Total de visualizações de página

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

VISITA DE CRAVEIRO LOPES









 
Em 1957 o Presidente de Portugal, o General Craveiro Lopes, visitou o Rio de Janeiro.

"Ao som dos hinos nacionais de Portugal e do Brasil, do bimbalhar dos sinos das igrejas, do estrugir dos foguetes que sobem aos ares, das sereias dos navios na Baía de Guanabara, desembarca no Cais do Arsenal de Marinha o Presidente de Portugal. Depois de 1808, quando chegou ao Rio de Janeiro o Príncipe-Regente D. João VI, é o General Craveiro Lopes o segundo Chefe-de-Estado de Portugal que vem visitar o Brasil".

Recepcionado pelo Presidente Juscelino Kubitschek, ambos desfilaram pela Avenida Atlântica em carro aberto, coisa impensável nos dias atuais, quando os governantes têm que se esconder do povo.

Foi uma semana de muitas festividades, com grande sucesso, culminando com este desfile ao qual assisti a partir do 5º andar do Edifício Vesper, na esquina da Rua Figueiredo Magalhães. O desfile dos "Dragões da Independência" foi um dos destaques naquela manhã na Avenida Atlântica. A passagem dos Fuzileiros Navais foi sob "as mais vibrantes aclamações do povo". Mais de 30 mil homens do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, desfiram sob os gritos de "Viva Portugal" e "Viva o Brasil"!

No dia 12/06/1957 já acontecera uma magnífica festa esportiva no Maracanã, quando se enfrentaram os times do Brasil e de Portugal, com vitória dos brasileiros por 2 x 1. O Brasil jogou com Ernani; Paulinho, Bellini, Jadir e Nilton Santos; Zito e Didi; Garrincha, Pagão (Moacir), Del Vecchio (Tite) e Canhoteiro. Gols de Didi, Tite e Matateu. Junto aos presidentes estavam suas esposas, D. Berta Craveiro Lopes e D. Sarah Kubitschek, todos acompanhados pelo embaixador Negrão de Lima.

Ao banquete no Palácio Itamaraty compareceram 5 mil convidados que desfrutaram "de uma noite de gala e de indelével recordação na alma dos portugueses e brasileiros", como contaram os jornais da época. Na foto da mesa central do banquete vemos a senhora Paulo Cunha, esposa do Ministro do Exterior de Portugal; o Ministro da Guerra, General Henrique Duffles de Teixeira Lott; o Embaixador José Carlos de Macedo Soares, Ministro das Relações Exteriores do Brasil. É impressionante o luxo das vestimentas e a quantidade de medalhas e jóias dos fotografados.

Contava o Carlos Heitor Cony que, nesta visita, após os dias no Rio, foram a uma Brasília ainda em obras e que à noite houve um incidente diplomático: o General Craveiro exigia um penico embaixo da cama. JK convocou o Coronel Affonso Heliodoro, que lhe quebrava todos os galhos, para conseguir um: só foi possível em Anápolis. O penico veio de jatinho, todo de louça nobre com florões azulados. O Coronel recebeu, de Craveiro, a comenda da Ordem de Cristo...

Como contou O Globo, na época, "apesar de alguns poucos protestos anti-salazaristas, a viagem foi um sucesso, excedendo largamente os marcos protocolares para extravasarem em manifestações de apreço popular, sem paralelo em ocasiões semelhantes".

A programação no Rio, exaustiva, foi:

07/06/57: Chegada às 14h30. Visita ao Palácio do Catete às 19h30 para homenagear Juscelino com a Banda das Três Ordens.

08/06/57: Visita da Sra. Berta Craveiro Lopes à D. Sarah. Entrevista coletiva de Craveiro no Palácio Laranjeiras. Visita ao Congresso Nacional no Palácio Tiradentes. Visita ao STF. Recepção ao Círculo Diplomático. Jantar no Palácio Itamaraty.

09/06/57: Visita ao Prefeito do Distrito Federal. Visita à Câmara do Distrito Federal. Missa na Igreja da Candelária. Almoço no Hipódromo da Gávea. Banquete oferecido pela Federação das Associações Portuguesas do Brasil no clube Ginástico Português. Recepção oferecida pelo Sr. Roberto Marinho.

10/06/57: Parada Militar na Av. Atlântica. Almoço no Copacabana Palace. Inauguração da Exposição Camoniana na Biblioteca Nacional. Recepção na Embaixada de Portugal. Sessão solene no Real Gabinete Português de Leitura.

