autoridades no desfile junto ao povão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao contrário da "arquimilionária" Elizabeth II, sua antepassada Elizabeth I foi uma das mais atuantes monarcas de de seu tempo. A filha de Ana Bolena e Henrique VIII lutou contra os franceses e contra os espanhóis durante quase todo o tempo dos seus 45 anos de reinado, e sua vitória sobre a "Invencível Armada" de Filipe II em 1588 foi seu maior trinfo. Mandou matar a rainha da Escócia, a católica Maria Stuart. Ardilosa, cruel, mas sobretudo uma grande estadista, nunca se casou, mas teve inúmeros amantes, sendo o mais célebre deles Sir Francis Drake. Era conhecida como a "Rainha virgem". Morreu solteira em 1603...

      Excluir
    2. Observador político2 de fevereiro de 2018 11:09

      Ao contrário do comentário das 7:48, as nações mais civilizadas do mundo são regimes monárquicos.

      Excluir
  3. Ela continua firme e forte.A reprodução destes eventos aqui no blog me fazem refletir como o Brail mudou.Em 50 anos a coisa desandou pois piorou mesmo nos últimos 30 anos.Ontem o Rio teve mais um dia de sobressalto,mas tem gente que continua a negar os fatos.O governador, por exemplo, deu a entender que a imprensa só noticia coisa ruim..É pode ser...

    ResponderExcluir
  4. Bom dia a todos. Estava no Maracanã neste dia, o jogo em si foi bem ruinzinho, porém com os jogadores que estavam em campo, seria um espetáculo se comparado com as peladas jogadas hoje nos campeonatos estaduais e até mesmo no brasileirão. Já quanto a passagem da rainha pela cidade, naquela época não me trazia nenhum interesse.
    PS. E o Flamengo continua contratando muitos jogadores, alguns na minha opinião totalmente desnecessários, depois no final do ano se não ganharem nada novamente, não sabem onde foi o erro.

    ResponderExcluir
  5. Belletti, a título de reflexão e nada mais, isso é óbvio pois piorou muito. Não há termo de comparação e vou mencionar um certo comentarista que está desaparecido do SDR e que foi praticamente excluído daqui, depois de ridicularizado pela sua "fixação" de que os comunistas estavam tomando o poder. Guardadas as devidas proporções, vejo que ele não estava assim tão diante da realidade. Apesar do exagero de seus comentários, quase sempre desqualificados e ridicularizados "por alguns", estamos vendo absurdos em quantidades paquidérmicas e em velocidades supersônicas que passam "in albis". A constituição federal é "quase tão acatada" como a constituição venezuelana o é por Nicolás Maduro, atropelada por quadrilheiros legislativos e por bandidos de toga, mas o povo está mais preocupado com o desfile da Sapucaí, dos blocos, bem como de toda a torpeza e a imoralidade que regem esses tempos nebulosos, com notícias sobre Anita, Pablo Vittar, Ludmilla, Neguinho da Beija-Flor, e muitos outros, sempre adorados, aclamados, e incensados tanto pela choldra usual, pela mídia "marrom cocô", e pela suposta "elite letrada e engravatada". Mas basta que se comente sobre qualquer fato do período militar para que os "narizes de alguns" sejam torcidos como se estivessem diante de "algo absurdo"! Por que será? Falta de patriotismo, consciência, ou memória, ou todas as alternativas? Vemos no noticiário político que muitos desses críticos ferrenhos do período militar tiveram "negócios" junto a eles como participações, empresas, e "otras cositas más". Acho difícil alguém que viveu há 50 anos ache que vivemos melhor atualmente. Mas cito aqui sempre duas assertivas muito conhecidas de Nélson Rodrigues: "A unanimidade é burra", e a outra diz algo como "dominar o mundo"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. corrigindo: distante da realidade.

      Excluir
    2. O nome desse comentarista é Eduardo.Tinha razão em muita coisa.

      Excluir
  6. Ao retornar, veio de lancha até o Aeroporto, no Galeão. Uma meia duzia de soldados da Aeronáutica interromperam o trânsito por uns cinco minutos e a Rainha da Inglaterra, com toda a sua pompa atravessou a pé a Estrada do Galeão. Eu estava como passageiro em um ônibus da Ideal assisti a cena, hoje em dia, inimaginável.

    ResponderExcluir
  7. Na terra da Rainha ,parte do povo apoia a monarquia e outra nem tanto achando essa parte contra, ser um desperdício com tanto luxo e pompa. Charles jamais será rei, se a mãe não morrer antes ela abicará em favor de William. Um desfile desse hoje em dia nem pensar, apesar de que o Papa desfilou com tranquilidade.

    ResponderExcluir
  8. "Quando o primeiro espertalhão encontrou o primeiro imbecil, nasceu o primeiro rei." Essa frase antológica do Millôr é tão sensacional que a palavra "rei" pode ser substituída por "Deus". Impressionante como o ser humano precisa idolatrar, seja lá o que for...

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde a todos.

    Parte dessa visita foi exibida naquela série de documentários estrangeiros que passou na Globo.

    ResponderExcluir
  10. Considerando a qualidade das fotos e do acontecimento, são dispensáveis alguns conceitos externados por alguns comentaristas. A presença dos militares tem sido uma constante na história do Brasil, embora na maioria das vezes tenha sido inoportuna e inconveniente. Temos um agradável período de 33 anos sem que tenham se manifestado. Esperamos que continue assim, apesar de manifestações deletérias de alguns comentaristas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradável! Caramba, como assim...... Por favor explique melhor, para que eu entenda....

      Excluir
  11. Pela oportunidade da postagem vale lembrar que este ano estão programados eventos na Inglaterra para comemorar 100 anos da edição do "Representation of the People Act" que estabeleceu o voto feminino no Reino Unido. Muitos atribuem essa vitória das mulheres ao movimento das chamadas Sufragistas durante a Primeira guerra Mundial. O tema foi abordado no filme de 2015, "As Sufragistas" (Sufragette).

    ResponderExcluir
  12. Uma pérola de D. Iolanda: encantada com o príncipe mandou um “You are a bread”!
    Desespero total da diplomacia brasileira.

    ResponderExcluir