Total de visualizações de página

sábado, 26 de maio de 2018

DO FUNDO DO BAÚ: CENSURA



Hoje é sábado, dia da série "DO FUNDO DO BAÚ". E de lá saem estas cópias de primeiras páginas do JB há 50 anos.
 
Eram ideias do Alberto Dines, falecido esta semana, para driblar a censura imposta pelo governo militar.
 
A primeira é do dia seguinte à decretação do AI-5, que endurecia a ditadura. A solução foi, no quadradinho dedicado ao tempo, colocar o clima do país naquele momento.
 
Outra primeira página criativa foi em 73, quando da deposição de Salvador Allende, ocasião em que os censores proibiram os jornais de dar manchete sobre o assunto. Pois Dines editou uma insólita primeira página, apenas com o texto de uma reportagem dando informações sobre a crise no Chile e o suicídio de Allende, sem nenhuma manchete.
 
Outras vezes o JB saía com colunas em branco na primeira página, significando textos censurados.
 
Nos últimos tempos da ditadura ficou famosa a Dona Solange, à frente de patéticas proibições de notícias. De quadros do programa do Chacrinha à proibição de exibição no Brasil de companhia de balé russa, tudo tinha que ter aprovação prévia.
 
Com isto quanta coisa ficou debaixo do tapete!

22 comentários:

  1. Eram "outros tempos"! A censura adotada pelo governo militar tinha o objetivo de evitar a propagação e a veiculação de notícias potencialmente "perniciosas ao bem estar geral e à orden pública". Qualquer tipo de censura é pernicioso e "variações" eram empregadas em muitos locais. Uma delas era a "supressão do papel" para a impressão de jornais", prática bastante utilizada na Argentina. Outra "prática atualizada" é a propagação de notícias falsas. A Rede Globo e o jornal impresso do grupo fazem o tipo de censura mais vil que se pode imaginar: Toda e qualquer crítica à lascívia, devassidão, ideologia de gênero, inversão sexual, pedofilia, e tudo o que atente à moral e aos bons costumes, é solenemente censurada! As torturas que supostamente eram praticadas na época do governo militar, parecem cousa de criança diante do "monstro global".

    ResponderExcluir
  2. A censura é o sonho dourado de qualquer governante. A informação livre é a base da democracia e a Imprensa tem papel fundamental nisto. Foram tempos que espero que não voltem mais.

    ResponderExcluir
  3. No início dos anos no programa "Flavio Cavalcante", o humorista Costinha adentrou o palco abotoando a braguilha enquanto cantava o refrão: "Estou guardando o que há de bom em mim"... Foi o suficiente para o programa "sair do ar". Agora vemos na novela "Malhação" um adolescente gay "azarando uma conquista", um outro adolescente arquitetando um assalto, e outros absurdos mais, a tolerância do público chega a ser irritante. Mas se alguém chamar o outro de viado, crioulo, sapatão, paraíba, ou fanchono, o "mundo vem abaixo"...

    ResponderExcluir
  4. Bom Dia! A censura nunca me censurou nada,porque nunca fui baderneiro. Os Militares nunca me impediram de estudar o que quis e até onde quis. Nunca me impediram de trabalhar onde quis. Nunca me impediram de viajar para onde quis. Não tenho nada contra a volta de um Governo Militar.Quem os teme são os Esquerdopatas.Estes sim se enquadram perfeitamente no que diz a manchete do JB. Eles é que vivem no tempo dos cegos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca foi tão profética a declaração do Presidente Figueiredo ao vaticinar como seria o futuro do Brasil após a saída dos militares do poder. Há cerca de dois anos atrás era inadmissível "neste sítio" qualquer alusão a período militar. Hoje em dia a volta dos militares ao poder é francamente debatida aqui de uma forma democrática e saudável. E por que será? Simplesmente porque os tempos mudaram e o "sistema democratico" aqui implantado e que nos foi vendido criminosamente, demonstrou ser uma falácia. Simples assim.

      Excluir
    2. Mauro, não esqueça do depósito compulsório que praticamente impedia as viagens.
      Não sou esquerdopata, fui preso por divulgar no exterior as torturas no Brasil. Tortura é o que há de mais vil num ser humano. Felizmente, ainda havia juízes no Brasil. Poucos, mas havia. Fui julgado antes da anistia, fui absolvido e deram-me o cargo que tinha, com todas as promoções. Nunca peguei em armas nem queria uma ditatura comunista no país. Queria apenas liberdade. Liberdade de pensar. Foi um período tristíssimo que espero não ver de novo.

      Excluir
    3. Assino embaixo.
      O que interessa é você. Não o outro. Cumpra a sua parte. Cumpra as Leis.
      O crime Lesa-pátria é punido com a morte da forma mais vil nos países que "eles" tanto admiram.
      Quem não lembra "el paredón"?

      P.S. Uma piada muito conhecida nos tempos de antanho:
      - Quem mais matou comunistas?
      a) Hitler,
      b) os americanos
      c) ativistas da direita,
      c) os comunistas.
      Facílimo, não?

      Excluir
    4. Onde se lê:
      c) os comunistas, leia-se d) os comunistas. É a opção certa.