11/06/57: Assinatura do Tratado de Amizade. Visita à estátua do Almte. Barroso. Plantio de palmeira no Jardim Botânico. Visitas ao IHGB, à Beneficência Portuguesa, ao Liceu Literário Português, à Associação Comercial e à ABI. Partida de futebol no Maracanã.

12/06/57: Visita a Petrópolis e ao Vasco da Gama. Sessão solene na Universidade do Brasil. Jantar no Palácio Laranjeiras.

 

32 comentários:

  1. Hoje foi feriado para mim. O anfíbio dos Fuzileiros Navais não é da minha alçada. Só estranhei que o pinico (sempre achei que se escrevesse assim) tenha voado de jatinho, no tempo do C-47. Acho que os jatinhos Paris chegaram por essa época, e eram conhecidos como jatinhos, mas confesso achei um tremendo progresso.

    ResponderExcluir
  2. Boas fotos com muita informação. Gostei da escalação do time do Brasil para o jogo com Portugal. Não era a seleção titular da época mas todos eram bons jogadores.
    A colorização ficou muito forte, na minha opinião.
    Será que esta história do penico é verdadeira ou é folclore?

    ResponderExcluir
  3. Prova maior que os tempos mudaram.De certa forma alguns exageros foram inseridos na programação. Jantar para 5 mil pessoas não deixa de ser um espanto!!!
    Esta cantilena do penico seria apenas folclore?

    ResponderExcluir
  4. Craveiro Lopes era uma "figura decorativa", um "general de papelão", já que o poder de fato era exercido por Antonio Salazar, o ditador que governou Portugal com mão de ferro por mais de 30 anos e colocou o país nos eixos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Observador Político30 de janeiro de 2018 08:01

      Salazar colocou Portugal no eixo do atraso. Ditador bom é utopia. Um ditador fascista, com a PIDE a seu lado fazendo e acontecendo, censura férrea dos meios de comunicação, deportação para a África dos adversários políticos, manutenção dos costumes ultrapassados, adesão ao pior da igreja, enfim, tal como Franco, fizeram com que a maior parte da Península Ibérica ficasse para trás em relação aos países da Europa.

      Excluir
    2. O Observador político pode ter razão em algumas de suas colocações. Tudo tem seus pontos positivos e seus pontos negativos. Vejamos pelo lado positivo: o comentário das 07:43 denota um otimismo exagerado mas contém alguns prontos positivos. Se não existir disciplina não há desenvolvimento e às vezes um pulso firme é necessário. Vejam o exemplo do Brasil, onde o fim de um regime discricionário trouxe uma prematura euforia que acabou levando o Brasil a um retrocesso e um atraso nunca visto antes. Valeu à pena?

      Excluir
  5. Alguém sabe informar porque o sr. Roberto Marinho estava como figura de destaque?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja a programação do dia 09/07. Ele tinha muito prestígio.

      Excluir
  6. De que ano é aquele prédio ao lado do Copacabana Palace e que acabou com a parte visível da Pedra do Inhangá?
    A foto do Itamaraty na cor vermelha e com decoração festiva, está mais para uma casa noturna comandada por "madame".
    Aposto que o Antônio Soares Calçada estava entre os que receberam o Craveiro no CRVG. Atualmente se o chefe de governo português visitar um clube de patrícios deveria ser a simpática Portuguesa na Ilha, para não criar divisão na comunidade luso brasileira por conta da confusão política em São Januário.
    Aliás, muitos Manuéis e Joaquins de padarias, mercearias e restaurantes do Rio devem ter fornecido itens para o comes e bebes dessa recepção.
    O nosso grande líder Getúlio Vargas, mesmo se contarmos só os 8 anos como ditador (1937-1945), foi bem mais progressista do que Salazar e Franco em quase meio século.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O edifício Chopin foi construído nos primeiros anos da década de 50.

      Excluir
    2. Agradecido pela informação.
      E aproveito para alertar sobre um lapso no cronograma da programação. Pulou do dia 7 de junho para 08 do mês seguinte.

      Excluir
    3. Obrigado. Pelo menos alguém leu todo o "post"...

      Excluir
  7. Participei ativamente desta recepção ao Presidente Craveiro e do dia 7 ao dia 12 ganhei uns cinco quilos.Festa era mesmo com o sr.Juscelino o grande "Bossa Nova".

