Total de visualizações de página

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

GRAJAÚ-JACAREPAGUÁ

 
Na foto enviada pelo Joel Almeida vemos o ônibus 241, da linha Praça Mauá-Taquara, na Grajaú-Jacarepaguá em 1965. O ônibus desvia de uma queda de barreira, evento comum naquela estrada.
 
No início do século XX, para se acessar a baixada de Jacarepaguá, havia apenas duas possibilidades: por Madureira e Campinho ou pela Estrada do Joá e Estrada da Barra da Tijuca. Havia, pois, a necessidade de uma nova ligação a partir da Zona Norte.
 
A construção da Grajaú-Jacarepaguá começou na administração Henrique Dodsworth, passou por várias administrações. A primeira parte a ficar pronta foi entre o Grajaú e o restaurante Cabana da Serra, na década de 40.
 
Avançou nos anos 50 com o prefeito João Carlos Vital construindo o trecho mais perto de Jacarepaguá (Estrada dos Três Rios). Posteriormente, as pistas que eram estreitas, foram alargadas, mais para o final do século XX.
 
Mais adiante ainda, infelizmente, apareceram favelas no entorno da estrada, causando os problemas bem conhecidos.

20 comentários:

  1. Andei muito em ônibus e microônibus com essa frente. Se não me engano, era uma carroceria Metropolitana. Produção dos anos 60.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, lembra no início da década de 90 com a litoral falecida utilizando ônibus da volvo & tidos com câmbio automático? Tinha cadeiras que ficavam umas de frente as outras. O motor tinha uma potência igual de carreta .

      Excluir
    2. Rapaz , lembro bem disso. Eu trabalhava no centro e pegava eles.. Quase todos tinham ar condicionado , o motor era o mesmo dos ônibus de turismo, muito mais potentes... subiam a Grajaú na esquerda passando muito carro de passeio!!! Nessa época os frescoes tb eram muito potentes. Hoje os frescoes são ridiculamente fracos, tem um motor de ônibus comum ligeiramente melhorado.. E o pior, vc paga 16 reais numa passagem!!!!!

      Saudosa época desses ônibus (motor volvo B10), E vc andava no ar condicionado pagando pouco a mais que o ônibus comum.

      Excluir
  2. Até o final dos anos 50, o acesso à região da Freguesia e do "Pechincha" era feito pela Geremário Dantas e remotamente pela Estrada de Jacarepaguá. Para ir à casa de parentes na Estrada dos Três Rios, minha mãe saltava do bonde no Largo da "Porta D´água" {Freguesia} e tomava uma charrete. Mais adiante havia o entroncamento com a estrada do Pau Ferro e represa dos ciganos, que fica pouco antes do hospital federal Cardoso Fontes. Ali era "fim de linha" e não havia qualquer caminho ou picada. No final dos anos 50 a estrada Grajaú Jacarepaguá faria a ligação com essa ponto. A atual Avenida Menezes Cortes era apenas uma via de mão dupla e mal pavimentada. Foi ali em 1962 que "apareceu" o corpo do bandido Mineirinho, "desovado" ali após ser baleado em confronto com a polícia na região do Santo Cristo. Foi no final do governo Chagas Freitas que se deu a duplicação da via, sendo sua inauguração por ocasião da Copa do Mundo de 1982. Ao contrário do que se pensa, as favelas da região não foram originadas ali e sim fazem parte de uma grande "metástase" de favelas que se expandiram a partir dos morros do Lins de Vasconcelos. Minha opinião pessoal é que esses antros de banditismo e de ilícitos em geral, precisam ser submetidos a um "estado de exceção", onde as "garantias individuais não são plenas" devido à periculosidade e risco dessas regiões. Apesar de muitos considerarem tais medidas "um retrocesso", elas certamente serão a única forma de o Rio de Janeiro sobreviver.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia!
        O Cabana da Serra acabou devido à violência.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia a todos. Se era ruim com uma só pista, ficou muito pior com duas pistas e as favelas que se criaram no entorno. Quando chegará o dia que os Cariocas idiotas irão se convencer que as favelas são um câncer da cidade.

    ResponderExcluir
  5. As favelas interessam aos interesses de grupo políticos. Infelizmente este é um mal dificil de ser curado.
    A Sociedade está asfixiada pela corrupção e clientelismo.
    Não vejo uma solução a curto-médio prazo..

