Total de visualizações de página

terça-feira, 28 de maio de 2019

CASAS EM IPANEMA



 
Estas fotos, garimpadas pela Iara Teixeira na revista "A Casa", mostram duas simpáticas casas na Rua Gomes Carneiro, em Ipanema.
 
Interessante ver a planta das mesmas para se ter uma ideia de como eram no século passado numa Ipanema quase sem prédios altos.

23 comentários:

  1. Bom dia, Dr. D'.

    Achei a primeira bem jeitosa apesar de a segunda não ter sua planta mostrada. Achei bem funcional, apesar de meio inconveniente para pessoas com dificuldades de locomoção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, não tinha reparado na planta da segunda casa... Depois eu vejo em uma tela maior.

      Excluir
  2. Essas construções tem "ranço europeu", ou seja são carentes de banheiros. É inadmissível que casas desse porte e com esse numero de cômodos tenham apenas um banheiro. A tradição popular reza que o português "é porco", mas os franceses e alemães não ficam atrás. Acostumados ao rigoroso inverno europeu onde a prática de ablução é rara, mantiveram esses hábitos no Brasil e o resultado foi "catastrófico". As velhas piadas de português mostram indivíduos "sujos e fedorentos", mas as coisas não eram bem assim. Minha avó e meu bisavô paternos portugueses eram pessoas asseadíssimas e em nada se assemelhavam à essas "figuras folclóricas". Porém os donos de bar, de quitandas, e de armazéns...

    ResponderExcluir
  3. Com algumas modificações,um templo bem confortável e muita reza.Penso que na ocasião já não eram baratas,mas a valorização do bairro fez a alegria dos proprietários com certeza.Hoje a segurança é um fator decisivo na opção por condomínios.
    FF: O VAR veio para ajudar ou atrapalhar.Parece estar sendo utilizado de forma incorreta e o futebol está perdendo a cada rodada.Sempre fui a favor,mas estou espantado!!!!

    ResponderExcluir
  4. Achei os estilos das casas incongruentes com o Rio, talvez influência dos proprietários europeus.
    Quanto ao VAR, o pior é quando ele ratifica um erro, que só o árbitro viu.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia,Luiz,pessoal,
    A circulação da casa de cima é pífia, basicamente um pequeno quadrado,que deve ter um metro de lado. Seria ruim para um cadeirante,por exemplo.
    A fachada é simpática, ainda há inúmeras destas em subúrbios, ainfda que bem desfiguradas.
    Já a segunda é um chalet normando, com telhado para neve, com ponto bem alto. O revestimento de pedra bruta no primeiro andar, se aplicado atualmente, custaria caríssimo.

    ResponderExcluir
  6. Uma das casas não sobreviveu um pouco descaracterizada?

    ResponderExcluir
  7. As construções se assemelham as residências para veraneio que existiram até a década de 1940 na Ilha do Governador

    ResponderExcluir
  8. Bom dia a todos. Construção tradicional do início do século passado, só a partir da 2ª metade do século XX, as comodidades passaram a ser introduzidas nas construções, como suítes, copa cozinha, aumento da área de cômodos como cozinha e sala de estar, integração de ambientes. Hoje uma nova tendência é o conceito de cozinha aberta integrada ao ambiente de estar e jantar, eu pessoalmente acho horrível, mas como é o que a maioria das casas americanas são construídas, logo também será o usual aqui no Brasil, lá pode ser muito bonito pois a cozinha só serve de enfeite, imagina um almoço ou jantar onde o prato que esteja sendo preparado seja alguma coisa de fritura, como fica o cheiro na sala.
    FF. Como disse o Augusto, o VAR veio para avacalhar mais ainda o finado futebol brasileiro, se já tínhamos árbitros ruins, agora temos também o VAR ruim. A minha dúvida quanto a arbitragens no Brasil, é se ela é ruim por incompetência ou por interesses escusos.

    O problema da torcida do Flamengo é achar que o time do Flamengo é um grande time, o time do Flamengo é tão medíocre quanto a quase totalidade dos times brasileiros atualmente, a única diferença é que seus jogadores são mais bem pagos. Se não observem, com exceção do Diego que ficou quase uma década rodando vários países e jogando até em bons times, porém nunca se firmou em nenhum deles, quase sempre estando no banco de reservas, todos os demais que voltaram, não chegaram a ficar uma temporada inteira na Europa, tomaram um pé na bunda e voltaram para o Brasil, e os que são daqui mesmo, esses não chegam a ser nem medíocres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corneteiro Velho28 de maio de 2019 12:33

      Sr.Adelino,se os jogadores do Flamengo não são bons porque eles recebem e foram comprados por fortunas?Arrascaeta nem brasileiro é e sempre foi elogiado pelo crônica mundial.O Bruno Henrique nos parece um bom jogador e o Diego Alves já esteve na Europa,sem falar no outro Diego0 que o sr. citou.O que eu tenho que cornetar é a relação custo e benefício e o Flamengo está se nivelando até mesmo com o seu Botafogo que gasta uma merreca com o futebol.Parece que alguma coisa acontece lá no clube embora concorde que Pará,Tuller,Aarão,Gabigol,Renê,Pires da Mota e outros não podem ser titulares.Mas pelo que ganham deveriam jogar pelo menos com força e raça.O Palmeiras tem um plantel caro e está dando conta para o chá do Brasileiro e o Gremio que não gasta muito ainda vai aparecer bem pode escrever.Também não acredito muito nos brasileiros que vão para a Europa e fazem praça lá e o maior exemplo é esta seleção do Reverendo Tite.Toda cheia de figurões "da Europa" e com uma bolinha de nada.Vou continuar cornetando porque tem algo mais além que não consigo entender.