      Excluir
  5. Esse comentário do Joel me fez lembrar daquela frase do Millôr: "ditadura é quando mandam em mim, democracia é quando eu mando em você". Mas, brincadeiras à parte, realmente a vida num regime de censuras não pode mais voltar. E para aqueles que não querem informações de devassidão e que ferem os "bons costumes", há uma arma poderosa: o controle remoto.

    ResponderExcluir
  6. Até os mamilos das modelos na "Playboy" eram censurados...

    ResponderExcluir
  7. Saudades...
    Do Rio,
    Do JB,
    De aguardar o próximo JB,
    Dos acadêmicos cronistas,
    De Integridade.
    Poderia esgotar laudas.
    O JB desperta doces memórias,
    Os Pereira Carneiro, o Austregésilo de Athayde, o Carlinhos de Oliveira a Clarice...
    Tantos.
    Mas o dia está lindo.
    Urge ser feliz.
    Apesar.

    ResponderExcluir
  8. Como é possível alguém defender uma ditadura que tinha como política de Estado assassinar pessoas (o Estado, a não ser na barbárie, nunca pode assassinar pessoas).
    O país cresceu nos anos 60 e 70, assim como houve uma prosperidade mundial. O regime militar pegou esta onda. E pegou mal, porque quando a situação externa piorou, o país estava despreparado. Caiu na inflação, na recessão e na moratória de uma dívida externa insustentável.
    Quando os militares se retiraram em 1985 a inflação estava quase em 200%, a dívida pública era equivalente a 30% do PIB e a dívida externa 20 vezes maior que a de 1970 (dados do Sardenberg, cronista sabidamente de direita).
    Obras faraônicas deixadas pelo caminho, como a Transamazônica e a Ferrovia do Aço.
    Havia muita corrupção apenas não podia ser descoberta. Simonsen, a propósito, deixou uma frase histórica: "Às vezes é melhor pagar a comissão e não fazer a obra; sai mais barato".
    O regime bota ordem na casa com censura à Imprensa, restrição severa sobre o Judiciário e o Congresso, aniquilação de opositores e eleições controladas.
    Agora os defensores do regime militar dizem que a democracia é fraca para conter as esquerdas e os corruptos. Já os da esquerda dizem que a democracia é ilegítima, que é contra os pobres e pune Lula não porque é corrupto, mas porque é do povo.
    O que há, nos dois lados, é um desprezo pela democracia, pelo Judiciário, pela Imprensa livre.

    ResponderExcluir
  9. Bom dia e a greve dos caminhoneiros continua. Vamos aguardar os próximos acontecimentos. Vamos ver quem não irá chegar ao fim da estrada, os caminhoneiros ou o governo Temer.

    ResponderExcluir
  10. O nível desse debate mostra o nível de evolução "deste sitio" e mostra o quanto essa discussão é salutar. Não existem santos católicos na política, principalmente em um pais onde valores cívicos, morais, e republicanos podem ser comprados com "certa facilidade". A corrupção no tempo dos militares existia. Mas nada que transcendesse as raias do surreal, nem nas doses paquidérmicas como agora, nem com quadrilhas de traficantes e malfeitores comandando a política e os destinos do Brasil.

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde.

    O Dr. D' resolveu mexer em vespeiro e melindrar os comentaristas bolsominions verde-oliva. Os mesmos que defendem o indefensável, apelando para argumentos esdrúxulos.

    Outro expediente conhecido era publicar receitas no lugar das matérias censuradas.

    "A pior democracia é melhor do que qualquer ditadura". Infelizmente não sei de quem é a frase.

    ResponderExcluir
  12. Paises como o Reino Unido cuja tradição democrática dispensa comentários, apesar de se tratar de uma monarquia, não adquiriram esse "status" em "um ou dois mandatos" e foram necessários alguns séculos para sua total consolidação. Da edição da "Magna Carta" em junho de 1215 até os dias atuais, o país passou por guerras, guerras civis, epidemias terríveis como a Peste Negra, e muito sofrimento. Mas o principal foi o amadurecimento da população em todos os sentidos. Não há como comparar os dois povos. Portanto ainda temos um prazo de algumas centenas de anos para nos aprimorarmos em todos os sentidos...

    ResponderExcluir
  13. A falta de combustível deixou o Rio quase parado.O transporte publico opera com 23%.A mais afetada é a área do BRT já que o sistema parou...

    ResponderExcluir
  14. Observador Esportivo26 de maio de 2018 17:34

    Liverpool morreu após saída de Salah.
    Sérgio Ramos é um dos melhores beques do mundo mas é mau caráter.
    Nunca vi um gol como o do Benzema.
    O goleiro parece o Muralha.
    O Real Madrid é muito mais time.

    ResponderExcluir
  15. O que acontece com os times que enfrentam o Real Madrid? Segundo goleiro alemão em seguida que faz lambança... O de hoje em dose dupla.

    Sergio Ramos é mau-caráter mas ganha passada de mão na cabeça por ser justamente do Real Madrid e capitão (do time e da seleção espanhola).

    ResponderExcluir