    ResponderExcluir
  6. Um morador de uma dessas "comunidades" deu uma entrevista impressionante ao Boechat hoje. Disse que são reféns dos bandidos que proíbem que tranquem a porta de casa ou coloquem cacos de vidro nos muros para facilitar que entrem para fugir da polícia. Que sabem das incursões policiais e os obrigam a guardar armas, quando não entram em suas casas, deitam na cama e mandam dizer que são filhos do dono e estão dormindo. Mandam que olhem para o chão quando cruzam com eles. Enfim, queixou-se amargamente da ausência do Estado e que a vida deles está um inferno. Que os tiroteios são constantes e que os moradores são vítimas.
    Disse que o ambiente onde mora é como se o Estado Islâmico dominasse tudo. Terminou pedindo socorro.
    A que ponto chegamos.

    ResponderExcluir
  7. Observador da Justiça8 de fevereiro de 2018 11:44

    E como diria o Zózimo: E o Dr. Sergio Cortes, hein?
    O ilustre ministro do STF não falha.

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde !
    Vejam o que recebi hoje (08-02-2018), via WhatsApp....

    PERDEMOS NOSSO RIO DE JANEIRO PARA VIOLÊNCIA.������������

    Rio em Guerra I:

    A rede de lojas Magazine Luiza, cancelou a abertura de 10 mega lojas no Estado do Rio, o motivo é o aumento assustador do roubo de cargas na região e o aumento exponencial da violência.

    Rio em Guerra II:

    A fabricante de cosméticos L'Oréal encerrou sua fábrica e o centro de distribuição no Rio de Janeiro e transferiu tudo para SP. O motivo é o aumento do roubo de carga e dos constantes tiroteios próximo a sua fábrica no bairro da Pavuna.

    Rio em guerra III:

    Muitos cantores estão com um forte esquema de segurança para se apresentarem no Rock in Rio, o que elevou os custos operacionais da empresa que faz o evento. Dizem as mas línguas que esse poderá ser o último festival, caso o Rio não dê jeito na segurança.

    Rio em guerra IV:

    As lojas Americanas já pensa em fechar seu centro de distribuição no Estado e levar para SP, o motivo também é o aumento do roubo de cargas e dos constantes Tiroteios.

    Rio em Guerra V:

    A Pacheco já pensa em fazer o mesmo, o motivo são os constantes roubos de cargas ,tiroteios e o aumento em 100% do seguro para transporte de medicamentos.

    Rio em Guerra VI:

    Os correios preparam um aviso, onde cerca de 30 bairros irão deixar de receber cartas e encomendas, o motivo seria um aumento do roubo de cargas na empresa, que chega a praticamente a 5 caminhões por dia, segundo fontes.

    Rio em Guerra VII:

    Grandes redes de supermercados como o Prezunic e Guanabara, começam a adotar esquema de guerra para a segurança de seus caminhões, para se ter uma ideia, a rede Guanabara está transportando suas mercadorias em Comboio de 5 caminhões e com escolta armada, o mesmo vem fazendo o Prezunic, em 40% deles sem sucesso, com isso o consumidor já sente um aumento de 40% nos produtos, tais como ovos, feijão, arroz, frango, carne e enlatados.

    Rio em guerra VIII:

    Segundo fontes seguras a Rede Globo encomendou veículos blindados para cobertura da violência do Rio, repórteres estão fazendo treinamento de guerra para se safarem em caso de tiroteio. A situação é tão crítica que bairros como a Pavuna nem o helicóptero da emissora está conseguindo chegar perto, em virtude do alto risco de tiros de armamento ponto 50.

    Rio em Guerra XIX:

    O roubo de carro no Rio disparou e alguns modelos já não terão seguro no próximo ano, em alguns bairros o seguro já aumentou em até 70% para veículos de mil cilindradas.

    Rio em Guerra X:

    Empresas de ônibus já ameaçam parar de rodar em cerca de 45 bairros e 7 municípios, o motivo seria os constantes ataques a coletivos nessas regiões.

    Rio em guerra XI:

    As forças federais de segurança já ameaçam sair do Rio, sem efeito nenhum contra o crime organizado, os homens das forças federais não intimidam mais ninguém, onde até tiros são disparos para dentro dos quartéis do exército. Dependendo do local onde o quartel do EB fique, nem o sentinela tem autorização para ficar no muro ,para não atrapalhar o movimento do tráfico, caso desobedeça tiros podem ser disparados para dentro do quartel.

    O Rio está em guerra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rock in Rio?

      Pessoal gosta de requentar notícia. Essa do Magazine Luiza também é velha. E o foco há algum tempo é venda pela internet.

      Não que eu esteja defendendo o (des)governo estadual...