    ResponderExcluir
  8. O período "Salazariano" foi nefasto para as "liberdades individuais" mas nele foi erradicado o analfabetismo em Portugal e isso tem um valor inestimável. A decadência da política do colonialismo era inevitável, já que era inadmissível sua continuidade. Diga-se de passagem que Portugal deu um "salto" em todos os sentidos após libertar-se dos "liames africanos. O fato é que o país possui uma qualidade de vida muito superior à nossa, seja pela seriedade de seus políticos, seja pela sua "qualidade étnica" de sua população, ou mesmo pelas duas coisas. É inevitável a comparação com o Brasil e apesar de Portugal ser o responsável direto por nosso atraso, nada justifica sua perenidade.

    ResponderExcluir
  9. De todos os portugueses que eu conheci, quase todos com mais de 60 anos, nenhum fala ou falou bem do Salazar. Não foi à toa que fugiram de lá...

    ResponderExcluir
  10. O impacto da visita de Craveiro Lopes fez com que a Cervejaria Antarctica aproveitasse a ocasião e fizesse o lançamento no mercado da "Cerveja Portuguesa", que até anos atrás ainda existia...

    ResponderExcluir
  11. Aliás, foram inúmeras as piadas que surgiram com a vinda do Ilustre Visitante... Como aquela de um certo bilhetinho que continha apenas as iniciais e era lido como resposta de trás para a frente.
    C.C.C.M.J.S.A.
    Lembram-se ??

    ResponderExcluir
  12. Bem lembrada pelo comentarista Jaime e nossa cerveja Portuguesa e que não sabemos porque deixou de ser fabricada.

    ResponderExcluir
  13. O MPLA, a UNITA, a Frelimo, e a FNLA expropriaram todos os bens pertencentes aos cidadãos portugueses em Angola e Moçambique em 1975, e a "revolução dos cravos" no ano anterior precipitou a independência daqueles países. Uma amiga da família se casou em 1970 com um industrial português de nome Arlindo, dono de muitos empreendimentos em Moçambique. Veio fugida "prao Brasil" contando os horrores que passaram naquele país. Perderam tudo, viram pessoas esquartejadas nas ruas, e muitos portugueses foram chacinados. Apenas conseguiram trazer algumas jóias. Povinho interessante aquele, que possui "Lógica de africano", já trocaram o domínio português por sanguinárias "ditaduras caucasianas", e o atraso dessas nações é espantoso. Faz sentido, "tem gente que gosta" desse tipo de atraso...

    ResponderExcluir
  14. Bom dia ! Essa época me faz lembrar de uma piada que me foi contada, então, e que aqui passo a relatar (com todo o respeito a portugueses e seus descendentes). Craveiro Lopes queria conhecer melhor o Rio de Janeiro e externou esse desejo a Juscelino. Este, virou para ele e lhe disse: "Olha, Craveiro, eu poderia te ceder uma luxuosa limusine para tal fim, mas acho que para você conseguir apreciar a nossa cidade, em todos os seus detalhes, o melhor mesmo seria você pegar um bonde, que é aberto e que te proporcionará uma maior visibilidade. Quando aparecer, no estribo, um fulano vestido de azul, você paga a ele a passagem". Assim Craveiro fez... Estava ele aproveitando, ao máximo, o seu passeio, quando, em dado momento, apareceu um sujeito, com uniforme azul, no estribo do bonde. Assim que o viu, Craveiro fez menção de lhe efetuar o pagamento da passagem. Ao que o outro exclamou: "Espera aí, eu sou um marinheiro !" Ao que Craveiro comentou com seus botões : "Raios ma partam, peguei um navio !...

    ResponderExcluir
  15. Roberto Marinho em 1957 já com a cara de sempre. Será que ele já nasceu velho?

    ResponderExcluir
  16. Reporter Esportivo,clone30 de janeiro de 2018 12:36

    Este jogo entre Brasil e Portugal serviu também como preparação para a Copa Roca,disputada no citado ano.Neste jogo foi calculado um público de mais de 100 mil pessoas no Maracanã e o técnico as Seleção era o Silvio Pirilo.Este treinador já na disputa da Copa Roca contra a Argentina escalou ninguém menos que Pelé no primeiro jogo que fez logo um gol.Neste jogo o Brasil perdeu por 2 a 1 mas venceu o segundo em São Paulo e acabou ficando com a Taça.

