Total de visualizações de página

segunda-feira, 5 de março de 2018

TEATRO DE REVISTA



 
Na década de 50, anos depois do fechamento dos cassinos, virou uma febre o teatro de revista. Teatros como o Recreio, o Carlos Gomes, o Regina, o João Caetano, o República, o Glória e o Serrador abrigavam peças de teatro de revista. Também os teatros Jardel e o Follies, além de, por algum tempo, o Cinema Alvorada em Copacabana, exibiam este tipo de teatro.
As vedetes apareceram em profusão e nomes como Angelita Martinez, Mara Rúbia, Virginia Lane, Aizita, Annik Malvill, Blanche Mur, Brigitte Blair, Betty Faria, Marly Tavares, Consuelo Leandro, Ida Gomes, Carmen Verônica, Celia Coutinho, Diana Morell, Delly de Azevedo, Valentina, Gina Le Feu, Darlene Glória, Elizabeth Gasper, Eloina, Esmeralda Barros, Evelyn Rios, Gigi do Baccarat, Luely Figueiró,  Lucia Lamour, Lygia Rinelli, Maria Pompeu, Dorinha Duval, Marilu Bueno, Nancy Wanderley, Norma Benguell, Marina Montini, Márcia Rodrigues, Marivalda, Nelly Martins, Nédia Paula, Odete Lara, Nádia Maria, Rosinha Lorcal, Renata Fronzi, Rose Rondelli, Silvia Fernanda, Sonia Dutra, Sandra Sandré, Sonia Clara, Thelma Elita, Vanja Orico, Vera Vianna, Wanda Moreno, Yolanda Ferrer, Zélia Martins, se destacaram.
As fotos de hoje relembram algumas delas:
Foto 1: a comediante Suzy Kirby (de treinadora) e a "Seleção Brasileira das Certinhas do Lalau". De pé: Gina Le Feu, Eloína, Olívia Marinho, Carmem Verônica, Rose Rondelli e Sõnia. Agachadas: Elizabeth Gasper, Norma Marinho, Norma Bengell, Mary Marinho e Sônia Corrêa. As "certinhas", dez a cada ano, eram eleitas por Sergio Porto, o Stanislaw Ponte Preta, e faziam grande sucesso.
Foto 2: em julho de 1960 chegaram ao Rio, importadas por Walter Pinto para atuar no teatro de revista, as argentinas Blanqueta, Ainda, Esther, Elvira, Amparito, Norma, Marilú e Nelida.
Foto 3: Em 1971 as atrizes Ligia Diniz, Vera Setta, Asmeralda Penslein e Tina Louise se apresentaram no Teatro de Bolso com a peça “Tem piranha na Lagoa”. O crítico Sábato Magaldi desancou os diretores Paulo Afonso Grisolli e Oduvaldo Vianna Filho: “Como é possível que dois intelectuais sérios, que tanto já contribuíram para nosso teatro, tenham embarcado nessa brincadeira de mau gosto, que não significa nada.”
Nosso antigo comentarista Derani evidentemente soltaria vários "YES!", "YES", "YES".
 

27 comentários:

  1. Acompanho o Derani: YES!
    Que timaço de beldades. O teatro de revista era muito bom, com ótimos comediantes, boa música e belas mulheres.

    ResponderExcluir
  2. Hoje vai ter "panos pra mangas" já que o assunto é extenso. Para ser uma "Vedete" era preciso bem mais do que um belo corpo. Uma "Boa vedete" era normalmente "teúda e manteúda" de políticos, milionários, ou alguém que pudesse proporcionar-lhes uma "boa vida". Eram muitas, mas Virgínia Lane era a "preferida de Getúlio Vargas e Maria Ângela Cuccani, mais conhecida como Angelita Martinez, que era amante do então vice presidente João Goulart e que teve um "affair" com Garrincha, eram as mais famosas. A maioria era de origem humilde e eram na verdade "alpinistas sociais". Mas homem naqueles tempos não queriam saber de mulher culta e sim servisse para que lhes saciasse o apetite na hora de "afogar o ganso". Quem não fez um "pé de meia" certamente terminou seus dias na Casa dos Artistas. Como não possuíam um devido "estofo moral" para constituir família, acabaram no limbo,

    ResponderExcluir
  3. O gerente quer alegrar a semana,mandando está postagem em plena segunda feira.A relação é um espanto e tinha garotas de todas as formas.Lembro de várias na coluna do Ponte Preta e das páginas da Revista do Rádio.A Rose Roseli,POR exemplo,fazia parte do programa de rádio chamado Miss Campeonato que eu estava sempre de ouvido.Salvo engano foi casada com Chico Anísio.

    ResponderExcluir
  4. Conta a história que Garrincha, homem simplório, pueril e que nunca chamaria a atenção de qualquer mulher que ao menos soubesse ler, escrever, ou falar, tinha um argumento que se sobrepunha a todos os seus incontáveis defeitos: Possuía um "instrumento" de 24 cm {segundo Ruy de Castro} e possuía um apetite sexual nunca visto. João Goulart, já passado dos 40 anos, não era páreo para Garrincha nos "misteres do sexo". Angelita "corneou-o" descaradamente até que o Jango descobriu e enfureceu-se. Muniu-se de um revólver .38 e foi ao apartamento de Angelina disposto a matar Garrincha. Chegou a dar seis tiros na portaria do prédio em Copacabana mas um policial civil de nome Cecil Borer, ligado ao Botafogo, conseguiu tirar de algum modo, Garrincha do "imbroglio". "Eram outros tempos"...