      Excluir
    2. Rio em guerra XII - O Rio tem mais de 1,3 milhão de desempregados, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O Estado fechou 3.400 vagas com carteira assinada, de acordo com o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). A taxa de desemprego no Rio ficou em 15,6% no ultimo trimestre do ano. É a segunda taxa mais alta do país, atrás apenas de Pernambuco, com 18,8%. o Rio oficializou que vive a pior crise financeira da história. A sucessão de acontecimentos no Estado, com servidores penando para receber salários atrasados, além de um caos na segurança, na saúde e na educação. Alguns servidores apelaram para rifas para fechar as contas.
      Lula + Dilma + Cabral + Pezão + Eduardo Paes + PT + PMDB + Rede Globo + FIFA + COB + Nuzmman + Povo Iludido = transformar isso aqui no Melhor Lugar do Mundo. E AGORA?

      Excluir
  9. Há muito tempo que não passo pela Grajaú-Jacarepaguá ,costumava trafegar por lã até meados de 1980 pois tinha amigos e colegas que moravam no Grajaú e Lins de Vasconcelos , depois da violência muitos mudaram-se, pois o Lins principalmente degredou-se por causa das favelas sem dúvida.
    Para acabar de vez ou amenizar a criminalidade no Rio somente aniquilando com os bandidos, não se deve ter pena deles pois eles não escolhem as suas vitimas. O justo vai pagar pelo pecador mas não há outra solução. Só podemos asir de casa para comemorar ou passear se for de dia, muitos dos meus amigos e conhecidos já não saem mais a noite. Decadência total da sociedade, e tudo começou com o governo Brizola e aprimorado no governo de Lula.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já ouvi falar que no período de Brizola foi que as favelas aumentaram bastante.

      Excluir
  10. Boa tarde a todos.

    Essa linha especificamente usei poucas vezes. Usava mais as antigas 268 ou 269 durante os cinco anos de faculdade em Niterói. Depois que as linhas de ônibus passaram a usar a Linha Amarela passei bem menos na "Serra". Tenho outra foto além desta, também do AN, mais " recente", do início dos anos 70, com a mesma linha passando pela Grajaú-Jacarepaguá.

    ResponderExcluir
  11. Atendi hoje uma fiel,carioca da gema,que está em Vix há uns quinze anos mas adora a sua cidade.No meio das orações,ela me fez lembrar do Joel:com muita convicção disse que o único responsável pela situação do Rio de Janeiro é o senhor Leonel Brizola.

    ResponderExcluir
  12. Em 1974, tomava o 241 na Praça da Bandeira e saltava na Freguesia para ir aos bailes com "Painel de Controle", The Fevers, e "Superbacana" no clube Olimpico. O baile "rolava" até às 3:30 e no final, eu e meus primos andávamos pela estrada dos Três Rios até a esquina com a Estrada do Bananal para "fazer hora", já que o 241 só passava às 4:15. Era um deserto mas não havia qualquer problema, assim como a descida da serra. Saltávamos no Maracanã às 4:45, e isso se repetiu por muitas vezes. As favelas da região eram tranquilas e porque não dizer, inofensivas. Hoje em dia não faria isso nem que me pagassem Cem Mil Reais. Não custa dizer que em 1974 "os dias eram assim".

    ResponderExcluir
  13. Deveria ser uma aventura atravessar essa serra naqueles tempos. Melhor teria sido que não construíssem a estrada pois o Parque Nacional da Tijuca estaria melhor preservado, muito embora não se pensasse nisso naqueles tempos.

    ResponderExcluir
  14. Chamar a Avenida Menezes Cortes de "auto-estrada" é um escárnio. É uma via adaptada de trilhas e picadas com curvas inadequadas, asfalto ruim e drenagem deficiente, fora as favelas que chegaram a ser removidas e voltaram exponencialmente sob a anuência do primeiro mandato do Brizola. É o tipo de via que deveria ser reconstruída numa nova pista ou num túnel.

    ResponderExcluir
  15. O Rio está destroçado e é daí para pior, pois se antes havia a possibilidade de remoção das favelas hoje é impossível, a não ser que se assuma o risco de uma gigantesca convulsão social. Ante isto, a melhor saída é sair mesmo do Rio. Provavelmente o Rio é um microcosmo do Brasil. Só duas soluções apontam: um fortíssimo regime de controle de natalidade ou o estado de excecão. Não há terceira via que conserte. Já há trabalhos universitários e teses prevendo a fratura do Brasil em vários países. Impossível ? Ninguém achava que o monolítico estado soviético fosse fender.

    ResponderExcluir