    ResponderExcluir
  17. Bom dia a todos. Dizem que na visita do Craveiro Lopes ao Brasil, ao desfilarem pela Av. Rio Branco, Dona Sarah perguntou a D. Berta.
    - Então Senhora 1ª dama, está gostando da recepção?
    Esta respondeu de imediato.
    - Estou gostando muito, e lhe peço encarecidamente que quando eu voltar para Portugal, que a senhora me dê uma mudinha destas árvores brasileiras que alumiam....
    - Dizem também que ao passarem pelo mangue D. Berta disse ao Craveiro Lopes.
    - Estás a sentir um cheirinho desagradável?
    Craveiro logo respondeu.
    - Oh Berta, fechas as pernas.
    Tirando as piadinhas, naquela época tinha mais Português no Brasil, do que em Lisboa.
    Meu Pai dizia quando era vivo, enquanto tiverem Portugueses no RJ, nem o Vasco vai a miséria, nem brasileiros passam fome.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha rsrsrs achei ótimo seu comentário. Hoje eu resolvi ver o ano que o Craveiro Lopes veio só Brasil,pk eu assisti do apartamento do meu avô era criança mas vibrei aquele momento ficou inesquecível na minha vida. Eu cantava até o hino que fizeram pra aquela ocasião!! Foi mto show!!

      Excluir
  18. Já que o Lino Coelho contou uma "faceta portuguesa", me lembrei de uma contada pelo saudoso Costinha. Um português levou a mulher ao ginecologista e ao examinar a senhora e após fazer-lhe algumas perguntas, as quais ela não soube responder, perguntou o médico cerimoniosamente ao português: "Seu Manuel, a sua senhora tem urinado com abundância?" Ao que respondeu o português: "Não sinhoire, é com a xoxotância!"

    ResponderExcluir
  19. Pobre Dona Berta, morreria 1 ano depois dessa vista ao Brasil, após derrame no cérebro. De acordo com a sua biografia pode ter sido por preocupações com as perseguições de Salazar ao marido dela, em seus últimos meses como presidente. Pelo que li o Craveiro era um homem muito íntegro.
    Na década de 80 conheci um português da Cidade do Porto, que foi empresário em Moçambique. Parecia conformado com as perdas que teve no país africano, mas insinuava que na África do Sul não aconteceria o mesmo, pois os brancos sul africanos não hesitariam em usar uma secreta arma nuclear, se preciso fosse, numa possível guerra civil. Seria lenda? O certo é que tudo foi mais pacífico na ex-colônia inglesa do extremo sul da África, sendo que os mais radicais acham que o Mandela foi estranhamente manso demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estória fantasiosa. Nelson Mandela era um homem sensato, um espírito iluminado. Soube contornar os óbices que naturalmente apareceram e não houve maiores problemas na África do Sul. Mas em se tratando de África, foi uma notável exceção. É de conhecimento geral que o continente africano é o berço do atraso. Guerras, genocídios, epidemias, doenças terríveis, e obviamente um povo cujo primitivismo dispensa qualquer juizo de valor. Entretanto, existem pessoas que cultuam esse atraso, essa violência, essa selvageria que tanto assola e inferniza nossas vidas, já que as favelas brasileiras em nada ficam a dever ao inferno africano, e com a agravante de que o "sistema" está nos transformando em "Soweto às avessas"...

      Excluir
  20. https://www.youtube.com/watch?v=Q2bcVtPEqpE

    ResponderExcluir
  21. O Homo Sapiens teve origem na África. Mas, para alívio de alguns, se espalhou para os outros continentes...

    ResponderExcluir
  22. Tempos de um Brasil bem mais ameno...

    ResponderExcluir
  23. Considerando o comentário o comentário de 21:19 de 30.01, há estudos comprovados de que o "homo sapiens" surgiu em mais de um local além da África. Quem conhece a teoria Darwiniana sabe bem as que as atuais "raças" sofreram "mutações genéticas de alguma forma", já que a diferença existente entre as "raças oficiais" é enorme. Nesse espaço de centenas de milhares de anos existe ainda o fator espiritual e que certamente operou. Tendo em vista que o "período histórico" da humanidade tem cerca de oito a dez mil anos e como comprovadamente o homo sapiens tem cerca de duzentos e cinquenta mil anos e os "hominídeos" como o "australopitekus" tem cerca de dois milhões de anos, percebe-se que ainda há muito o que se pesquisar...

    ResponderExcluir