    ResponderExcluir
  5. "O" Teatro !!!!
    Era assidui frequentador do REcreio e do Carlos Gomes, a partir do final dos anos 50, pegando os últimos momentos do Teatro de Revista. Até meados dos anos 90 ainda resistiam bravamente o Teatro da Galeria e o da Pompeu Loureiro. A ultima peça que assisti foi no Brigitte Blair.
    Tempos que não voltam mais.... uma pena !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O teatro da Brigitte Blair era na Travessa Cristiano Lacorte, entre Miguel Lemos e Djalma Urich.

      Excluir
  6. Todas maravilhosas mas no meu time seriam titulares Angelita Martinez, Carmen Verônica, Rose Rondelli e Sandra Sandré.

    ResponderExcluir
  7. A notar que não havia uma negra, ou no mínimo, mulata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wagner, as três irmãs Marinho são mulatas.

      Excluir
    2. Eram "uma gota no oceano". Por que sera? Existem belíssimas mulatas. Sargentelli soube explorar bem o filao. Meu gosto pessoal tende para as mais claras, de preferência as sem caucasianas sem aspas...

      Excluir
    3. E a Lady Hilda, do programa Noites Cariocas. Ah, a Lady Hilda.

      Excluir
  8. Bom Dia! Embarcar no sorriso de uma mulher bonita que gosta de holofotes,e é muito cobiçada,corre-se o risco de ser depenado. Afinal quando se fecha a porta e apaga a luz,ficam todas iguais. Um cara de 30 se tiver bom desempenho,faz a alegria de qualquer mulher de 50/60 anos. Melhor ainda se ela for feia.

    ResponderExcluir
  9. Pois,pois .. eu era gamadão pela Esmeralda Barros e Marina Montini.

    ResponderExcluir
  10. KKKKK O Comentário do Xara e´ um espanto..Hilario.Muito bom.Das relacionadas lembrei da Dorinha Duval que mandou o marido para o espaço com alguns tiros.Ao que consta ela vinha sendo humilhada pelo bonitão,muito mais novo que ela.Salvo engano foi condenada e pagou a pena e parece estar viva no Rio.O caso teve grande repercussão e salvo engano ela foi casada com Daniel Filho que foi casado com ainda com Betty Faria.

    ResponderExcluir
  11. Wagner,sem incluir o processo de cotas,vou citar três mulatas de destruir quarteirão:Marina Montini,Esmeralda Barros e Aizita Nascimento.

    ResponderExcluir
  12. Gostei mais da defesa da seleção, com destaque para a boa goleira Carmem Verônica. A treinadora com certeza estava imitando o Feola e ficou engraçada.

    ResponderExcluir
  13. Bom dia.
    Passado e enterrado. Hoje, com tantas patrulhas e movimentos contra e a favor de tudo, o teatro de revista (mesmo em sua versão"paródia", meio brincadeirinha, da turma de Ipanema) seria fulminado sem direito a choro nem vela.

    ResponderExcluir
  14. Para mim a fissura do Pastor está na Treinadora. As demais não fazem o gênero dele. Só Freud explica.

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde a todos,
    Aonde estará o Do Contra para difamar e maldizer as beldades de outrora, e justificar que prefere mil vezes as mulheres atuais, marombadas, saradas, cheias de músculos e próteses de silicone? Mulheres de voz grossa, abdômen trincado, e com o corpo inchado por testosterona e outros anabolizantes. Afinal de contas, ele não insiste em ser Do Contra?
    Há braços

    ResponderExcluir
  16. Peralta, o implicante5 de março de 2018 14:15

    Tia Nalu chegou de Brasilia e veio colocar agua no meu chope...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Peralta, ó implicante microinfrator! Confessou que faz uso de bebida alcoólica! Aos costumes!
      Tia Nalu nunca pôs seus delicados pezinhos em Brasília. Incompatibilidade de clima.

      Excluir
  17. Tem um comentarista no pedaço que diz ter aprendido no Ceará,o Estado,a conviver com estas garotas.Diz que era cama e mesa com as vedetes.Parece que com o tempo foi mudando e hoje adora Pablo Vittar.

    ResponderExcluir
  18. Gostei da provocação do Zierer com o "Do Contra". rs rs

    ResponderExcluir
  19. É...no que pese meu comentário anterior ter sumido logo no meu retorno, posso esclarecer que pau que nasce torno não tem jeito, morre torto, dizia um poeta nordestino. A admiração pelas vedetes está DNA da familia, desde dos tempos idos quando o pagé dos Menezes, meu avô, reinava nas matinês la Cinelândia e nos teatros da Pça Tiradentes. Quanto a Aizita citada pelo Pastorzinho, nos idos de 60 ela morava na rua em que eu residia lá no Estácio. Quando a linda mulata descia a rua, nosso jogo de futebol parava e a rapaziada ficava, com todo o respeito, admirando a beleza e classe dessa linda mulher. Como dizia o velho Pastor de Guerra: um espanto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este blog está me pregando umas peças. O Menezes enviou dois comentários, sendo que um foi para a caixa de "spam". Ao clicar em "não é spam" o comentário desapareceu. Em resumo dizia que "O Pastorzinho gostou mesmo foi da treinadora. As outras não fazem gosto para ele. Freud explica..."

      Excluir
    2. Esse comentário do Menezes apareceu lá em cima. 12:33.

      Excluir
  20. Registros bastante interessantes! Nomes que eu nem imsginava! Bem legal!

    ResponderExcluir