Total de visualizações de página

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

TABERNA DA GLÓRIA



 
As fotos do acervo do Correio da Manhã mostram a Taberna da Glória, na Rua do Catete, Largo da Glória.
Foi neste local que Aracy de Almeida conheceu Noel Rosa, em 1932, numa “noite de samba em caixa de fósforo, regada com cerveja Cascatinha e cigarros Odalisca”.
Os jornais das décadas de 40 e 50 citam inúmeras vezes a Taberna da Glória, muitas vezes nas páginas policiais. Entretanto, a taberna era ponto obrigatório da boemia nacional e internacional. Depois das duas da manhã as mesas ficavam repletas de artistas cantando e compondo músicas famosas. Figuras como Ademar de Barros, Carlos Lacerda, Mario de Andrade, Pixinguinha, Procópio Ferreira, Manual Bandeira, Joel Silveira, Chico Alves, Grande Otelo, Nelson Gonçalves, Orlando Silva e Augusto Calheiros eram assíduos.
Nos anos 50 há a seguinte referência: “A Taberna da Glória sempre foi um bar de tradição boêmia e marota na vida noturna da cidade. Com a mudança do cardeal Dom Jaime Câmara para o Sumaré e a instalação de várias obras religiosas no Palácio São Joaquim, a Taberna ganhou uma nova freguesia no período diurno, recebendo os militantes católicos para o lanche cotidiano. Depois das dez da noite, porém, a coisa muda de figura, pois as mariposas da Lapa e adjacências não abrem mão de suas cadeiras cativas. E assim vai a Taberna em sua vidinha gostosa, servindo a Deus e ao Diabo, simultaneamente...”
Foi na Taberna, também, que Hermínio Bello de Carvalho descobriu, nos anos 60, Clementina de Jesus.
Em 1972 as obras do metrô acabaram com a tradicional Taberna da Glória neste local: “Um dos mais tradicionais pontos de encontro da boêmia carioca está com os seus dias contados. Sua morte é uma necessidade imperiosa para o progresso da cidade. Até os seus mais assíduos frequentadores compreendem e ritualizarão seu fim”.
A festa de despedida foi em dezembro de 1972.
 

19 comentários:

  1. Política da boa vizinhança,com uma vela para cada um.Nas fotos já parecia estar em final de festa,mas devia ser muito interessante ver toda esta galera reunidas num só local,os artistas claro com maior preferência.Cerveja Cascatinha e cigarros Odalisca é um grande fundo do Baú...

    ResponderExcluir
  2. O metrô passou por cima de muita coisa, tal como o Monroe. Deveríamos ter seguido Buenos Aires que já no início do século XX construiu o metrô. Voltamos a perder uma ótima oportunidade quando da ocupação da Barra e adjacências nem que fosse com um metrô de superfície.
    E a Clementina que só começou a fazer sucesso depois dos 60 anos. É um espanto, como diria o Belletti.

    ResponderExcluir
  3. Tradição que foi abaixo ,mas quem liga pra tradição no Rio?
    Talvez nós cariocas da gema, e ninguém mais.
    Estou sendo radical ?

    ResponderExcluir
  4. A ladeira ao fundo é a Ladeira do Outeiro? Se for, então o quarteirão foi suprimido, ou ainda existe? Seria onde está o Amarelinho da Glória?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Amarelinho é na Cinelândia

      Excluir
    2. O Amarelinho da Gloria acabou. virou outro restaurante que se chama ximenes.

      Excluir
  5. Bom dia a todos.

    Postei algumas fotos da demolição da Taberna que comprei na feira da Praça XV em um lote da construção do metrô.

    Infelizmente ainda existem pessoas que acreditam que o metrô foi responsável pela derrubada do Monroe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A razão precípua da demolição do Monroe foi a intransigência do presidente E.G. devido a uma velha picuinha. Esse presidente gostava de demolir grandes prédios alegando que se tratavam de "focos de subversivos". Muitas mortes, "sumiços", e desaparecimentos de "elementos perniciosos" ocorreram em seu governo...