      Excluir
    2. Corneteiro Velho, respondendo a sua pergunta, porque o Flamengo paga e comprou alguns dos seus jogadores por uma fortuna. A resposta é muito simples, não é de hoje que o Flamengo compra gato por lebre. É só recordar algumas contratações que o Flamengo já fez ao longo da sua história.

      Excluir
  9. A de número 30 está lá, virou um bar ou semelhante, com um puxadinho à direita, em frente ao Zona Sul. A 32 foi demolida, virou Domino's e Spoleto.

    ResponderExcluir
  10. Salvaram-se alguns vestígios dessa época de ouro da ocupação dos bairros Ipanema, Leblon e Copacabana. As vezes quando estou por esse bairros tento garimpar essas casas que quando as encontro minha mente imagina aqueles velhos tempos não vividos por mim.

    ResponderExcluir
  11. Lino Coelho, não foi sem razão que Pereira Passos proibiu as construções do tipo "compoteira" no início do Século XX. Sem ventilação, sem janelas, e com um exíguo banheiro nos fundos da casa, eram focos permanentes de doenças e epidemias. Vi algumas fotos de mulheres quase nuas da década de 1901 e fiquei espantado com o aspecto e jamais teria qualquer tipo de envolvimento com elas. Imaginem uma realidade com poucos ou nenhum banheiro na "na hora do vamos ver" com uma delas? Quanto à sua dúvida se "existem interesses escusos nas arbitragens", lembra de nomes como Antonio Viug, Airton Vieira de Moraes, José Gomes Sobrinho, José Aldo Pereira, Gama Malcher, e Gualter Portela Filho? Pois bem, volta e meia o velho Mario Vianna volta e meia gritava :"Isso é Caso de Polícia, eu vou descer!" Há 50 anos era voz corrente que "havia algo estranho com as arbitragens." Se isso "era sabido", imagine hoje em dia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde a todos.
      Não esqueça que naquele tempo, o RJ era muito mais fresco e, ate porque não dizer, frio do que no presente momento.

      Excluir
    2. Fresco,frio,ou quente,sujeira é sujeira e pronto.

      Excluir
  12. Parece que o comentarista de nome Joel tomou tenência e faz hoje um elogio ao Pereira Passos que proibiu as referidas construções em nome de ambiente um pouco mais salutar e contra a insalubridade.Deveria citar também o Carlos Sampaio e suas ações no mesmo modelo de gestão,especialmente por jogar no chão aquelas vielas com suas pocilgas que não me canso de citar.

    ResponderExcluir
  13. A promiscuidade e a falta de asseio foram o flagelo do Rio de Janeiro no passado. A enorme quantidade de "mulheres da vida" e de "casas de tolerância" no passado fez com que as mortes ocorridas em razão de DST (leia-se gonorréia, sífilis, cancro,etc.) ocorressem em uma escala impressionante. A falta de banheiros e consequentemente de banhos, está diretamente ligada à essa estatística. As regiões da Presidente Vargas, Central, Estácio, Cidade Nova, e Gamboa, eram um enorme "rendez-vouz". Até os anos 50 todo mundo tinha um amigo, irmão, ou parente, que contraiu alguma "doença venérea". Tudo isso em uma cidade muito menor, tudo isso por falta de banho...






    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem me abraçou foi absolvido em muitos pecados e só depois veio meu amigo Tetrex,outro bom camarada.

      Excluir
  14. Na casa da 1ª. foto, além do banheiro único em nível acima do térreo, quem estivesse embaixo, além de subir a escada principal, ainda tinha que descer uma outra menor. Ou seja, a primeira reforma seria para construir pelo menos um lavabo na parte de baixo.

    ResponderExcluir
  15. A melhor análise sobre o Fla é a que diz que o custo está maior que o benefício.
    Como os campeonatos estaduais não servem mais para comparação, o melhor seria disputar no início do ano, algum outro torneio contra times fora do Rio e os 4 grandes só entrariam no Carioca com times sub-23, podendo acrescentar até 3 acima dessa idade, como acontece no futebol olímpico. Não seria igual, mas lembraria os antigos times de aspirantes.
    Os dirigentes da FERJ iriam surtar com uma proposta dessa.

    ResponderExcluir
  16. Agora vendo a planta da segunda casa em uma tela maior, apesar de que o zoom não ajuda muito, reparei que há quartos e dormitórios.

    ResponderExcluir
  17. Nem tudo que é antigo é bom. Para confirmar tal afirmativa, lembro a existência do casario decrépito da região do Estácio, em particular da Av Salvador de Sá, arredores do Sambódromo. Destaque muito especial para as casas da chamada Vila Operária.

    ResponderExcluir