      Excluir
  6. O consagrado radialista Renato Murce, responsável por programas que fizeram parte da história do Rádio no Brasil como Escolinha do Manduca, que originou as atuais escolinhas televisivas, e Papel Carbono, que lançou inúmeros artistas, foi o autor do livro "Bastidores do Rádio: Fragmentos do Rádio de ontem e hoje" - Edit. Imago - 1976. Em sua obra Renato contestou algumas versões costumeiramente aceitas sobre os hábitos daqueles tempos áureos do Rádio. Uma delas, ratificada por Nestor de Holanda em seu livro "Memórias do Café Nice", afirma que o principal ponto de encontro entre compositores, intérpretes e outros artistas da época ficava no famoso bar localizado na Av. Rio Branco, no local onde hoje é uma agência da CEF, ao lado do edf. Av. Central. Renato defendeu em sua obra que a Taberna da Glória rivalizava nesse tipo de frequência, somado ao fato de ficar mais tempo aberta ao publico boêmio. Quis o destino que também tivesse mais tempo de sobrevivência, considerando que o estabelecimento rival foi vítima de sua própria localização, no coração do Centro, tornando-se alvo de novas edificações.

    Não conheci esses redutos no auge mas tive a grande honra de poder acompanhar o grande cantor e sambista Ciro Monteiro, o Formigão, em uma de suas incursões à Taberna da Glória. Contei essa passagem inesquecível no tempo dos antigos fotologs.

    ResponderExcluir
  7. A Taberna só mudou de lugar. Hoje está ao lado da Villa Venturosa, ao lado da Ladeira de N.S. da Glória.

    ResponderExcluir
  8. O primo Bouhid reapareceu! Bem-vindo.

    ResponderExcluir
  9. Mesmo na derrubada do Monroe mantive minhas convicções sendo Do Contra.

    ResponderExcluir
  10. Estou começando a ficar aborrecido com as coisas da Gávea.Não vi zarpar nenhuma barca como esperava e sinto que com esta turma vai ser repeteco de 2017.Não vai dar liga e ainda estão valorizando o tal Jonas,perna de pau consumado.E ninguém vai encabeçar lista?Geuvânio,Trauco,Pará,Rômulo,Renê entre outros já deveriam estar com as malinhas prontas.Não estou gostando e pelo que estou vendo vou ter que zuar o ano todo.

    ResponderExcluir
  11. As obras do metrô serviram de pretexto para que muitas demolições arbitrárias tivessem sido levadas a efeito. E alguém era louco de denunciar ou reclamar ?
    E pensar que muitos clamam pela volta daqueles tempos...

    ResponderExcluir
  12. Sim a Taberna ainda existe como escreveu mmbouhid,não sei se pertence ao mesmo dono.

    ResponderExcluir
  13. A Taberna ficava no quarteirão desaparecido entre a Rua do Catete e a Antônio Mendes Campos, hoje transformadas em avenida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Morei na Antônio Mendes campos até meus 12 anos, Quando todos q moravam ali foram obrigados a se mudar para a construção do metrô, Bons tempos, Vi uma vez a gravação de uma cena de novela com o Tarciso Meira, Bons tempos da minha infância,

      Excluir
  14. Fora de foco: A cidade parou durante a tarde devido ao fechamento das linhas Vermelha, Amarela, e Avenida Brasil. O motivo foi o de sempre: Bandidos promoveram tiroteios devido a uma operação policial. Foram 135 Km de engarrafamentos e muito pânico. E ainda assim existe gente que não tem saudades do governo militar. Nunca isso iria acontecer. Mas estamos em período de carnaval e isso, Anitta, Pablo Vittar, e o "Big Brother" é o que importam no momento, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  15. Sou neto do ex-dono da Taberna da Glória, essa ai das fotos. que nada tem a ver com a atual. Tenho 57 anos e passei minha infância, nas tardes, na Taberna. Como bom filho de espanhóis, mesmo garoto, ficava por ali sempre aprendendo e tentando ajudar. Mesmo garoto, tenho maravilhosas lembranças da velha Taberna. O MIS fez um excelente áudio, tendo o Nelson Motta como narrador e intrevistador, o que ocorreu na festa de encerramento. Valeu pelas fotos. Abraços.

    ResponderExcluir